Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Projeto Aquarela - Terceira Idade / Notícias / Coordenadora do NUTI participa de entrevista sobre novo perfil da 3ª Idade

Coordenadora do NUTI participa de entrevista sobre novo perfil da 3ª Idade

07/02/2011 13h28 - última modificação 07/02/2012 11h25

Carla PHAR Cesar, coordenadora do Núcleo da Terceira Idade, participou de entrevista sobre a mudança de perfil da terceira idade, que busca cada vez mais o ensino superior.

Confira a matéria publicada pelo Jornal O Estado do Rio de Janeiro online

Terceira Idade disputa vaga na faculdade
Exame Nacional do Ensino Médio registra participação significativa de candidatos com mais de 60 anos
Por Andréa França

Um dado chamou a atenção no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2010. Dos mais de 3 milhões de estudantes que fizeram a prova, cerca 4.268 mil candidatos tinham um perfil diferente: eles tinham mais de 60 anos. Especialistas garantem que voltar a estudar nessa faixa etária pode melhorar a autoestima.
Segundo dados da Pesquisa Nacional de Amostra por Domicílios de 2009 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a população de 60 anos ou mais teve um crescimento de 697 mil pessoas entre 2008 e 2009. Em 2009, 11,3% dos brasileiros tinham 60 anos ou mais. As regiões Sul e Sudeste apresentaram os maiores percentuais nesta faixa etária.
Luciene Miranda, mestre em psicologia, colunista do site “Cuidar de Idosos” e membro da ABRAZ-MG - Regional Juiz de Fora, explica como manter o corpo e a mente ativos é muito importante em todas as faixas etárias. “Mesmo com muitas mudanças sociais positivas pelas quais tem passado o processo de envelhecimento, o idoso tem uma tendência natural a se afastar de seus papéis sociais”, afirma a especialista. Segundo a psicóloga, manter a mente ocupada é essencial, e a atividade acadêmica é apontada como um fator protetor para um envelhecimento saudável do ponto de vista cognitivo.
A consultora de vendas, Antonieta Cardoso, 55, cursou a faculdade de Letras e explica que sempre teve vontade de voltar a estudar. Ela diz que pretende fazer outros cursos. Para aproximar ainda mais as pessoas e trocar experiências, Antonieta criou a comunidade “Terceira Idade na Faculdade”, que surgiu no momento em que ela percebeu que a terceira idade estava sendo cada vez mais integrada na vida acadêmica. “Resolvi criar a comunidade para que na página virtual também tivéssemos nosso espaço tão merecido, ganho à custa de uma longa espera e de tantas discriminações, afinal o grande fator positivo para este grupo social é a experiência e a vivência adquiridas”, diz.
Algumas universidades já oferecem cursos voltados para o público mais experiente. A coordenadora do núcleo da Terceira Idade da Universidade Metodista de São Paulo, Carla PHAR César, conta que a Universidade Livre para a Terceira Idade foi criada em maio de 1998 e relançada em novembro do ano passado. “Transformamos a Universidade em Núcleo da Terceira Idade, com o intuito de oferecer, além de cursos de curta e longa duração, atividades de extensão e pesquisa”, ressalta.

Mudanças na vida
As mudanças na vida de uma pessoa que volta a estudar nessa faixa etária podem ser muito boas. A coordenadora do núcleo da Terceira Idade da Universidade Metodista de São Paulo Carla PHAR César, destaca que além de autoestima, ressalta-se ainda a co-responsabilidade com seu entorno social.
A psicóloga Luciene Miranda afirma que estudar é muito positivo, pois promove a atividade, já que o aluno idoso passa a contar com uma nova rotina. Estudar e se dedicar para aprender coisas novas pode gerar a ocorrência de relações interpessoais com pessoas de diferentes faixas etárias. Luciene explica que é possível perceber uma mudança em pacientes, quando eles iniciam uma atividade. “A pessoa que inicia uma atividade prazerosa melhora sua autoestima, sente-se capaz, realizada e autoconfiante”, conta.

Essa sensação foi a que a consultora de vendas Antonieta Cardoso sentiu. Ela descreve que houve uma realização enorme, um bem estar geral com a vida. “Sentimento de igualdade e de cidadania, uma visão bem ampla do espaço que ocupo na sociedade, um respeito maior por parte dos amigos e familiares porque em mim eles enxergaram uma nova era aberta a novas inserções”, conclui. 
Comunicar erros