Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Pós-Graduação em Administração / Disciplinas / 1º semestre de 2016 / Estratégias e Organizações

Estratégias e Organizações

Professor Kleber Markus

Universidade Metodista de São Paulo
Faculdade de Ciências Administrativas
Programa de Pós-Graduação em Administração

Disciplina: Estratégias e Organizações
Professor: Kleber Markus
Carga horária: 45 horas-aula (3 créditos)
Turma: 1º semestre de 2016
Horário: Segunda-feira das 13h30 às 16h30

Plano de Ensino da Disciplina

Objetivos da disciplina: auxiliar os alunos na realização de raciocínios estratégicos e na simulação e construção de cenários competitivos, bem como nas análises de diversificação de negócios. Em especial, o foco da administração estratégica estará dirigido ao aumento da competitividade e da inovação como meio para o alcance de desempenhos organizacionais. O curso visa ao entendimento da vantagem competitiva sustentável sob o enfoque dos desequilíbrios de mercado.

a) Objetivos gerais: refletir sobre estratégia no contexto da globalização, na qual o pressuposto predominante é a competitividade, embora outras teorias e práticas coexistam.
b) Objetivos específicos: desenvolver a capacidade analítica e reflexiva em Gestão Estratégica de Organizações por meio de análises teóricas, estudos de casos e discussões interativas, focalizando ações estratégicas desenvolvidas por organizações no contexto do capitalismo em diferentes circunstâncias de retorno de capital.

Justificativas: o processo de administração estratégica possibilita o desenvolvimento de habilidades e conhecimentos para a compreensão dos desafios organizacionais face à concorrência.
O alinhamento das estratégias aos alvos, segmentos e orçamentos é necessário ao alcance dos objetivos organizacionais por meio do incremento da velocidade das ações de gestão e de respostas competitivas ao mercado. A compreensão das fontes de vantagens competitivas sustentáveis tem sido alvo de pesquisas de ponta no Brasil e no exterior, tornando-se indispensável aos pesquisadores da área de gestão de pessoas e organizações.

Ementa: Conceitos de estratégia. Desempenho empresarial. Vantagem competitiva sustentável das organizações. Imperfeições e desequilíbrios de mercado. Ações organizacionais individuais e pressões de oferta e demanda. Economias de escala e escopo. Crescimento, rentabilidade e diversificação. A nova organização industrial. Escola do posicionamento, produtos homogêneos e diferenciação. Valor agregado e inovação. Capacidades dinâmicas. Convergência entre estratégia empresarial e estudos organizacionais.

Avaliação:
Seminário com aula expositiva = 3 pontos.
Produção de paper = 7 pontos.

Programa:
1 – Análises conceituais de Marketing a partir das transformações globais: Revolução Industrial e Revolução Digital (slides introdutórios);
2 – A falácia da globalização (A1 O Choque de civilizações, Samuel Huntington, Objetiva, 1996, p. 65-94); (A2 Saturação, Michel Maffesoli, Iluminuras, 2010, p. 31-43); (A3 Gestão de marketing e comunicação, M. H. Yanaze, 2007, Saraiva, p. 433-443);
3 – Teoria dos 3 Puts (A4 Gestão de marketing e comunicação, M. H. Yanaze, 2007, Saraiva, p. 45-51);
4 – Comunicação integrada 3D – o eixo z (A5 Comunicação institucional e mercadológica, Kleber Markus, Org. Daniel Galindo, UMESP, 2012, p. 31-64);
5 – Posicionamento mercadológico e posicionamento de marcas – branding global (A6 Marketing global, Warren J. Keegan, Pearson, 2000, p. 105-127);
6 – Precificação e não mercados (slides);
7 – Análise das demandas e macroambientes (A7 Administração de marketing, Philp Kotler, Prentice Hall, 2000, p. 158-177);
8 – Estratégias de ataque e defesa (A8 Estratégia de marketing e posicionamento competitivo, Nigel Piercy et al., Prentice Hall, 2001, p. 297-309);
9 – Instrumentalização: MCP;
10 – Instrumentalização: SWOT;
11 – Aplicativos MCP/SWOT;
12 – Seminários;
13 – Seminários;
14 – Seminários;
15 – Devolutiva de papers, avaliação de seminários e fechamentos.

