Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Gestão de cidades / Notícias / Metodista lança material de apoio a projeto de combate a violência nas escolas

Metodista lança material de apoio a projeto de combate a violência nas escolas

08/04/2011

08/04/2011 21h13

O prefeito de São Bernardo do Campo, Luiz Marinho, destacou o exemplo que o município pode dar para outras cidades a partir dessa iniciativa. Foto: Mônica Rodrigues.

A Universidade Metodista de São Paulo, por meio da Cátedra de Gestão de Cidades, promoveu nesta sexta-feira, 08 de abril, no Centro de Formação de Professores, em São Bernardo do Campo, o lançamento do material pedagógico da Força Tarefa – um programa desenvolvido em parceria com a Promotoria de Justiça da Infância e Juventude de São Bernardo do Campo, o Ministério Público, o Conselho Tutelar e outras instituições do município. 

Cerca de 400 educadores de escolas municipais e estaduais de Educação Infantil e do Ensino Fundamental receberam o vídeo e o livro “Uma nova aquarela: desenhando políticas públicas integradas para o enfrentamento da violência escolar em São Bernardo do Campo”, que servem como material de apoio a professores e diretores das escolas. 

O início do evento foi marcado por um minuto de silêncio, proposto pela coordenadora do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de São Bernardo Campo, Rozane Sena, em homenagem às crianças vítimas do ocorrido ontem na escola municipal Tasso da Silveira, em Realengo, no Rio de Janeiro. 

O prefeito de São Bernardo do Campo, Luiz Marinho, enfatizou a importância da participação da família no trabalho realizado com crianças e adolescentes. “Não há possibilidade de sucesso nesse projeto sem o envolvimento da família. A escola não a substitui.” Marinho reconheceu ainda que “isto que estamos construindo é um avanço e cada um aqui é responsável. Precisamos provocar as pessoas na construção de uma rede. Se agirmos dessa maneira, daremos exemplos a outras cidades”. 

A secretária de Educação do município, Cleuza Rodrigues Repulho, ao reforçar a importância do papel do professor afirmou que “um erro médico pode prejudicar um paciente por vez, mas nós podemos mexer com a vida de 30, 40 crianças de uma única vez. Isso reflete no que eles serão dali para frente”.

Representando a Metodista, o diretor da Faculdade de Administração e Economia, professor Luiz Silvério Silva, destacou a necessidade de se planejar políticas públicas integradas. “Pensar educação é pensar também em cultura, lazer, habitação, segurança, e em conjunto para solucionar os problemas.”

O projeto

Na segunda parte da apresentação, a promotora de Justiça da Infância e Juventude da Comarca de São Bernardo do Campo, Vera Lúcia Acayaba de Toledo, mencionou que o projeto teve início em 2007, num momento em havia um aumento do número dos casos de violência e uma ineficácia das ações socioeducativas. Ela explicou ainda o funcionamento da rede, responsável pelo atendimento dos casos em que há um ato infracional. 

Segundo a promotora, até o final deste ano deverão ser concluídos os próximos passos do programa - a capacitação dos professores e a mediação, inserindo essas informações nas escolas. “O objetivo é que a rede caminhe sozinha, mas que esteja fortalecida para atender os alunos.”

Comunicar erros


Leia mais notícias sobre: , ,