Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Notícias / 2017 / Novembro / Universidade Zuyd da Holanda aposta em sala de aula invertida para estimular alunos

Universidade Zuyd da Holanda aposta em sala de aula invertida para estimular alunos

Professora Alexandra Montague falou sobre Metodologias Ativas em palestra na Metodista

22/11/2017 19h20 - última modificação 24/11/2017 15h27

Professora Alexandra: material didático on-line e grupos de no máximo 3 alunos em aula

Jovens distraídos nas redes sociais, pouco habituados a leituras profundas, resistentes a fazer trabalhos escolares em casa e com pouco engajamento social são algumas características da atual geração que desafiam instituições de ensino. Se por um lado a internet permite intercambiar conhecimentos ao infinito, por outro lado raras vezes a academia se viu tão embaraçada em acertar a melhor forma de ensinar.

Desenvolvendo motivações que mesclam inovação em ações educativas com preservação da qualidade de ensino à moda antiga, a Universidade Zuyd de Ciências Aplicadas tem obtido êxito com o método de Flipped Classroom, ou sala de aula invertida. Conforme Alexandra Montague, professora da Faculdade de Estudos Internacionais da universidade holandesa, professores circulando em sala e estimulando discussões em grupos, equipes de trabalho com no máximo três alunos, além de permissão para leituras online ou vídeos relacionados à aula, são algumas estratégias para manter estudantes motivados.

“Uma agenda é montada contendo todos os vídeos que eles precisam assistir antes de vir à aula. As ações programadas são impressas e os alunos decidem se começam com uma atividade escrita, um vídeo ou um exercício on-line. O professor interage e corrige a lição na própria aula. Não tem tarefa de casa, todos têm que realizar as atividades da aula presencialmente. Não vale só um fazer e assinar pelo grupo, por isso as equipes têm no máximo três integrantes”, explicou a professora de Zuyd, que compartilhou experiências sobre Metodologias Ativas de Ensino com diretores e coordenadores de cursos da Universidade Metodista de São Paulo na tarde de 16 de novembro último.

Alunos-guia

Ela tomou como referência o curso de Espanhol da instituição holandesa mencionando que, além de dois anos de matérias básicas, o 3º é cursado em um país de língua espanhola e no 4º há estágio ou participação em startups espanholas. Há também ‘coaching program’, treinamento para autodesenvolvimento, e ‘business behavior’.

Outras estratégias adotadas além da metodologia Flipped Classroom são o uso de cronômetro para atividades em que alunos têm que falar em espanhol, a fim de disciplinar o tempo do domínio da língua, e a prática de dançar, cantar e ler em voz alta. Os próprios alunos são guias uns dos outros, chamados de ‘peer guidance’, e há também guias on-line para praticar a língua.

“Também introduzimos literatura de livros e artigos para estimular a leitura além dos tópicos dados em aula. Os livros fazem parte da pauta de discussões em sala de aula, em que há participação com tomada de notas e preparação de comentários”, explicou Alexandra Montague, ao explicar que a internet torna-se aliada do ensino quando hospeda o material didático: “O aluno pode rever as matérias quando quiser ou se preparar para a aula, acabando com a desculpa de que não entendeu o tema ou faltou no dia da temática”, acrescentou.

Bola de neve

A professora de Zuyd apontou que também prendem a atenção dos jovens estratégias como note-taking (tomar notas do que está em discussão) e snow-balling, ou bola de neve, em que um debate começa com duas pessoas e cresce com mais duas, sucessivamente, de modo que ao final o tema agregou vários pontos de vista e todos na sala participaram com opiniões. “São formas de combater o desinteresse por algum tema e de impedir a dominação dos extrovertidos sobre os mais introvertidos”, disse.

A experiência da Universidade de Zuyd é uma das várias propostas de intercâmbio que a Metodista pretende explorar em 2018 dentro de dois desafios: conhecer os novos caminhos da educação para corresponder às demandas dos atuais alunos “tecnológicos” e capacitar o professor para trabalhar com Metodologias Ativas de Ensino na versão mais avançada da Atualiza, a plataforma 3.0, chamada de Atuali3.O, conforme apontaram a coordenadora da Educação a Distância Metodista, professora Adriana Azevedo, e Marcelo Moreira, responsável pela dinamização da plataforma on-line de ensino e capacitação de docentes. Já a coordenadora da Assessoria de Relações Internacionais, Vanessa Martins, pretende criar novos termos de cooperação com Zuyd, com a qual a Metodista já promove intercâmbio de alunos.

Comunicar erros


Leia mais notícias sobre: , , , , , , , , , , , , , , , , , ,