Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Pós-Graduação em Comunicação / Estrutura do Programa / Plano de Ensino / 1º semestre de 2016 / Práticas jornalísticas na contemporaneidade

Práticas jornalísticas na contemporaneidade

Professora: Marli dos Santos

Ementa: O jornalismo e seus valores essenciais. A nova ecologia dos meios e o paradigma tecnológico: os impactos nos processos de produção e distribuição. Jornalismo Industrial e pós-industrial. Jornalismo colaborativo e participativo: democratização da informação ou utopia? O jornalismo independente e alternativo na internet: as possibilidades do crowdfunding e crowdsoursing. As narrativas híbridas e inovadoras no contexto contemporâneo.

Objetivo Geral:
- Refletir sobre os valores essenciais do jornalismo diante das práticas jornalísticas na contemporaneidade

Objetivos específicos:
- Discutir a produção e distribuição jornalística a partir dos impactos da tecnologia
- Refletir sobre os novos modelos de negócio e a transição da era industrial para a pós-industrial
- Discutir as práticas de crowdfunding e crowdsourcing no jornalismo independente e alternativo
- Apresentar as narrativas contemporâneas presentes nos veículos tradicionais da grande imprensa e no jornalismo digital

Metodologia
Aulas expositivas, debates e seminários sobre novas práticas de jornalismo.

Avaliação:
Participação nas atividades da disciplina, elaboração de ebook colaborativo com textos individuais e coletivos.

Conteúdo programático:

  • Pilares do jornalismo: verdade, objetividade, imparcialidade, pluralismo 
  • A credibilidade como valor existencial do jornalismo
  • Ecologia midiática e o paradigma tecnológico
  • Jornalismo industrial e pós-industrial
  • Uma nova cena para o jornalismo contemporâneo?
  • Jornalismo colaborativo e participativo: não mais gatekeeper?
  • A participação do cidadão no jornalismo: mito ou realidade?
  • Jornalismo independente: experiências em crowdfunding e crowdsoursing
  • Narrativas híbridas e inovadoras: transmídia, hiperlocal, infográfico interativo
  • Narrativas híbridas: o fenômeno do infotenimento 
  • E o jornalismo impresso?


BIBLIOGRAFIA
AGUADO, Juan Miguel; GÜERE, Héctor Navarro. Comunicación móvil, ecosistema digital e industrias culturales. In: AGUADO, Juan Miguel; FEIJÓO, Claudio; MARTINÉZ, Inmaculada J. La Comunicación Móvil – Hacia un nuevo ecosistema digital. Gedisa Editorial: Barcelona – Espanha, 2013.

ANDERSON, C.W.; BELL, Emily; SHIRKY, Clay. Jornalismo Pós-Industrial: adaptação aos novos tempos. Trad. Ada Felix. REVISTA DE JORNALISMO DA ESPM. São Paulo: ESPM, abril, maio, junho/2013. Disponível em http://www.espm.br/download/2012_revista_jornalismo/Revista_de_Jornalismo_ESPM_5/files/assets/common/downloads/REVISTA_5.pdf. Acesso em 20 de setembro de 2015.

BARBOSA, Suzana. Jornalismo convergente e continuum multimídia na quinta geração do jornalismo nas redes digitais. In: CANAVILHAS< João (Org). Notícia e mobilidade. Jornalismo na era dos dispositivos móveis. Covilhã, UBI, LabCom, Livros Labcom. Disponível em: http://www.livroslabcom.ubi.pt/book/94. Acesso em 20 de nov. 2015.

BARSOTTI, Adriana. Produção de notícias para dispositivos móveis: a lógica das sensações e o infotenimento. In: CANAVILHAS< João (Org). Notícia e mobilidade. Jornalismo na era dos dispositivos móveis. Covilhã, UBI, LabCom, Livros Labcom. Disponível em: http://www.livroslabcom.ubi.pt/book/94. Acesso em 20 de nov. 2015.

BITTENCOURT, Maria Clara Aquino. Características de convergência na atuação do Mídia Ninja. COMUNICAÇÃO & INOVAÇÃO, São Caetano do Sul, v. 15, n. 28:(76-86) jan-jun 2014. Disponível em http//: www. seer.uscs.edu.br/index.php/revista_comunicacao_inovacao/article/view/2393. Acesso em 02 de julho de 2014.

CANAVILHAS, João. Do gatekeeping ao gatewatcher: o papel das redes sociais no ecossistema mediático. II Congreso Internacional Comunicación 3.0, Universidade de Salamanca, Espanha. Disponível em http://campus.usal.es/~comunicacion3punto0/comunicaciones/061.pdf

CAPRINO, Mônica Pergurer. Jornalismo impresso: transformações e sobrevivência no século XXI. Anuário Unesco/Metodista, vol. 13, n. 13. Disponível em: https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/AUM/article/view/2192/2114. Acesso em 10 jan de 2016.

