Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Arqueologia / Artigos / 2012 / Jordânia - Amã

Jordânia - Amã

Antônio de Jesus Silveira Leite

Introdução

Amman serviu como o capital do antigo e moderno reino da Jordânia. Foi uma das cidades antigas mais habitadas do Antigo Oriente Próximo, na escavação de 1994 que foram descobertas pequenas casas e torres os quais poderiam ter sido construídos durante a idade de pedra, cerca 7000 a.C. Há muitas referências bíblicas à cidade, que cerca de 1200 a.C. tinha se transformado na capital amonita de Rabbath-Ammon.

História de Amman e o Antigo Testamento

A historia deste pequeno reino é a historia de uma pequena nação obstinada lutando por sua própria existência contra seus vizinhos e impérios invasores. Ammon significa “o filho do meu povo”(Gn 19,38). No tempo do Êxodo, Israel não os havia atacado, mas existe uma referência à passagem por este lugar conforme encontrado no livro de Números cap 21,24 “ Mas Israel o feriu a fio de espada e tomou posse de sua terra, desde o Arnom até ao Jaboque, até aos filhos de Amom, cuja fronteira era fortificada”. Eles foram, por esta razão, uma nação muito forte. Foi decretado que eles nunca poderiam ser admitidos e tão pouco gozar de nenhum dos privilégios dos israelitas, pois “Nenhum amonita ou moabita entrará na assembléia do SENHOR; nem ainda a sua décima geração entrará na assembléia do SENHOR, eternamente. Porquanto não foram ao vosso encontro com pão e água, no caminho, quando saíeis do Egito; e porque alugaram contra ti Balaão, filho de Beor, de Petor, da Mesopotâmia, para te amaldiçoar (Dt 23,4-5). Apesar de não os atacar Moises deu a metade da tribo de Gade a terra dos filhos de Ammon (Jos 13,25).

Durante o período dos juizes até o reinado de Saul ( 1200-1025 a.C), os amonitas, aliados aos moabitas fizeram algumas incursões e lutas contra os israelitas (Jz 11). No reinado de Davi as condições políticas entre as duas nações foi tratada com a devida diplomacia e a antipatia que Saul tinha com o rei amonita foi trocada por favores e reconhecimentos de Davi, o qual até mesmo enviou mensageiros num ato de condolência ao rei Hanun, pela morte de seu pai: Usarei de bondade para com Hanum, filho de Naás, porque seu pai usou de bondade para comigo. Pelo que Davi enviou mensageiros para o consolar acerca de seu pai; e vieram os servos de Davi à terra dos filhos de Amom, a Hanum, para o consolarem (1 Cr 19,2).

Salomão teve em seu harém esposas amonitas, as quais introduziram um culto ao deus Qemos, e construiu para as mesmas um templo dedicado a tal deus, o que causou revolta e indignação ao povo israelita ( 1 Rs 11,7).

Isaias (11,14) e Jeremias (9,25; 25,21), Ezequiel (41,1-6) e Amós (1,13-15) profetizaram a queda dos filhos de Amon.

Quando Jerusalém caiu em 586 a.C. muitos judeus fugiram para Amon e Moabe, mas retornaram depois quando Gedalias foi nomeado governador. Uma ultima referência ao povo amonita no Antigo Testamento é lamento de Esdras por causa dos casamentos dos filhos de Israel com as filhas de Amon (Ed 9,1-3).

História de Amman e o Novo Testamento

O historia de Amman, entre o fim de suas referências bíblica, no Antigo Testamento (cerca 585 a.C.) e da época do Ptolemies não é clara. Nós sabemos que a cidade foi rebatizada com o nome de Filadélfia no reinado de Philadelphus de Ptolemaic no terceiro século a.C. Após a vinda sob a regência dos Selêucidas e dos Nabateos, Filadélfia foi feita vassalo do império romano, sob jurisdição de Herodes em 30 d.C. A cidade constituiu uma parte da liga de Decápolis , uma fraca aliança de dez cidades Romanas ou seja Jerash, de Gadara (Umm Qais), de Pella, de Arbila (Irbid).

