Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Pós-Graduação em Comunicação / Notícias / Doutoranda do Póscom pesquisa representação da androginia na imprensa brasileira

Doutoranda do Póscom pesquisa representação da androginia na imprensa brasileira

Licia Frezza Pisa analisou matérias jornalísticas sobre andróginos em revistas de diversos segmentos

03/05/2017 13h10 - última modificação 03/05/2017 15h10

Os debates sobre gênero e sexualidade estão em alta e cada vez mais notícias, filmes e livros são lançados sobre o assunto. Com um olhar diferenciado sobre essas questões, Licia Frezza Pisa, doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Universidade Metodista de São Paulo, está estudando a representação da androginia na imprensa brasileira por meio de matérias em revistas de diversos segmentos.

Formada em Comunicação Social com habilitação em Publicidade e Propaganda pelo Centro Universitário de Franca, Licia se interessou pela pesquisa desde o início da carreira acadêmica. Ainda na Universidade, fez Iniciação Científica estudando a identidade na novela Malhação. Em seu mestrado em Linguística, na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), analisou a identidade nas redes sociais. “A pesquisa se pautou pela Análise do Discurso por meio das propostas Foucaultianas e teve foco na identidade no Orkut, mostrando como era pautada pelos dizeres do preenchimento do perfil e das políticas de uso e privacidade da rede”, explica.

Foi com esse estudo e leitura da “História da Sexualidade”, de Michel Foucault, que se interessou pela androginia e assexualidade. “Eles poderiam ser pensados como resistência a uma sociedade sexualizada e a tudo o que é heteronormativo. Sendo assim, procurei compreender a discussão que temos atualmente sobre os gêneros e como a mídia colabora, com o processo de midiatização, na construção do que compreendemos por identidades e, em especial, pela androginia”, diz a pesquisadora.

Pesquisa e desenvolvimento

Apesar do crescimento nas discussões sobre gênero e sexualidade, a doutoranda encontrou dificuldades em identificar materiais sobre a temática. “A pesquisa bibliográfica e história me ajudaram bastante na compreensão do andrógino e seu percurso histórico, mitológico e biológico até chegar no cultural”, conta. Utilizando o método de Análise do Discurso, e os Estudos Culturais, Licia analisou a identidade do andrógino em revistas, em um período de 1993 até 2015, com um total de 80 matérias em 21 revistas variadas, como Veja, Capricho, Todateen, Carta Capital e Vogue.

“Por meio dos discursos e imagens da mídia a sociedade recebe informações e forma suas opiniões sobre determinados temas. Compreender o que é androginia e perceber como a mídia apresenta uma identidade por meio de um estereótipo desconstrói o que a androginia pretende. É interessante ver esse movimento num momento em que tantas identidades de gênero emergem com propostas ao mesmo tempo fechadas, abertas, plurais e cerceadas”, declara. Com a análise, a doutoranda pôde perceber a reprodução de um estereótipo, pois a androginia está geralmente ligada a um discurso de moda e à uma imagem de ousadia, de corpos altos, magros, brancos e jovens.

“Um dos pontos interessantes é analisar que a evolução da identidade passa do biológico, com o sexo e sexualidade, para o cultural, com o gênero e, por incrível que pareça, o biológico e o cultural entram em embates discursivos na formação das identidades. Além de percebermos como a mídia organiza estereótipos mesmo quando a lógica é não ter estereótipos”, comenta.

Os aprendizados do doutorado são colocados em prática no trabalho de Licia, que é professora do curso de Produção Publicitária do Instituto Federal do Sul de Minas: “atuo como orientadora de trabalhos de Iniciação Científica que também pesquisam a identidade como: a identidade da mulher em propagandas de automóveis; as identidades plurais, fazendo uma comparação entre marcas que adotam um discurso plural em coleções de moda, mas que não transmitem isso em suas propagandas; além de estudos com blogs e youtubers como novos formadores de opinião”.

Comunicar erros


Leia mais notícias sobre: , , , , , ,
SOBRE O PROGRAMA