Bibliografia:
AKTOUF, O. Governança e pensamento estratégico: uma crítica a Michael Porter. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 42, n. 3, p. 43-53, jul./set., 2002.
ASTLEY, W. G.; VAN de VEN, A. H. Debates e perspectivas centrais na teoria das organizações. Revista de Administração de Empresas, v. 45, n. 2, p. 52-73, abr./jun., 2005.
BERRIGAN, John. Marketing de segmentação. São Paulo: Makron Books, 1994.
BERTERO, C. O.; VASCONCELOS, F. C.; BINDER, M. P. Estratégia empresarial: a produção científica brasileira entre 1991 e 2002. Revista de Administração de Empresas, v. 43, n. 4, p. 48-62, out./dez., 2003.
BOONE, Louis; KURTZ, David. Marketing contemporâneo. Rio de Janeiro: LTC, 1998.
BRITO, L. A. L. E VASCONCELOS, F. C. D. Performance of brazilian companies: year effects, line of business and individual firms. Brazilian Administration Review, v. 1, n. 1, p. 1-15, 2004.
CAVALCANTI, M. (org.) Gestão estratégica de negócios. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2001.
FERNANDES, B. H. R.; FLEURY, M. T. L.; MILLS, J. Construindo o diálogo entre competência, recursos e desempenho organizacional. Revista de Administração de Empresas, v. 46, n. 4, p. 48-65, out./dez., 2006.
FLEURY, M. T. L.; FLEURY, A. Construindo o conceito de competência. Revista de Administração Contemporânea, p. 183-196, 2001. Edição especial.
GHEMAWAT, P. A estratégia e o cenário dos negócios. Porto Alegre: Bookman, 2000.
GRANT, R. M. Contemporary strategy analysis - concepts techniques applications. Malden MA, Blackwell Publisers, 2002.
GUARIDO FILHO, E. R.; ROSSONI, L. Cooperação interinstitucional no campo da pesquisa em estratégia. Revista de Administração de Empresas, v. 47, n. 4, p. 74-88, out./dez., 2007.
HAMEL, G.; PRAHALAD, C. K. Competindo pelo futuro. Rio de Janeiro: Campus, 1995.
HOOLEY, G.; SAUNDERS, J. Posicionamento competitivo. São Paulo: Makron, 1996.
HUNTINGTON, Samuel. O choque de civilizações. São Paulo: Objetiva, 1996.
KARABABA, E.; GER, G. Early Modern Ottoman Coffeehouse Culture and the Formation of the Consumer Subject. Journal of Consumer Research, 37(5), p. 737-760, 2011.
KEEGAN, W. J. Marketing global. São Paulo: Pearson, 2000. p. 105-127
KOTLER, P. Administração de marketing. São Paulo: Prentice Hall, 2000, p. 158-177.
MACHADO-DA-SILVA, C. L. Nota técnica: estratégia e organizações: conversação necessária. In: CLEGG, S. R.; HARDY, C.; NORD, W. R. Handbook de estudos organizacionais: ação e análise organizacional. São Paulo: Atlas, 2004, v. 3, p. 69-76.
MACHADO-DA-SILVA, C. L.; VIZEU, F. Análise institucional de práticas formais de estratégia. Revista de Administração de Empresas, v. 47, n. 4, p. 89-100, jul./set., 2007.
MAFFESOLI, Michel. Saturação. São Paulo, Iluminuras, 2010.
MARIOTTO, F. L. Mobilizando estratégias emergentes. Revista de Administração de Empresas, abril/maio/junho, p. 78-93, 2003.
MARKUS, K; GALINDO, D. (org). Comunicação institucional e mercadológica. São Paulo: UMESP, 2012, p. 31-64.
MARKUS, K. et al. Marketing. São Paulo: Saraiva, 2012.
MARKUS, K. O futuro quatro horas atrás. Pesquisa de pós-doutorado, Université de Paris – SORBONNE, 2012.
