Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Avaliação Institucional / A Avaliação / Histórico

Histórico

A Avaliação | Objetivos | Estruturas e Comissões | Histórico | Avaliação Externa | Divulgação

 

Linha do Tempo

Apresentar a organização e o andamento do processo de autoavaliação de forma linear, sequencial e cronológica é uma tarefa difícil. Pois, ao fazê-lo, perde-se a riqueza própria da experiência vivida. Por outro lado, ao organizar estas informações nos possibilita visualizar o quanto já caminhamos.

Os quadros apresentados permitem uma visualização do processo desde os primeiros passos, 1995 até o momento atual 2009, demonstrando uma cultura de avaliação já instalada na Universidade Metodista.

Ano

Ações Iniciais de 1995 -2004

1995

A construção do projeto de avaliação institucional do IMS/Universidade Metodista começa em 1995 com o I Fórum de Debates sobre Planejamento Estratégico e Avaliação Institucional, ocorrido no período de 06 a 10 de fevereiro, que buscou suscitar questionamentos e reflexões sobre a importância, os parâmetros e as estratégias da Avaliação Institucional.

1997

A partir deste I fórum nasce o primeiro projeto, submetido em março de 1997, à apreciação do Comitê Assessor do Programa de Avaliação Institucional das Universidades Brasileiras – PAIUB, recebendo sugestões para sua efetivação.

1998

Em 1998, sob gestão de uma nova Reitoria, retomam-se as discussões junto à comunidade interna, visando a revisão do projeto inicial buscando assim, viabilizar a implantação do Programa de Avaliação Institucional.

Nos planos da Universidade, a preocupação com a avaliação institucional sempre esteve presente, sendo a temática introduzida nas programações (encontros, palestras e seminários) dirigidas aos docentes e lideranças administrativas da instituição.

1999

O Programa de Autoavaliação Institucional da Universidade Metodista de São Paulo formaliza-se em dezembro de 1999, de acordo com as diretrizes estabelecidas na Resolução CONSUN Nº 21/99. Nesta ocasião é definida a finalidade e a estrutura do Programa, além das políticas para avaliação institucional na Metodista.

2000

Partindo da premissa de co-responsabilidade, foi definida e instituída uma forma organizativa que contemplava um Comitê Permanente de Avaliação – CPA e vinte Comissões Setoriais de Avaliação, sendo quinze delas Acadêmicas e cinco administrativas. Desta forma, é instituído, pelo ato administrativo conjunto IMS\UMESP CONSUN Nº 01\2000, o Comitê Permanente de Avaliação.
Coube à esse Comitê desenvolver proposta para a implantação da
Avaliação Institucional no IMS\UMESP.

Em novembro de 2000, ocorre a primeira coleta de opinião de docentes e discentes, parte do processo de autoavaliação – foco: cursos graduação. O modelo adotado tem como base os documentos do PAIUB, considerando as Políticas e Diretrizes Institucionais descritas no Plano de Desenvolvimento Institucional – PDI e em outros documentos oficiais da Metodista, além da sistemática prevista no Projeto de Autoavaliação Institucional e dos modelos de avaliação de curso já existentes na Instituição.

2001

Em 2001, é criada a Comissão Geral de Avaliação – CGA - composta pelos coordenadores das CSAs e membros do CPA, sob a coordenação deste último. O estabelecimento da CGA facilitava e garantia o diálogo entre o Comitê Permanente e as unidades - acadêmicas e administrativas -, ao mesmo tempo em que possibilitava discussões e reflexões referentes ao processo em curso, com a conseqüente identificação das dificuldades, troca de experiências e sugestões de medidas de melhorias do próprio processo de autoavaliação institucional.

2002

No início de 2002, as reflexões e críticas dos agentes envolvidos com e pela avaliação, tornaram possíveis à Coordenação Geral do Programa e ao Comitê Permanente de Avaliação, juntamente com as Comissões Setoriais, especificar a sistemática do processo de Avaliação Institucional na graduação, estabelecendo como metas para sua consolidação, previstas para 2002:
• promover uma maior integração entre CPA e CSAs;
• esclarecer o papel e atribuições das CSAs, criando condições para uma participação mais efetiva no processo;
• melhorar o instrumento para a identificação do perfil sociocultural dos alunos ingressantes e matriculados na graduação;
•desenvolver relatórios contendo dados não-invasivos que possibilitassem uma maior compreensão do perfil de cada curso;
• planejar e implementar a divulgação do processo de autoavaliação;
• realizar a autoavaliação de novembro de 2002, incluindo análise e discussão dos resultados.

