Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Núcleo de Artes e Cultura / Notícias / Alunos de Pedagogia fazem apresentação na Mostra de Arte Inclusiva de 2019

Alunos de Pedagogia fazem apresentação na Mostra de Arte Inclusiva de 2019

Pelo 11º ano, MAI promove integração cultural e artística de pessoas com deficiência

20/09/2019 13h15 - última modificação 23/09/2019 18h53

Alunos do 6º período de Pedagogia apresentam-se na MAI

Sempre presentes na plateia, alunos de Pedagogia desta vez subiram ao palco na edição 2019 da Mostra de Arte Inclusiva, promovida há 11 anos pelo Núcleo de Arte e Cultura (NAC). Dentro do espírito de destacar e integrar pessoas com deficiência, cerca de 70 estudantes do 6º período presencial realizaram apresentação que uniu música e interpretação falando do valor da inclusão.

“É importante que os futuros professores trabalhem desde já a educação inclusiva. Foi também uma forma de homenagear todos os artistas que estão aqui mostrando que limitações físicas não são barreira”, destacou professora Maria Inês Breccio, que dirigiu a apresentação de “Inclusive Nós” dos futuros pedagogos.

A Mostra de Arte Inclusiva celebra o 21 de setembro, Dia Nacional de Luta das Pessoas com Deficiência. Como destacou a coordenadora do NAC, Cláudia Cezar, ainda há longa caminhada no envolvimento dos brasileiros “normais” com a causa dos 45 milhões de compatriotas que possuem algum tipo de deficiência. Mas ela apontou que espaços vão se abrindo para expor e informar sobre o tema, citando como exemplo a MAI da Universidade Metodista de São Paulo.

Ser diferente é normal

“A arte é a ponte que promove encontros e possibilidades. Queremos dizer que ser diferente é normal. O que não é normal é não respeitar as diferenças”, falou na abertura do evento, na noite de 18 de setembro, que reuniu vários grupos artísticos integrados por pessoas com deficiência e que se apresentaram com danças, música, teatro e artes plásticas. A mostra foi conduzida pelo deficiente visual Enock Oliveira, formado pela Escola de Teologia da Metodista. Também contou com o reconhecido Gonçalo Borges, membro da Associação dos Artistas de Boca e Pés.

O diretor de Graduação da Umesp, professor Sérgio Tavares, disse que a universidade é o melhor ambiente para promover inclusão, sobretudo no caso da Metodista, uma escola confessional. “Temos firme compromisso com expressões de arte e cultura que incluem”, afirmou, após palavra da agente pastoral Rosane Silva de Oliveira, que elogiou a perseverança daqueles que não se intimidam com alguma limitação física.

 

Acompanhe as imagens do evento.

 

Veja como foi a programação, inaugurada pelo Madrigal Umesp com o cântico “Ser diferente é normal”:

• Gonçalo Borges
Artista da Associação dos Artistas de Boca e Pés desde 1970, pinta com a boca e os pés utilizando técnicas de aquarela, guache, acrílica e óleo. Formado pela Escola Superior de Propaganda e Marketing, Faculdade Belas Artes de São Paulo e Faculdades Marcelo Tupinambá, tem pós-graduação em Artes Plásticas.

• Joyce Nunes
Aluna da professora Luciana Rossi, estuda dança há 20 anos nas modalidades clássica, forró, cigana e do ventre.

• Cia Teatral Olhos de Dentro
Projeto desenvolvido há mais de 15 anos pela atriz e diretora Nina Mancin, visa a inclusão de pessoas com deficiência no teatro.

• Setor de Produtos Artesanais
O SPA produz artigos com reaproveitamento de materiais da própria Umesp. É formado por pessoas com deficiência intelectual de diversos níveis, que se desenvolvem profissionalmente por meio do trabalho manual e também da oficina de teatro.

• Madrigal UMESP
Grupo coral da Universidade Metodista de São Paulo com regência do maestro Fábio Henrique Pereira da Silva.

• Grupo de Teatro Sintonia
Nasceu em 2010 com objetivo de proporcionar o envolvimento dos funcionários do Setor de Produtos Artesanais a linguagem artística. O grupo é dirigido pela atriz Nina Mancin, arte-educadora do NAC.

• Inclusive Nós
Intervenção artística de alunos e alunas do 6º período do curso de Pedagogia presencial, sob direção da prof. Maria Inês Breccio, prof. Marjô.

Comunicar erros


Leia mais notícias sobre: , ,
X