Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Gestão de cidades / Notícias / Cultura é grande promotora da cidade solidária, debate o 15º Seminário de Políticas Públicas Integradas

Cultura é grande promotora da cidade solidária, debate o 15º Seminário de Políticas Públicas Integradas

Evento da Cátedra Gestão de Cidades discutiu “A cidade que queremos”

05/09/2017 16h50 - última modificação 06/09/2017 13h55

Abertura do seminário discutiu Cultura e Espaço Público

A transformação do espaço urbano pela cultura ganhou ênfase na abertura do 15º Seminário de Políticas Públicas Integradas (SEPPI) na noite de 30 de agosto. Se há um meio de rápida identificação da comunidade com a cidade onde vive, equipamentos culturais são a ponte mais curta para essa adesão.

“A cultura incentiva práticas coletivas e uma cidade solidária”, testemunha o ator e agente artístico Celso Frateschi, que foi secretário de Educação e de Cultura de gestões em Santo André e na Capital. Ele relatou experiências guiadas na administração do então prefeito Celso Daniel em Santo André por meio de oficinas culturais, Escola Livre de Teatro, Casa do Olhar e Casa da Palavra, entre outras, todas inseridas na filosofia de que os cidadãos devem exercer seu direito à cidade.

Com ele fez coro o professor da Universidade Metodista de São Paulo Luiz Roberto Alves, um dos debatedores do evento promovido pela Cátedra Gestão de Cidades. Segundo ele, a construção da vida urbana é fundamentalmente uma construção cultural, que forma e conduz as demais políticas públicas de educação, saúde, urbanidade etc.

O reitor da Metodista, professor Paulo Borges Campos Jr, enfatizou que é nas cidades que a população vive, por isso sua realidade e demandas ocorrem na municipalidade. “As discussões e reflexões da Cátedra confirmam o compromisso da Metodista com as sete cidades do Grande ABC”, sublinhou, ao falar do tema do 15º SEPPI, "As cidades que temos, as cidades que queremos". O reitor lembrou da presença da Metodista há quase 80 anos na região, por isso é parte integrante da comunidade local.

Integração

copy_of_CatedraSEPPI2017CelsoFrateschiAtor.jpg
Frateschi, reitor Paulo Borges e Fábio Palácio: demanda do cidadão no espaço onde vive
Pensar o ABC paulista de forma unificada foi a recomendação do Secretário Executivo do Consórcio Intermunicipal do Grande ABC, Fábio Palácio. Qualquer política pública que não integre as sete cidades acaba contraprodutiva diante de um espaço urbano com 2,7 milhões de habitantes geograficamente conurbado, onde há fluxo contínuo de pessoas, mobilidade, segurança, drenagem etc. “Temos 52 grupos de trabalho que se reúnem mensalmente para pensar a região. Só integrando poder público com academia e sociedade civil teremos as cidades que desejamos”, acredita o dirigente.

 

A descontinuidade de ações a cada mudança de gestor é o grande embaraço para uma política pública eficaz. O ex-secretário de Cultura Celso Frateschi citou o esforço para implantação no final dos anos 1980 de um centro comunitário no bairro Cata Preta, região da periferia de Santo André abandonada e violenta. Além da recuperação do equipamento e introdução de ações esportivo-culturais, a população participava fazendo a co-gestão do espaço. O artista José Juan Baldi capacitou vários jovens à época com a arte em murais.

O trabalho acabou rompido e o equipamento deteriorado com o prefeito seguinte, episódio que se repetiu na Capital, com os CEUS (Centros Educacionais Unificados). Foram implantados 21 desses espaços, cada qual com dois teatros, uma escola municipal de iniciação artística, biblioteca, estúdio de som e até orquestra de cordas, entre outras iniciativas em que a população pudesse promover suas ações. “Voltei a um CEU 10 anos depois e vi sua transformação em escola técnica, cheia de muros e sem vida cultural”, lamentou Frateschi.

Leia mais sobre o 15º SEPPI.

Comunicar erros


Leia mais notícias sobre: , , ,