Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Núcleo de Artes e Cultura / Notícias / VII Mostra de Arte Inclusiva lota auditório Sigma

VII Mostra de Arte Inclusiva lota auditório Sigma

Vários grupos artísticos se revezaram no palco, demonstrando que limitações físicas não impedem o bem viver

21/09/2015 20h10

Gonçalo Borges, que pinta com boca e pés

Compartilhar a luta das pessoas com deficiência pode ir além de abraçar a causa no campo político. Também pela cultura e arte é possível dar visibilidade à inclusão desses grupos, por meio de espaços para manifestações artísticas e celebrando a vida com eles, afirmou professora Cláudia Cesar na abertura da 7ª edição da Mostra de Arte Inclusiva, que mais uma vez lotou o Auditório Sigma, no campus Rudge Ramos da Universidade Metodista, na noite de 18 de setembro.

Vários grupos apoiados pelos núcleos de Arte e Cultura, Formação Cidadã e Assessoria de Inclusão se revezaram no palco e mostraram o que o artista plástico Gonçalo Borges sintetizou com propriedade: “Ninguém deixa de ser profissional ou gente por ser deficiente”. Gonçalo Borges pinta com a boca e os pés e participa há seis dos sete anos da Mostra de Arte Inclusiva da Metodista. Pós-graduado em artes plásticas e utilizando técnicas de aquarela, guache, acrílica e óleo, ele montou várias telas durante o evento, que também contou com apoio do Diretório Acadêmico de Administração e Economia e da Atlética Garra Metodista.

A mostra anual lembra o 21 de setembro, Dia Nacional de Luta das Pessoas com Deficiência. Além de apresentações, cada grupo falou dos desafios e conquistas que envolvem suas ações. Graziely Stivaletti, que perdeu a visão aos 8 anos, dançou animadamente mostrando como é possível vencer dificuldades e preconceitos.

Aos dois anos e meio de idade Graziely foi diagnosticada com leucemia e um vírus no joelho contaminou seus olhos. Realfabetizou-se pelo método Braille e hoje cura o 3º ano de Psicologia na Metodista, onde também trabalha na Assessoria de Inclusão. Dizendo-se apaixonada por dança, ela se apresentou fazendo par com Deivid Alves do Santos, também aluno da universidade. “Dificuldades tomos temos. Cada um deve batalhar por seus objetivos”, disse.

Aceitar as diferenças

Igual mensagem deixou o professor Eduardo Okuhara, coordenador do projeto Capoeirando na Metô, que ensina capoeira para pessoas com síndrome de Down no Núcleo de Formação Cidadã e promove igual integração com cegos e cadeirantes no bairro do Montanhão, em São Bernardo. Seu grupo, cujo nome Cultura da Paz é autoexplicativo, busca aceitar o próximo como ele é, sem impor condições étnicas, sociais ou cognitivas.

Agente cultural e também membro do NAC da Metodista, a atriz Nina Mancin treinou um grupo de Down (Teatro Sintonia) para performance artística falando de família. O grupo é formado por funcionários do Setor de Produtos Artesanais. Já a artesã Eliana Rodrigues, orientada pela arte educadora Juliana Costa, mostrou em vídeo suas habilidades na costura. Eliana também tem Down.

Outra apresentação ficou a cargo da Cia Olhos de Dentro, que há 13 anos inclui pessoas deficientes por meio da arte. Eles encenaram o espetáculo “SuperAtos”, que trata da superação da pessoa humana com ou sem deficiência.

MostraArteInclusiva20151.jpg
Graziely perdeu a visão, mas não sua paixão por dança
     
MostraArteInclusiva20159.jpg
Portadores de Down encenam peça teatral
     
MostraArteInclusiva201510.jpg
Capoeirando na Metô integra sem olhar diferenças
     

Esta matéria foi publicada no Jornal da Metodista.
Conheça Outras.

Comunicar erros


Leia mais notícias sobre: , , , , ,