2004

O desenvolvimento do processo na graduação, considerando as críticas reflexivas e conseqüentes relacionadas às etapas em andamento e perspectivas futuras, abriu caminho para o maior envolvimento da comunidade interna e externa, dando início, em março de 2004, à elaboração do subprojeto de autoavaliação nas áreas administrativas.

Em abril de 2004 o Presidente da República sancionou a Lei nº 10.861, que institui o SINAES - Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior, com o objetivo de assegurar o processo nacional de avaliação das instituições de educação superior, dos cursos de graduação e do desempenho de seus estudantes.

Em junho de 2004 conforme a resolução CONSUN Nº 13\2004 nomeia a Comissão Própria da Avaliação Institucional.

Ano

Ações Primeiro Ciclo – 2004 - 2006

2004

No período de junho a dezembro de 2004, a área de Avaliação e a CPA desenvolveram ações voltadas à divulgação do SINAES para a comunidade interna e revisão do Programa de Avaliação Institucional (1999-2004) à luz das Diretrizes estabelecidas pela Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior.

2005

Nos meses de fevereiro e março várias reuniões aconteceram com a Assessoria da Avaliação, Reitoria, Vices, Diretores e Gestores. A divulgação do novo projeto de Avaliação Institucional e a indicação e nomeação das CAIs, foram alguns dos assuntos discutidos. No mês de junho elaborou-se o relatório parcial e em julho finalizou-se a etapa de planejamento e envio de relatório parcial ao INEP.

2006

Em fevereiro de 2006, a CPA organizou o primeiro fórum de discussão e divulgação dos resultados gerais. Neste Fórum, cada CAI apresentou a sistemática utilizada para a efetivação da avaliação e os resultados de cada dimensão avaliada.
A CPA, a partir dos resultados produzidos pelas CAIs, elabora o Relatório Geral de Autoavaliação – primeiro ciclo, encaminhando-o, em agosto, ao INEP.

A CPA reiniciou, em setembro de 2006, um processo de discussão das Forças e Fragilidades, resultantes da Autoavaliação Institucional (2004-2006), primeiramente no âmbito da própria CPA e depois em todas as instâncias da Metodista.

Ano

Ações Segundo Ciclo – 2006 - 2008

2006

Em novembro de 2006 iniciou-se o segundo ciclo com a realização da autoavaliação dos cursos de graduação – presencial e EAD – e também foi dada continuidade nas avaliações das áreas administrativas.

2007

Paralelo ao desenvolvimento do segundo ciclo auto-avaliativo, em março de 2007 discutiu-se, com os coordenadores dos cursos de graduação e graduação tecnológica, os resultados das avaliações dos Cursos e as ações necessárias para promover as melhorias de acordo com os apontamentos feitos pela avaliação;

2008

Durante o ano de 2008, os resultados da avaliação institucional, identificados em processo anterior (2004-2006), foram acompanhados por meio de reuniões junto às lideranças acadêmicas e administrativas, explicitando as ações já realizadas e aquelas em andamento em Relatório de Acompanhamento dos Resultados da Autoavaliação. Este processo, além de retro-alimentar a autoavaliação, subsidia o Plano de Ações da Instituição;

Em agosto de 2008 conclui-se o segundo ciclo de autoavaliação da Metodista, que considerou as informações relativas ao período de setembro de 2006 a maio de 2008, explicitando seus resultados em Relatório Geral – segundo ciclo, encaminhado ao INEP em novembro. Novamente as fragilidades e forças são apontadas e ações de melhorias são propostas.

Neste mesmo ano, a partir da Meta-avaliação do ciclo anterior, institui-se a avaliação semestral das Práticas Pedagógicas nos cursos de graduação e graduação tecnológica, por meio do Práxis – sistema eletrônico, desenvolvido internamente, em parceria com a Diretoria de Tecnologia e Informação – DTI. Este sistema possibilitou maior agilidade no acesso aos resultados, importantes para a tomada de decisão institucional. A primeira avaliação neste novo formato ocorreu em Nov/2008 e seus resultados foram divulgados em março/2009.

