Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Gestão de cidades / Publicações / Boletim / Boletim nº 02 / Texto extraído do Caderno de Análises do Plano diretor - A lei da cidade de Mauá

Texto extraído do Caderno de Análises do Plano diretor - A lei da cidade de Mauá

(Lei Municipal N° 3052/98).

O Município se caracteriza por inúmeras nascentes e corpos d'água. Apesar disso, devido à forma desordenada pela qual se deu a ocupação do território e da ausência de atitudes reguladoras por parte do Poder Público, grande parte dessas nascentes encontram-se contaminadas por esgotos domésticos ou efluentes industriais, ou ainda por disposições irregulares de resíduos sólidos.

Dessa forma, o aproveitamento dos rios e córregos do ponto de vista do lazer e como elementos estruturantes da paisagem está comprometido.

A rede de hidrografia do Município drena em direção às duas bacias: a sub-bacia do Guaió e a sub-bacia do Tamanduateí, ambas integrantes do sistema do Alto Tietê.

O Tamanduateí, um dos rios mais importantes do Estado, nasce a sudeste, próximo à divisa com o Município de Ribeirão Pires, no Jardim Adelina.

O sítio no qual se encontra é área protegida pela Lei Orgânica do Município, caracterizando o Parque Municipal da Gruta de Santa Luzia.

Em decorrência da acelerada ocupação da região onde está localizada a nascente e da falta de ligações de esgotos domésticos, há ocorrências de fossas e despejo de esgotos a céu aberto, determinando a contaminação do lençol freático e, conseqüentemente, das nascentes do rio. Essas nascentes possuem um significado simbólico de vulto no Município, sendo visitadas por devotos da Santa Luzia, entidade protetora dos olhos, ocorrendo com freqüência, nessas ocasiões, que os visitantes lavem os olhos nessas águas, ou bebam delas.

Não só pelos aspectos de saúde pública, mas também pelo significado político que a despoluição da nascente desse rio envolve, é importante que os arredores do Parque sejam objeto de intervenções de saneamento, para que seja recuperada a qualidade de suas águas.

Caracteriza os corpos d'água da Área de Proteção e Recuperação dos Mananciais o fato de ainda manterem suas características naturais, uma vez que, não ocorreram canalizações. Entretanto, não estão a salvo das contaminações por esgotos domésticos.

Ocorre também a contaminação do solo pela disposição irregular de resíduos sólidos, que se concentram ao longo de avenidas movimentadas como a Estrada de Sapopemba e a Estrada do Carneiro.

É importante que sejam adotadas medidas no sentido de preservar as nascentes e córregos, o que são medidas relativamente simples, como prover as habitações próximas de ligações com a rede de esgoto ou de uma coleta eficiente de resíduos sólidos. Também é importante que nas intervenções urbanas sejam respeitados os cursos naturais desses corpos d´água e, se necessária a canalização, que esta se dê a céu aberto, com tratamento adequado de suas margens, de forma a manter ao máximo as características naturais de relevo e vegetação.

Comunicar erros