Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Pós-Graduação em Administração / Notícias / Empresas enxugam 11% dos quadros e elevam em 17% o faturamento por funcionário

Empresas enxugam 11% dos quadros e elevam em 17% o faturamento por funcionário

Pesquisa Indicadores de Gestão de Pessoas foi realizada pela Universidade Metodista e Associação de Recursos Humanos

16/11/2016 20h20 - última modificação 16/11/2016 20h31

fotospublicas.com (Valdecir Galor-SMCS)

Empresas da iniciativa privada reduziram o quadro de colaboradores em 11,09% em 2015, contra 1,40% em 2014, ou seja, a eliminação de pessoal no ano passado foi quase oito vezes maior do que no ano anterior. Em consequência, o faturamento por colaborador subiu de R$ 280,4 mil para R$ 330,3 mil no ano passado. Isso significa que em 2015 as empresas enxugaram equipes, mas aumentaram em 17,77% o faturamento por funcionário em termos reais, levando-se em conta os 10,67% do INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) que baliza os salários.

A redução de efetivos de forma voluntária atingiu apenas 9,5% no ano passado, contra 36,9% em 2014. Num quadro de grave crise econômica, é natural que as pessoas se prendam mais ao emprego, conclui pesquisa sobre Indicadores de Gestão de Pessoas realizada anualmente pelo GEPeCLiC (Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Carreiras, Liderança e Competências) da Pós-Graduação em Administração da Universidade Metodista de São Paulo, em parceria com a AGERH (Associação de Gestores de Recursos Humanos).

Apesar do universo limitado a 10 empresas grandes e médias do ABC paulista e Capital, os números são representativos porque compreendem indústria e serviços do setor privado que são referência em suas atividades econômicas. Estão nesse rol organizações nacionais e multinacionais, de administração familiar e não familiar das cidades de São Bernardo do Campo, Diadema e São Paulo. Os dados referem-se a 2015 comparados a 2014, ou seja, a um ano de crise já instalada. Foram avaliadas 12 práticas, desde gestão de pessoas até incentivos aos quadros e ações de sustentabilidade, passando por pesquisa específica sobre o Departamento de Recursos Humanos.

Na 17ª edição, o levantamento indica que a redução dos cargos de liderança em relação ao total foi de 9,5%, contra 10,4% há dois anos. Esse movimento reforça outro dado da pesquisa segundo o qual aumentou o percentual de pessoas com curso superior no quadro de funcionários, de 17,7% para 18,7%. Os pesquisadores acreditam que talvez o desligamento em massa de funcionários tenha sido maior entre os que não possuem curso superior.

Um dado positivo diz respeito ao incentivo à formação educacional. Somente 40% das empresas declararam não oferecer benefícios. Nas 60% restantes os incentivos variam de 25% a 100%.

Outro avanço está sobre mulheres na liderança, que chegaram a 52,1% em 2015, quando no ano anterior eram 46,3%. Significa que pela primeira vez a quantidade de líderes mulheres ultrapassou a quantidade de líderes homens. Isto é resultado da maior quantidade de mulheres em cursos superiores, sobretudo os ligados à gestão como Administração e tecnólogos em Gestão.

Por outro lado, pelo segundo ano consecutivo ficou clara a pouca preocupação com a carreira dos funcionários nas empresas pesquisadas, pois nenhuma apontou planos de gestão de carreiras, retenção de talentos e preparo para aposentadoria.

RH perde status

Especificamente sobre o setor de Recursos Humanos, a pesquisa chama atenção para a perda de status em 2015. Houve rebaixamento dos cargos de diretores para gerentes e, destes, para supervisores. Em compensação, aumentou de 67% para 87% o percentual de líderes de RH participando de comitês estratégicos, provavelmente para gerir as consequências legais e de custo das demissões.

Os RH com cargos de diretoria ou acima desse nível somaram 30% no ano passado, contra 50% no ano anterior, enquanto aqueles com status menor, de supervisão, cresceram de 8,3% para 20% no confronto dos dois períodos.Também se destaca a redução do percentual de T&D (Treinamento & Desenvolvimento), revelando que em momentos de crise essa função é menos prioritária que as funções operacionais (caiu de 19% para 5,9% do total de RH).

Veja aqui a íntegra da 17ª Pesquisa Indicadores de Gestão de Pessoas.

Esta matéria foi publicada no Jornal da Metodista.
Conheça Outras.

Comunicar erros


Leia mais notícias sobre: , , , , , , , , , , ,
SOBRE O PROGRAMA
DOCENTES