Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Comunicação / Notícias / Pensacom 2015 reflete sobre o futuro do Pensamento Comunicacional Brasileiro

Pensacom 2015 reflete sobre o futuro do Pensamento Comunicacional Brasileiro

Conferência trouxe debates sobre desafios, impasses e conquistas dos 50 anos de história da comunicação no Brasil. Confira o balanço geral do evento.

24/11/2015 12h35 - última modificação 17/03/2016 14h34

Abertura do Pensacom 2015 (clique para ampliar as imagens))

Por Ricardo Alvarenga - Jornal Brasileiro de Ciência da Comunicação


Pesquisadores, professores, profissionais e alunos de graduação de diversos estados do Brasil e também de países da América Latina participaram das discussões da II Conferência do Pensamento Comunicacional Brasileiro (Pensacom Brasil 2015), que foi realizado de 16 a 18 de novembro, no Campus Rudge Ramos, da Universidade Metodista de São Paulo (UMESP), em São Bernardo do Campo.

A história da comunicação, seus desafios, impasses e conquistas foram temáticas que perpassaram os debates no Pensacom, constituído por três importantes eventos: o XIX Colóquio Internacional da Escola Latino-Americana de Comunicação (CELACOM), o IV Seminário sobre o Ensino de Graduação em Comunicação Social (ENSICOM) e o Fórum Intercom.

Primeiro dia - O Anfiteatro Sigma foi o palco do ato acadêmico que marcou o início do Pensacom Brasil 2015. Uma evocação pelos 20 anos do Doutorado em Comunicação Social da UMESP ganhou destaque nesse momento do evento. A professora Marli dos Santos, coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da UMESP, dirigiu o ato, no qual foram relembrados todos os professores que já passaram pelo programa. Também foram feitas duas homenagens, uma à professora Graça Caldas, por todos os docentes que já trabalharam no programa, e uma à professora Elizabeth Gonçalves, por todos os atuais docentes.

O professor José Marques de Melo, titular da Cátedra UNESCO/UMESP de Comunicação, recebeu algumas homenagens durante o ato, dentre elas a medalha de ouro do Centro Internacional de Estudos Superiores de Comunicação para a América Latina (CIESPAL), que é a mais alta honraria concedida pela instituição.

A medalha foi entregue pelo diretor do CIESPAL, Francisco Sierra, que comentou algumas das motivações da homenagem. “Grandes mudanças da pesquisa em comunicação de toda a América Latina não teriam sido possíveis sem ele. Ele é a memória viva do trabalho e da sistematização da pesquisa em comunicação na América Latina”, enfatizou.

Na sequência das atividades, o professor José Marques de Melo fez um discurso em tom de agradecimento e reflexão. Comentou sobre suas difíceis experiências no período da Ditadura Militar no Brasil, assim como também reiterou a necessidade de valorização aos teóricos e pesquisas feitas na América Latina, destacando a figura de Arthur Ramos, por seus estudos sobre o racismo e identidade brasileira.

Mostrando a atualidade do seu pensamento, o professor propôs uma reflexão sobre o episódio, chamado por ele de hipermidiático, da destruição das Torres Gêmeas, em setembro de 2001, em Nova York, e o recente atentado terrorista no Bataclan, em Paris. Para Marques de Melo, esses atentados poderiam ter sua gênese naquilo que já era apontado por Arthur Ramos no surgimento da UNESCO: o racismo que permeava o mundo em mudanças.

Finalizando, o professor fez uma fala de entusiasmo e convocação para uma mudança de realidade. “Vamos à luta, vamos pesquisar, vamos deixar de lado a mania que o brasileiro tem de fazer de conta que a realidade não existe. O futuro está em nossas mãos”, conclamou o professor José Marques de Melo. Em seguida, o professor Francisco Sierra ministrou a Aula Magna de abertura do evento, com o tema “Comunicação e Descolonização: a batalha ciespalina para resgatar o pragmatismo utópico latino-americano”.

No primeiro dia de evento ocorreu também o Fórum Intercom Louvor, sessão em homenagem à professora Maria Immaculata Vassallo de Lopes, da Universidade de São Paulo (USP), que já foi presidente da Sociedade de Estudos Interdisciplinares da Comunicação (Intercom). Foram realizados ainda três painéis sobre a difusão, construção e consolidação do Pensamento Comunicacional Latino Americano. Entre os conferencistas estavam pesquisadores brasileiros e latino-americanos, como Esperanza Pinto, da Associação Boliviana de pesquisadores em Comunicação (ABOIC), e Cristian Aguilar, da Universidade Austral do Chile.



Segundo dia -
A historiografia brasileira do Campo Acadêmico da Comunicação foi a temática que costurou as atividades do segundo dia do evento. Na parte da manhã, aconteceu um painel com a presença de pesquisadores de universidades do Brasil, abordando as perspectivas históricas das diversas áreas que compõem o grande campo da Comunicação, como Jornalismo, Publicidade e Propaganda, Relações Públicas e Editoração, sob a coordenação da atual presidente da Associação Brasileira de Pesquisadores de História da Mídia (ALCAR), Ana Regina Rêgo, da Univesidade Federal do Piauí (UFPI).