CORRÊA, Elizabeth Saad; BERTOCCHI, Daniela. A cena cibercultural do jornalismo contemporâneo: web semântica, algoritmos, aplicativos e curadoria. MATRIZES. São Paulo, Ano 5 – nº 2 jan./jun. 2012, p. 123-144

COSTA, Caio Tulio. Um modelo de negócio para o jornalismo digital. REVISTA DE JORNALISMO DA ESPM. São Paulo: ESPM, abril, maio, junho/2014. Disponível em https://drive.google.com/file/d/0B17Kzd_mFtzrdVF4dEFQMnJWakE/edit?pli=1. Acesso em 20 de setembro de 2015.

CHAPARRO, Carlos Manuel. Interesse publico não se confunde com “interesse do público”. 31 de Julho de 2012. Disponível em: http://www.oxisdaquestao.com.br/admin/arquivos/artigos/2012_7_31_14_31_7_54154.pdf. Acesso em 20 de outubro de 2015.

FELINTO, Erick. Crowdfunding: entre as Multidões e as Corporações. São Paulo: Revista Comunicação, Mídia e Consumo, Ano 9, Vol. 9, N.26, p. 137-150, Nov. 2012

FONSECA, Virginia; LINDEMAN, Cristiane. Webjornalismo participativo: repensando algumas questões técnicas e teóricas. Disponível em: <http://200.144.189.42/ojs/index.php/famecos/article/viewFile/4589/4308>. Acesso em 20 jun.2015.

KARAM, Francisco José Castilhos; Christofoletti, Rogéwrio. Fundamentos jornalísticos para novos cenários éticos da informação. In: SILVA, Gislene... et al organizadores. Jornalismo contemporâneo. Figurações, impasses e perspectivas. Salvador: EDUFBA: Brasília: Campós, 2011.

LIMA JUNIOR, Walter T.; Barboza, Eduardo U. F. A infografia interativa como narrativa jornalística e as possibilidades do HTML5. Brazilian Research Journalism, vol. 11, n. 2. Disponível em: http://bjr.sbpjor.org.br/bjr/article/view/664/666. Acesso em: 10 de dez. 2015.

LISBOA, Silvia; BENETTI, Marcia. O jornalismo como crença verdadeira. Brazilian Research Journalism, vol. 11, n. 2. Disponível em: http://bjr.sbpjor.org.br/bjr/article/view/664/666. Acesso em: 10 de dez. 2015

MALINI, Fábio. Modelos de colaboração nos meios sociais da internet: Uma análise a partir dos portais de jornalismo participativo. XXXI Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, Natal, 2008. Disponível em: http://portcom.intercom.org.br/navegacaoDetalhe.php?id=35526. Acesso em 20 de setembro de 2014.

MOTTA, L.G. A Análise Pragmática da Narrativa Jornalística. Disponível em: http://galaxy.intercom.org.br:8180/dspace/handle/1904/16836, 2005. Acesso em 26/01/2012.

OLIVEIRA, Roberto Joaquim. Matriz da linguagem visual em jornais diários: os casos OESP e FOLHA em 2010. Anuário Unesco/Metodista, vol. 13, n. 13. Disponível em: https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/AUM/article/viewFile/2199/2122. Acesso em 10 jan de 2016.

PALÁCIOS, Marcos. Marcos Palácios critica modelo de Jornalismo cidadão dos jornais. Disponivel em: https://www.youtube.com/watch?v=n-SQfBciFCo. Acesso em 20 de nov. 2015

POSTMAN, N. The Humanism of Media Ecology. (2000). Media Ecology Association. Disponível em: <http://www.media-ecology.org>. Acesso em 24/07/2015.

PRADO, Magaly. Relatos de experiência de jornalismo hiperlocal. Disponível em: http://casperlibero.edu.br/wp-content/uploads/2014/01/Relatos-de-experi%C3%AAncias-de-jornalismo-hiperlocal.pdf. Acesso em: 20 de nov. 2015

PRIMO, Alex. Interações mediadas e remediadas: controvérsias entre as utopias da cibercultura e a grande indústria midiática. Disponível em: https://www.academia.edu/12731813/Intera%C3%A7%C3%B5es_mediadas_e_remediadas_controv%C3%A9rsias_entre_as_utopias_da_cibercultura_e_a_grande_ind%C3%BAstria_midi%C3%A1tica. Acesso em 20 de nov. de 2015.

RENÓ, D., VERSUTI, A., GONÇALVES, E., GOSCIOLA, V. Narrativas transmídia: diversidade social, discursiva e comunicacional. Revista Palabra Clave, vol 14, nº2, Colômbia, 2011 Disponível em: http://palabraclave.unisabana.edu.co/index.php/palabraclave. Acesso em 20/09/2015.

SANTAELLA, Lucia. Mídias locativas: a internet móvel de lugares e coisas. FAMECOS, Porto alegre, nº 35, abril de 2008. Disponível em: http://www.revistas.univerciencia.org/index.php/famecos/article/viewArticle/5371. Acesso em 09/08/2015.

