Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Stricto / Notícias / Novo coordenador de Pós e Pesquisa, prof. Davi Barros busca o Doutorado em Administração

Novo coordenador de Pós e Pesquisa, prof. Davi Barros busca o Doutorado em Administração

Ex-reitor da Metodista de 1998 a 2006, Davi Barros avalia como qualificada a produção científica atual

20/04/2017 15h30 - última modificação 20/04/2017 15h33

(Imagem Unimep)

Há um mês de volta à Universidade Metodista de São Paulo e “tomando pé da situação”, conforme diz, como novo coordenador de Pós-Graduação e Pesquisa, o ex-reitor Davi Barros já tem boas impressões dos primeiros contatos. Definiu como qualificada a produção científica dos nove programas de stricto sensu instalados hoje e anunciou no horizonte dos planos imediatos a conquista do Doutorado em Administração.

Professor Davi Barros também avalia positivamente a área que assumiu citando o volume de apoio financeiro vindo não somente da CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), do MEC, mas também de outras agências de fomento como Fapesp e CNPq. A Fapesp, inclusive, instalou um setor especial de apoio à pesquisa dentro da Metodista junto ao EAP (Escritório de Apoio à Pesquisa), que foi lançado em agosto de 2014. Em três anos desde então, o EAP já intermediou R$ 1,366 milhão em auxílios à pesquisa e R$ 250 mil em bolsas vinculadas.

Doutor em Filosofia da Educação com ênfase em Administração de Ensino Superior pela Vanderbilt University (EUA), professor Davi foi reitor da UMESP e diretor geral do Instituto Metodista de Ensino Superior (IMS) por dois mandatos consecutivos (1998-2006), além de reitor da Universidade Metodista de Piracicaba (2006-2008) e do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix (2010-2011).

No stricto sensu ele coordenará área que em uma década, de 2007 até o primeiro trimestre de 2017, promoveu 1.394 dissertações e teses e acolhe atualmente 323 mestrandos e doutorandos. Mais da metade dos alunos têm bolsa de estudos. Em 2016, as bolsas CAPES/CNPq para stricto beneficiaram 181 alunos (ou 58,6% do total) e neste ano contemplam 183 mestrandos e doutorandos, ou 55,6%.

Atualmente, a Metodista tem nove programas de stricto sensu, cinco dos quais com Mestrado (Administração, Ciências da Religião, Comunicação Social, Educação e Psicologia da Saúde) e quatro com Doutorado (Ciências da Religião, Comunicação Social, Educação e Psicologia da Saúde). A pós-graduação em Ciências da Religião, com nota 6, é o melhor programa dessa área no País, segundo escala 1 a 7 da Capes/MEC.

Acompanhe a entrevista do novo coordenador ao portal Metodista:

1 – Como o senhor avalia o quadro que encontrou no stricto sensu?

R - Posso observar que a área avançou bastante na última década, não somente no número de programas, como a criação do Doutorado em Educação, mas, sobretudo, pela crescente qualificação dos programas, que são rigidamente avaliados pela CAPES, o órgão governamental que estimula a produção acadêmico-científica em nosso País por meio de universidades ou institutos de ensino superior. As revistas dos nossos programas têm crescido na pontuação classificatória de qualidade científica, o que demonstra que professores e alunos estão evoluindo e correspondendo às expectativas que se esperam de uma pós-graduação stricto sensu.

Em resumo a produção sempre pode melhorar em quantidade e qualidade, mas pode-se afirmar que temos tido, até aqui, uma produção qualificada.

2 – Há planos de ampliar os programas hoje ofertados? Para quais áreas?

R - O caminhar da Universidade Metodista de São Paulo e o avanço acadêmico e pedagógico de suas amplas e variadas áreas de conhecimento é que vão dizer se temos ou não condições de criar outros programas. Nos dias atuais, o alvo que está posto é que nosso Mestrado em Administração consiga os requisitos básicos exigidos pela CAPES para criar o Doutorado na área.

3 – Como o senhor avalia a qualidade dos estudos científicos que a Metodista promove? Pelos temas e áreas que a universidade oferece, estamos colaborando para qualificar o mundo da pesquisa?

R - A produção de nossos programas de Comunicação, Ciências da Religião, Psicologia, Educação e Administração tem mantido intensa participação em eventos e em publicações nacionais e internacionais. Isso demonstra a aceitação dessas publicações e participações como sinal de sua pertinência e contribuição à ciência contemporânea.

Tanto é verdade que nossa instituição tem recebido apoio financeiro não somente da CAPES, mas também do CNPq e da FAPESP. É oportuno mencionar que a Metodista criou um setor especial de apoio à pesquisa que é credenciado pela FAPESP e que ajuda professores na apresentação de seus projetos de pesquisa, com vistas a receber auxílio financeiro. A grande maioria dos projetos enviados tem sido aprovada por essa agência de fomento.

4 – O senhor acha que o stricto sensu serve apenas para quem quer seguir carreira acadêmica ou, num cenário que exige cada vez mais conhecimentos e melhorias profissionais, devem ser pontes para construir também carreiras de mercado?

R - Diria que os programas de Pós-graduação de Mestrado e Doutorado estão focados principalmente na produção de conhecimento útil para a sociedade, por meio de indagações e questionamentos suscitados pela própria vivência do estágio civilizatório em que nos encontramos. Outro alvo dos programas é a formação e qualificação de docentes. A incursão aprofundada do docente numa área de conhecimento o habilita a ser um líder de aprendizagem, por meio de processos de ensino e aprendizagem que normalmente ocorrem numa instituição educacional.

Mas, é bem verdade que toda pessoa bem equipada em termos de conhecimento e maturidade social e cidadã tem condições de atuar em outras áreas profissionais do chamado mercado e exercer outra profissão com competência e qualidade.

Comunicar erros


Leia mais notícias sobre: , , , , , , , , ,