Foi realizado, ainda, o Fórum de Humor, com a presença dos professores Daniel Galindo, Mario Mastrotti, Eliane Mergulhão, Roberto Elísio e Cristina Schmidt, além do Diretor da Associação Comercial de São Paulo, Valdir Abdallah, que ministrou uma palestra sob a temática “Ativismo Folkcultural dos Sacoleiros, os mascates da Idade Média”.

Duas outras atividades marcaram a tarde do segundo dia do Pensacom Brasil 2015: o Fórum Intercom Saber e o painel Pensamento Comunicacional Brasileiro. No Fórum, aconteceu o lançamento do portal do Coletivo dos Brasilianismos Comunicacionais (portal.metodista.br/brasilianismos-comunicacionais). A iniciativa é do professor José Marques de Melo e está sob a coordenação da professora Marli do Santos (UMESP). Na sessão de lançamento, foi apresentada a estrutura do portal, que conta com as seguintes seções: Apresentação, Cartografia, Antologia, Agenda e Atualidades, Repositório, Ponto e Contraponto, Ágora e Dicionário.


O dia foi encerrado com um painel sobre o Pensamento Comunicacional Brasileiro, coordenado pela professora Sônia Jaconi (UMESP). Ela iniciou a sua fala apresentando as motivações do projeto. “O objetivo principal é mapear o pensamento comunicacional do Brasil, principalmente para preservar a memória. É um projeto memorialista”, afirmou.

As inquietações do professor José Marques de Melo originaram o projeto, que tem por objetivo fazer uma cartografia do Pensamento Comunicacional Brasileiro, mapeando cada estado do país. O projeto, que começou a ser gerado em 2010, teve Alagoas como estado pioneiro. Piauí, Goiás, Minas Gerais, São Paulo, Bahia, Pernambuco, Ceará e Santa Catarina aderiram sucessivamente ao projeto. Outro estado que entrou na pesquisa recentemente foi o Maranhão, sob a coordenação de Ricardo Alvarenga (UMESP).

Terceiro dia – No último dia do Pensacom, aconteceu o IV Seminário sobre o Ensino de Graduação em Comunicação Social (ENSICOM), além de oficinas e os grupos de trabalho. O primeiro painel do ENSICOM teve como tema a formação dos profissionais da área de Comunicação.

A diretora da Escola de Comunicação e Artes (ECA) da USP, Margarida Kunsch, participou do painel e comentou a necessidade de um diálogo mais frequente entre academia e mercado. “É de extrema importância a relação entre a academia e o mercado. A experiência que vem do mercado nos leva a novas reflexões, que podem levar a novas teorias”, afirmou.

O professor João Picolin, do Centro Universitário Clarentiano, encerrou o painel, levantando algumas questões, como a flexibilidade da formação acadêmica em relação ao mercado, a necessidade de um profissional com uma visão globalizada sem perder a visão humana e a suficiência das novas diretrizes. Para ele, é preciso pensar em uma nova infraestrutura para os cursos de comunicação.

Paralelo ao Ensicom, foram realizadas duas oficinas, no Auditório do Edifício Capa: uma ministrada pela libanesa Rita El Mounayer, demonstrando sua experiência no Grupo Sat-7, que atua em países do Oriente Médio por meio de sinais de satélite, fornecendo conteúdos cristãos e educativos; outra ministrada pelo diretor do Museu Nacional de Imprensa de Portugal, professor Luís Humberto Marcos, que apresentou o trabalho desenvolvido no Museu e as atividades de conservação da memória da imprensa do país.

A última atividade do Pensacom Brasil 2015 foi a reunião dos Grupos de Trabalho (GTs). Aproximadamente 60 trabalhos, oriundos de diversas universidades do Brasil, foram apresentados em nove grupos. Havia representantes do Paraná, Bahia, Rio Grande do Sul, Brasília, Ceará, Rio de Janeiro, Piauí, Santa Catarina e São Paulo. Em comparação ao ano passado, o evento teve um crescimento bastante significativo no número de trabalhos apresentados nos GTs.

O evento reuniu em três dias, nas suas diversas atividades cerca de 150 pessoas. Uma representação importante, pois se trata de pessoas envolvidas diretamente nos principais eixos de pesquisa em Comunicação do país. O Pensacom Brasil 2015 é uma realização da Sociedade de Estudos Interdisciplinares da Comunicação (INTERCOM), em parceria com a Universidade Metodista de São Paulo e a Cátedra UNESCO/UMESP de Comunicação para o Desenvolvimento Regional. O evento desse ano contou com o patrocínio da FAPESP e Capes. No ano que vem, o evento deve acontecer no mesmo período de novembro, porém a próxima sede ainda está em confirmação.

Veja também:

Ato Acadêmico abre Pensacom Brasil 2015

Mapeando a Comunicação no Brasil

Profissionais da Comunicação: mercado e academia 

Divulgação do Facebook aumenta popularidade da campanha Outubro Rosa 

Esta matéria foi publicada no Jornal da Metodista.
Conheça Outras.

Comunicar erros


Leia mais notícias sobre: , , , , , ,