Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Núcleo de Formação Cidadã / Notícias / Ao contrário das leis, sociedade avança lentamente na inclusão de pessoas deficientes

Ao contrário das leis, sociedade avança lentamente na inclusão de pessoas deficientes

Metodista realiza pela primeira vez Seminário de Inclusão e Cidadania e conclui que há mais leis do que aceitação

24/09/2015 16h55 - última modificação 24/09/2015 17h21

Grupo Integrarte integra ouvintes e surdos

Se dependesse somente de legislação, as pessoas com deficiência estariam resumidas a uma respeitável quantidade no Brasil: são 45,6 milhões com algum tipo de limitação física, mental ou sensorial. A questão é que, se o País avançou no rol de leis que protegem e promovem essas pessoas como cidadãs, na prática a sociedade não seguiu esse progresso.

“Na teoria é tudo muito bonito. Foram 15 anos aguardando a aprovação da lei 13.146 que estabelece diretrizes para essas pessoas. Mas só a convivência permite conhecer a realidade do deficiente, um convívio necessário para que a sociedade realmente aceite e valorize a diversidade”, afirmou a professora de Educação Inclusiva da Universidade Metodista, Maria José de Oliveira Russo, ao abrir o Seminário de Inclusão e Cidadania promovido pela primeira vez na instituição, na noite de 22 de setembro último.

Segundo professora Marjô, como é conhecida, a sociedade ainda olha para as dificuldades das pessoas com deficiência, não para suas possibilidades. A aceitação do outro ainda carrega preconceitos, como a nomenclatura que continua a categorizar como “excepcionais” ou “portadoras” de deficiência, o que a atual legislação aboliu.

“Por uma sociedade inclusiva” foi o tema do evento, promovido pelo Núcleo de Formação Cidadã da Metodista para lembrar o 21 de setembro, Dia Nacional de Luta das Pessoas com Deficiência. O seminário buscou refletir sobre a inclusão social e educacional na sociedade e as lutas por cidadania das pessoas com deficiência.

O grupo de dança Integrarte, composto de jovens surdos e ouvintes, arrancou aplausos pelas apresentações e pelo exemplo de como é possível a integração entre pessoas diferentes. Também falaram a professora Márcia Cristina Caravieri, da Educação Inclusiva da Metodista, que explicou a Linguagem de Libras, e a professora Vânia Santiago, da Faculdade Singularidade, sobre Educação Inclusiva.

De D.Pedro a Romário     

NFCSeminrioInclusao2.jpg
Prof. Marjô Russo

Professora Marjô Russo historiou os “Avanços na legislação e na sociedade”, destacando que desde o Império a inclusão social preocupa. D.Pedro II introduziu já à sua época dois institutos, de meninos cegos e para surdos-mudos. O tema foi contemplado depois em várias LDB (Leis de Diretrizes e Bases) – de 1961, 1971, Constituição de 1988 e 1996, passando pelo endosso do Brasil à Declaração de Salamanca (1994) e à Convenção da Guatemala (1999).

Todos foram derrubando barreiras aos deficientes, até culminar em 2008 (com revisão em 2011) na Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva – Atendimento Educacional Especializado. A partir de 2008, as escolas foram obrigadas a adotar salas com recursos multifuncionais para atender as necessidades de alunos com deficiência no contraturno das aulas normais que também puderam frequentar.

O maior ganho, entretanto, é recente: a chamada “Lei Romário” (13.146, em vigor desde 7 de julho de 2015), por meio da qual vários benefícios se estabeleceram. Professora Marjô destacou a proibição de escolas e planos de saúde de cobrar preço diferenciado para pessoas com deficiência, a reserva de 10% das vagas em teatros, cinemas, hotéis e estádios, além da exigência de ônibus e táxis adaptados. Também se sobressai o acesso preferencial à Justiça, inclusive com leis que enquadram como crime o abandono ou a apropriação de bens do deficiente.

Os próximos passos são o Cadastro Nacional, espécie de censo da população com deficiência para orientar novas políticas públicas, e mudanças no Estatuto da Cidade prevendo acessibilidade plena em qualquer espaço social.

Leitura labial    

NFCSeminrioInclusao3.jpg
Prof. Márcia Caravieri
     

Já professora Márcia Caravieri, cuja palestra abordou “Cultura Surda, Libras e Bilinguismo”, opinou que o preconceito linguístico em relação ao surdo existe por falta de infomação. “Por que todos querem aprender inglês e não Libras?”, provocou, colocando os dois conhecimentos no mesmo patamar de importância para as relações interpessoais. E prosseguiu: “Surdo é só surdo, não um coitado. Ele tem todas as competências para uma vida pessoal e profissional normal”.

Professora Márcia ensinou à plateia os sinais de Libras e deu orientações sobre como se relacionar com esse público. Por exemplo, conversar sempre de frente e gesticular bastante, pois o surdo faz com rapidez a leitura labial e capta expressões corporais com facilidade.

Esta matéria foi publicada no Jornal da Metodista.
Conheça Outras.

Comunicar erros


Leia mais notícias sobre: , , , , ,