Neste mesmo período, iniciou-se a avaliação da Pós-Graduação Lato – Sensu também por meio do Práxis.

A graduação à Distância – EAD, que é avaliada anualmente, em novembro passou pela terceira avaliação, considerando tanto as práticas pedagógicas quanto outros aspectos que interferem, direta ou indiretamente, na qualidade desta modalidade de ensino.

Durante o ano de 2008 a CPA revisou o processo para o terceiro ciclo auto-avaliativo (2008 – 2010) mapeamento os documentos (relatórios/atos administrativos/ resoluções e demais documentos institucionais) necessários às análises das CAIs.

Ano

Ações - Terceiro Ciclo (parcial) – 2008 – 2010

2009

Com a vigência de um novo Projeto Político Institucional - 2008/2012 e do Projeto de Desenvolvimento Institucional - 2007/2016, o avaliar contínuo das ações da METODISTA torna-se estratégico para as correções necessárias ao seu desenvolvimento, aprimorando a qualidade dos seus cursos e programas.

Abril de 2009 – início do processo de avaliação externa / recredenciamento da Universidade. Em 15/05 envio, ao INEP, do formulário eletrônico de avaliação.

AVALIAÇÃO EXTERNA – Entre os dias 15 e 18 de junho, com a finalidade de assegurar o recredenciamento da Universidade Metodista, uma equipe composta por três avaliadores do MEC esteve em nossa instituição durante quatro dias. Nesse período, eles reuniram-se com discentes, docentes e funcionários para conversar sobre o dia-a-dia da Instituição e visitaram as instalações do Campus Rudge Ramos, onde a equipe permaneceu para análise de dados e elaboração de relatórios. No final do processo, emitiram relatório atribuindo à Universidade Metodista, conceito 4 (quatro), numa escala de 1 (um) a 5 (cinco). Desta forma, não só conseguimos o recredenciamento da Universidade Metodista, como tivemos a garantia de que a qualidade do Ensino, Pesquisa e Extensão dessa Universidade está acima do referencial mínimo de Qualidade estabelecido pelo MEC-INEP.

Agosto/Setembro – A CPA revisou o processo de autoavaliação durante reuniões ocorridas com os membros da CPA e CGA, quando foram discutidas, revisadas e indicadas algumas mudanças na metodologia e estratégias até então adotadas.

Agosto/Novembro – Nesse período, foram avaliadas áreas administrativas, por meio de entrevistas e grupo focal. Nos meses de agosto a outubro, foi avaliada a Diretoria Financeira e em outubro iniciou-se o processo de avaliação das Bibliotecas.

Setembro/Outubro – Organização dos instrumentos e do sistema Praxis de avaliação, além da sensibilização dos diferentes públicos para participação no processo de Autoavaliação Geral da Metodista. Participaram deste processo avaliativo, diferentes perfis da Graduação, na modalidade presencial e a distância, a saber: Alunos; professores; professores-tutores; monitores de pólos; coordenadores de curso; além dos diretores de faculdade e pró-reitores. Este processo considerou a avaliação das dez dimensões previstas pelo SINAES, logo os questionários traziam questões abertas e fechadas relativas aos indicadores das práticas pedagógicas e outros indicadores referentes às dez dimensões, propiciando um olhar mais geral ou global da instituição.

Novembro – No dia 08 de novembro, os alunos convocados pelo INEP realizaram o ENADE.

De 09 à 30 de Novembro, docentes e discentes das modalidades presencial e EAD; monitores de pólos EAD; Coordenadores de Curso; Diretores de Faculdade e Pró-Reitores; participaram da Autoavaliação Geral e expressaram suas opiniões sobre os diversos aspectos que compõem a nossa Universidade, como: Gestão; Imagem Institucional; Práticas Pedagógicas ; Infraestrutura e Logística; Atendimento aos Alunos; Responsabilidade Social, entre outros.

