Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Núcleo de Educação em Direitos Humanos / Notícias / II Semana de Educação em Direitos Humanos discute religião e laicidade

II Semana de Educação em Direitos Humanos discute religião e laicidade

23/08/2011

23/08/2011 15h40 - última modificação 29/08/2011 12h40

O diretor da Faculdade de Humanidades e Direito, Jung Mo Sung, durante a abertura da II Semana de Educação Direitos Humanos. Foto: Mônica Rodrigues

Acompanhe a programação da Semana de Educação em Direitos Humanos

“A noção de laicidade permite que todos sejamos tratados com igualdade”. Foi com uma introdução sobre religião, direitos humanos e laicidade que o diretor da Faculdade de Humanidades e Direito, professor Jung Mo Sung, iniciou nesta terça-feira, 23 de agosto, a II Semana de Educação em Direitos Humanos.

Segundo o docente, ao contrário do que parece, estes assuntos não são opostos. Jung explicou que as palavras leigos e laicidade vêm de “laos”, que significa povo. No passado, as sociedades eram religiosas e faziam distinção entre sagrado e profano, sendo que o sentido de sagrado é separado. Era dessa maneira que os sacerdotes eram visto na época e, portanto, tinham privilégios. 

De acordo com o professor, “quanto mais distante do sagrado, menos direitos as pessoas tinham”. Com o cristianismo, não há mais a ideia de sacerdotes, uma vez que Pedro, um dos discípulos de Jesus, afirma que todos o são. “Se todos são, ninguém mais é sacerdote”, afirmou Jung.

Ele comenta que a noção de povo (“laos”) é no sentido de que não há diferença entre as pessoas, o que acaba por se perder na Idade Média. “Recuperar a importância da laicidade numa universidade confessional é a afirmação de um dos princípios do cristianismo. Todos somos iguais”, finalizou.

Em seguida, a adido cultural adjunta dos Estados Unidos no Brasil, Katherine Caro, falou sobre a situação atual das relações bilaterais entre os dois países e os trabalhos realizados com o Brasil para a promoção dos Direitos Humanos. 

Katherine iniciou afirmando que “temos que reconhecer que o Brasil não é mais uma potência emergente. Ele já emergiu e hoje ocupa uma posição global que não pode ser negada”. 

A adido ressaltou ainda que a visita do presidente dos EUA, Barack Obama, representa o entendimento de que o Brasil é um parceiro crucial e que, no período em que esteve no País, Obama e a presidente Dilma Rousseff assinaram mais de dez acordos bilaterais nas áreas de educação e pesquisa e três relacionados a direitos humanos e inclusão social.

Entre os documentos assinados está o Memorando de Entendimento EUA-Brasil para o Avanço da Condição da Mulher, que visa promover a cooperação e o intercâmbio de informações para eliminar a discriminação contra a mulher e alcançar a igualdade de gênero; a eliminação da violência contra a mulher e do tráfico de mulheres e crianças; e o empoderamento das mulheres. Além disso, há um plano de ação conjunta pela igualdade ética e racial e diversas parcerias com organizações da sociedade civil para a promoção dos direitos humanos.

A II Semana de Educação em Direitos Humanos será realizada até quinta-feira, 25 de agosto, e é promovida pelo Núcleo de Educação em Direitos Humanos da Faculdade de Humanidades e Direito.


Saiba mais notícias sobre a SEDH

Segundo dia da Semana de Educação dos Direitos Humanos debate religião e educação no caso da Metodista

Comunicar erros


Leia mais notícias sobre: , ,