SCHMITT, Valdenise; OLIVEIRA, Leonardo; FIALHO, Antonio P. Jornalismo 2.0: A cultura da colaboração no Jornalismo. REVISTA DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO | E-COMPÓS, Brasília, v.11, n.3, set./dez. 2008. Disponível em http://compos.org.br/seer/index.php/e-compos/article/viewFile/305/309

SODRÉ, Muniz; PAIVA, Raquel. Informação e boato na rede. In: SILVA, Gislene... et al organizadores. Jornalismo contemporâneo. Figurações, impasses e perspectivas. Salvador: EDUFBA: Brasília: Campós, 2011.

TEMER, Ana CRP. Fronteiras híbridas: o jornalismo e suas múltiplas delimitações. IN: TEMER, Ana C.R.P.; SANTOS, Marli (Orgs). Fronteiras híbridas do Jornalismo. Curitiba: Appris, 2015 (no prelo), p. 22-34
TRÄSEL, Marcelo. Jornalismo guiado por dados: aproximações entre a identidade jornalística e a cultura hacker. ESTUDOS EM JORNALISMO E MÍDIA. Universidade Federal de Santa Catarina, vol. 11, n. 1, 2014

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR (SUGESTÃO)
BRIGGS, Mark. Jornalismo 2.0. Knight Center for Journalism in the Americas, 2007.

CANAVILHAS, João (Org). Notícia e mobilidade. Jornalismo na era dos dispositivos móveis. Covilhã, UBI, LabCom, Livros Labcom. Disponível em: http://www.livroslabcom.ubi.pt/book/94. Acesso em 20 de nov. 2015.

CASTELLS, Manuel. Sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CHAPARRO, Manuel Carlos. Pragmática do Jornalismo. Buscas práticas para uma teoria da ação jornalística. São Paulo: Summus, 1994.

GIDDENS, Anthony. As Consequências da Modernidade. São Paulo: Unesp, 1991.

GONÇALVES, Elizabeth M.;SANTOS; Marli. Um novo ambiente para as produções narrativas: a influência dos sujeitos em (RE) Ação. PALABRA CLAVE, 2016 (artigo aceito).

GROTH, Otto. O poder cultural desconhecido. Fundamentos das Ciências dos Jornais. Petrópolis (RJ): Vozes, 2011.

JENKINS, Henry. Cultura da Convergência. Tradução: Suzana Alexandria. 2ª. Ed. São Paulo, Aleph, 2009.

LEMOS, André. Cultura da mobilidade. FAMECOS, Porto Alegre, nº 40, dezembro de 2009.

LORENZOTTI, Elizabeth. Jornalismo Século XXI- O modelo #mídiaNINJA. São Paulo: EGalaxia, 2014 (ebook)

MACHADO, Juremir. A miséria do jornalismo Brasileiro. Petrópolis: Vozes, 2000

MARCONDES FILHO, Ciro. A saga dos cães perdidos. Comunicação e Jornalismo. São Paulo: Hacker, 2000.

MELO, José Marques. Teoria do Jornalismo. São Paulo: Paulus, 2006.

MIELNICZUC, Luciana. Jornalismo na web: Uma contribuição para o estudo do formato da notícia na escrita hipertextual. Tese. Disponível em: http://poscom.tempsite.ws/wp-content/uploads/2011/05/Luciana-Mielniczuk.pdf

PALÁCIOS, Marcos (Org). Ferramentas para análise de qualidade no ciberjornalismo – Modelos 1. Disponível em: http://www.livroslabcom.ubi.pt/book/82. Acesso em 20 de nov 2015.

RENÓ, Denis. Discussões sobre a nova ecologia dos meios. CAC – Cadernos Artesanos de Comunicación, nº 39. Sociedad Latinoamericana de Comunicación Social, La Laguna (Tenerife), 2013, (Creative commons). Disponível em https://www.academia.edu/9779434/Discuss%C3%B5es_sobre_a_nova_ecologia_dos_meios. Acesso em 01/08/2015

RUBLESKI, Anelise; BARICHELO, Eugenia. Ecologia da Mídia. Santa Maria, RS: Editora Facos, 2013
SANTOS, Marli. Jornalismo e dispositivos móveis: informação 24 horas por dia. RAZÓN Y PALABRA, v. 19, p. 1-16, 2015.

SANTOS, Marli. A interatividade nas redes sociais como valor-notícia e critério de noticiabilidade. 13º Encontro Nacional de Pesquisadores de Jornalimo. Campo Grande, 2015.
TEMER, Ana C.R.P; SANTOS, Marli. Fronteiras híbridas do jornalismo. Curitiba: Appris, 2015.

TRAQUINA, Nelson. Teorias do Jornalismo. Volume 2. Florianópolis: Insular: 2004.

Comunicar erros

SOBRE O PROGRAMA