2010

Fevereiro/Abril – De 01/03 a 16/04 – período destinado à consulta aos resultados por todos os perfis participantes – alunos, professores, coordenadores e diretores - Via sistema Praxis com acesso no portal do aluno/docente

Fevereiro/Março – de 01/02 a 22/03 - período em que os professores poderão fazer análise de seus resultados no indicador Práticas Pedagógicas, remetendo-a – via sistema Praxis - ao Coordenador de seu curso, para discussão futura.

De 23/03 a 16/04 – Período em que os coordenadores deverão chamar os docentes para discussão dos resultados da avaliação de suas práticas pedagógicas. Este exercício avaliativo deverá subsidiar o Plano de Capacitação Docente e o Projeto de Atendimento Psicopedagógico, viabilizando a capacitação de nossos docentes e o apoio aos nossos docentes e discentes, quando necessário.

Março/Abril – De 01/03 a 30/04 – período de divulgação, via sistema Praxis com acesso ao portal do aluno/docente, dos resultados da autoavaliação;

Maio – 14/05 - As Comissões Setoriais de Avaliação – CSAs, deverão entregar os Relatórios Setoriais à CPA.

Julho – 30 de julho - o Relatório Geral de Autoavaliação – 3º ciclo – 2008-2010, desenvolvido pela CPA, deverá ser concluído para ser encaminhado ao MEC-INEP.

Agosto – de 01 a 15 – apresentação do Relatório Geral de Autoavaliação – 3º ciclo – 2008-2010 e discussão das Forças, Fragilidades e propostas de melhoria com toda a comunidade interna da Metodista.

Agosto – de 16 a 20 – envio ao INEP (pelo sistema e-mec) do Relatório Geral de Autoavaliação – 3º ciclo – 2008-2010. Reinicio do ciclo Autoavaliativo da Metodista – inicio do 4ª ciclo.

Maio – Período para discussão entre coordenadores e docentes sobre os resultados da avaliação de suas práticas pedagógicas. Usada como subsídio para o Plano de Capacitação Docente e o Projeto de Atendimento Psicopedagógico;

Outubro 18/10 – Reunião dos avaliadores externos - representantes do MEC-INEP com a CPA para o reconhecimento do Curso de Análise e Desenvolvimento de Sistema. Foi atribuído o conceito final 5 ao curso.

Novembro – Autoavaliação Geral na Modalidade EAD. Sensibilização para participação discente no ENADE

Dezembro de 12 a 15/12 – A comissão do MEC avaliou o Curso de Redes de Computadores. Foi atribuído o conceito final 5 para o curso.

2011

Fevereiro 14/02 - A comissão do MEC avaliou o Curso de Cinema da área de Comunicação Social. Foi atribuído o conceito final 3 para o curso.

Março 02 a 05/03 - A comissão do MEC avaliou o Curso Tecnólogo em Logística. Foi atribuído ao curso o conceito final 4.

Março – 30/03 – Envio ao INEP (pelo sistema e-mec) do Relatório Geral de Autoavaliação – 3º ciclo – 2008-2010. Reinício do ciclo Autoavaliativo da Metodista – inicio do 4ª ciclo.

Maio – dia 19 – apresentação no CONSUN, dos resultados do 3º ciclo - Autoavaliação Geral (forças/fragilidades e propostas de melhorias)

Maio – dia 26 – Fórum de Discussão dos Resultados da autoavaliação geral da modalidade à distância, organizado e conduzido pela CSA-EAD e CPA - com a presença da Reitoria – Reitor e Pró-reitores de Ensino e de Pós-graduação e Pesquisa; diretores e gerencias administrativas, diretores de faculdade; coordenadores de cursos EAD; professores temáticos e responsáveis pela tutoria; representantes discente;

Maio - de 09 a 30 – Período para que docentes, discentes, coordenadores e diretores da modalidade presencial participem da Autoavaliação Geral – 4º ciclo – sobre: Gestão; Imagem Institucional; Práticas Pedagógicas; Infraestrutura e Logística; Atendimento aos Alunos; Responsabilidade Social, entre outros.

Maio – de 23 a 25 - Comissões do MEC- INEP avaliam os cursos de Ciências Econômicas e Rádio e TV

Junho/julho 29/06 a 02/07 - Uma comissão instituída pelo MEC irá avaliar o curso Tecnólogo em Marketing, para reconhecimento

Comunicar erros