Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Núcleo de Artes e Cultura / Notícias / Estudioso português fala das emoções que caracterizam as multifaces de Fernando Pessoa

Estudioso português fala das emoções que caracterizam as multifaces de Fernando Pessoa

Professor Fernando Carmino conduziu workshop que reuniu alunos de Pedagogia, Letras, Filosofia e Marketing

27/09/2018 18h10 - última modificação 28/09/2018 22h54

Fernando Carmino conduziu workshop que reuniu alunos de Pedagogia, Letras, Filosofia e Marketing

Poesia não se explica. Vive-se. Não é gênero literário como um romance, linear, narrativo. Poesia é pura emoção, pela qual transcendemos a realidade. A poesia é mais oculta que expressa, por isso é um mistério que se vive interiormente.

É assim, definindo a poesia por várias vias abstratas, que professor Fernando Carmino conceitua o também multifacetado escritor Fernando Pessoa, um dos mais importantes autores portugueses do modernismo e poetas de língua portuguesa, que se destacou com os célebres heterônimos (autores que possuem personalidade). “Se é difícil falar de poesia, mais difícil ainda é falar de Fernando Pessoa, tão único no conjunto de suas obras”, explanou professor Carmino, que conduziu o workshop Fernando Pessoa, o poeta, o poema e o leitor na noite de 25 de setembro para alunos de Pedagogia, Letras, Filosofia e Marketing da Universidade Metodista de São Paulo;

Doutor em Letras pela Universidade de Paris IV (la Sorbonne) e docente de Língua e Cultura Portuguesa no Instituto Politécnico da Guarda, em Portugal, o palestrante é considerado um dos maiores estudiosos do poeta português. Admitiu que a poesia, em geral, tem poucos leitores porque é preciso interpretá-la, e cada um o faz da sua maneira, conforme sentimentos próprios. “Por isso, Fernando Pessoa deixa que o leitor faça seu próprio poema. As frases que diz gostaríamos nós de dizê-las”, afirmou.

Oscilações e contradições

A inteligência emotiva caracteriza o poeta português, daí decorrendo as oscilações e até contradições nos seus escritos. Ora Fernando Pessoa se nega como poeta, ora se diz emissário de um rei desconhecido, ora diz que está sozinho e ora afirma que o homem nada é, tudo refletindo perturbações próprias das emoções. Segundo professor Carmino, a cultura britânica marcou bastante os escritos do poeta, que viveu na África do Sul e recebeu influência de Shakespeare, Edgar Allan Poe e Lord Byron, entre outros.

“Como portugueses e brasileiros, temos o privilégio de ler um poeta tão intenso como Fernando Pessoa na língua materna. A tradução para outros idiomas tira a força das palavras”, disse o estudioso português, convidado do Núcleo de Arte e Cultura e da Assessoria de Relações Internacionais da Metodista.

Fernando Pessoa é tido como maior exemplo da produção de heterônimos, entre os quais Ricardo Reis, Álvaro de Campos e Alberto Caeiro, além do semi-heterônimo Bernardo Soares. Foi também crítico de literatura e política, editor, jornalista, publicitário, empresário e astrólogo. Morreu com apenas 47 anos.

Veja imagens do evento: 

Workshop “Fernando Pessoa, o poeta, o poema e o leitor” com professor Fernando Carmino, doutor em Letras pela Universidade de Paris IV (la Sorbonne) e docente no Instituto Politécnico da Guarda (Portugal)

Esta matéria foi publicada no Jornal da Metodista.
Conheça Outras.

Comunicar erros


Leia mais notícias sobre: , , , , , , , , , , , , , , ,
X