MONTGOMERY, C.; PORTER, M. Estratégia: a busca da vantagem competitiva. 3. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1998.
NORD, W. R. Handbook de estudos organizacionais: ação e análise organizacional. São Paulo: Atlas, 2004, v. 3.
OSTER, S. Modern competitive analysis. Oxford: Oxford University Press, 1994.
PETERAF, M. A., The cornestones of competitive advantage: a resource-based view. Strategic Management Journal. v. 14, p. 179-188, 1993.
PINHO, A. F. D. A. E SILVA, J. F. D., Posicionamento estratégico e desempenho de mercado da indústria farmacêutica à luz da tipologia de Porter. Revista de Administração Contemporânea,
v. 5, n. 3, p. 27-52, 2001.
PIERCY, N.; et al. Estratégia de marketing e posicionamento competitivo. São Paulo: Prentice Hall, 2001, p. 297-309
PODOLNY, J. M., STUART, T. E. E HANNAN, M. T. Networks, knowledge, and niches: competition in the worldwide semiconductor industry, 1984-1991’. The American Journal of Sociology. v. 102, n. 3, p. 659-689, 1996.
PORTER, Michael E. Vantagem competitiva: criando e sustentando um desempenho superior. Rio de Janeiro: Campus, 1991.
PRAHALAD, C. K.; HAMEL, G. The core competence of the corporation. Harvard Business Review. v. 68, n. 3, mai./jun. 1990, p. 79-91.
QUEIROZ, M. A. L.; VASCONCELOS, F. C.; GOLDSZMIDT, R. G. B. Economic rents and legitimacy: incorporating elements of organizational analysis institutional theory to the field of business strategy. Brazilian Administration Review, v. 4, n. 1, p. 51-65, jan./april 2007.
RAMOS-RODRÍGUES, A-R; RUÍZ-NAVARRO, J. Changes in the intellectual structure of strategic management research: a bibliometric study of the Strategic Management Journal, 1980-2000. Strategic Management Journal, 25: p. 981-1004, 2004.
RUMELT, R. P., SCHENDEL, D. E TEECE, D. J., Strategic management and economics. Strategic Management Journal, 12, 5 25 Pages. 1991.
ÜSTÜNER, T., THOMPSON, C. J. How marketplace performances produce interdependent status games and contested forms of symbolic capital. Journal of Consumer Research, 38 (February),
p. 796-815, 2012.
VASCONCELOS, F. C.; CYRINO, A. B. Vantagem competitiva: os modelos teóricos atuais e a convergência entre estratégia e teoria organizacional. Revista de Administração de Empresas,
v. 40, n. 4, p. 20-37, 2000.
VASCONCELOS, F. C. A institucionalização das estratégias de negócios: o caso das start-ups na internet brasileira em uma perspectiva construtivista. Revista de Administração Contemporânea, v. 8, n. 2, p. 159-179, 2004.
WHIPP, R. Desconstrução criativa: estratégia e organizações. In: CLEGG, S. R.; HARDY, C.;
WEBSTER, J.; WATSON, R.T. Analyzing the past to prepare for the future: writing a literature review. MIS Quarterly, (26:2), 2002, R13-23.
Whetten, D.A. What constitutes a theoretical contribution? Academy of Management
Review; v. 14, n. 4, p. 490-495, 1989.
YANAZE, M. H. Gestão de marketing e comunicação. 2 ed. São Paulo: Saraiva, 2011.
ZAWISLAK, P. A. Nota técnica: economia das organizações e a base para o pensamento estratégico. In: CLEGG, S. R.; HARDY, C.; NORD, W. R. Handbook de estudos organizacionais: ação e análise organizacional. São Paulo: Atlas, 2004, v. 3, p. 180-185.

Comunicar erros

SOBRE O PROGRAMA
DOCENTES