Sob o domínio romano, Filadélfia foi replanejada e reconstruída no estilo tipicamente romano, com grandes com colunas, a rua principal, os banhos, um anfiteatro e edifícios públicos impressionantes. Durante o período de Bizantino, Filadélfia era o assento de um bispo cristão e diversas igrejas monumentais foram construídas.

Amman na Atualidade

O historia "moderna" de Amman começou no século 19, quando os otomanos reconstruíram uma colônia de emigrantes lá em 1878. Muitos de seus descendentes residem ainda em Amman. Durante essa época e nas décadas seguintes do século 20, a cidade vizinha do sal era mais importante como um centro administrativo e político regional. Entretanto, depois que a grande revolta árabe fixou o estado de Transjordânia, o Rei Hussein fez a Amman seu capital em 1921.

Desde então, a cidade cresceu muito e constituiu-se uma moderna metrópole. O crescimento de Amman foi dirigido pela maior parte por eventos políticos na região, e especial pelo conflito Árabe-Israelita. Após as guerras de 1948 e de 1967, as ondas sucessivas de refugiados palestinos chegaram a Amman. Além disso, a população da cidade foi expandida mais por uma outra onda dos imigrantes que chegaram de Iraque e de Kuwait durante a crise 1990/91 do golfo.

Sítios de interesse para o projeto

A maioria de locais considerados históricos de Amman são aglomerados na área da baixa, que se senta no fundo de quatro de sete montes de Amman, ou jabals. A fortaleza antiga que se eleva acima da cidade sobre do al-Qala'a-Qala'a de Jabal, é um lugar bom para começar uma excursão da cidade. O fortaleza é o local do antigo Rabbath-Ammon, e as escavações aqui revelaram numerosos traços romanos, do período Bizantino e o vestígios islâmicos recentes. O edifício o mais impressionante da fortaleza é conhecido simplesmente como o al-Qasr-Qasr ("o palácio"), sua data é anterior ao período islâmico de Umayyad. Sua função exata não é clara, mas inclui uma passagem monumental, um salão das audiências e quatro câmaras arredondadas. A rua é possui via dupla e atravessa todo o complexo. Ao norte e nordeste estão as ruínas de terras do palácio de Umayyad.

Perto do lugar tradicional de al-Qasr-Qasr estão os vestígios de uma basílica pequeno do período Bizantino. As colunas de Corinthian marcam o local da igreja, que é pode ser datada no sexto ou o sétimo d.C. e aproximadamente 100 metros ao sul da igreja aparece um monumento que pode ter sido um templo de Hercules, mas hoje é conhecido como o grande templo de Amman . O templo foi construído no reino do imperador Marcus Aurelius (161-180 d.C.), e está atualmente sob a restauração.

Também no monte de Fortaleza está o museu de arqueologia da Jordânia. Este pequeno museu abriga uma coleção excelente de antigüidades que variam das épocas pré-históricas ao século 1 d.C. Há uma exibição dos rolos do Mar Morto, de uma cópia do Mesha Stele e de um sarcófago raro da idade do ferro quatro. O turista pode visitar o museu nos dias da semana e nos seguintes horários de 08:30-17:00. Em sextas-feiras e em feriados oficiais o museu está aberto de 09:00-16:00.

Abaixo da fortaleza numa caminhada de cinco minutos em direção ao leste, encontra-se o teatro romano a relíquia mais óbvia da antiga Filadélfia. O teatro, que foi construído durante o reino de Antonius Pius (CE 138-161), é cortado no lado do norte de um monte que servia como a necrópoles. É muito similar no projeto ao anfiteatro em Jerash, e pode acomodar 6000 espectadores. O teatro é usado ainda periodicamente para ostentar eventos cultural. Dois museus pequenos foram construídos nas fundações do teatro romano. O museu do folclore da Jordânia está na asa direita do teatro e indica uma coleção dos artigos que mostram a vida tradicional de povos locais. No outro lado do teatro encontra-se o Museu de Tradições Populares contendo trajes jordanianos típicos, incluindo o bordado fino e sua jóia antiga. Abriga também diversos mosaicos do sexto século de Madaba e de Jerash. O museu de tradições populares é aberto diariamente das 09:00-17:00, e fechado na terça-feira. O museu do folclore da Jordânia está aberto cada dia de 09:00-17:00, exceto sexta-feira em que suas horas são 10:00-16:00. Ao nordeste está o teatro pequeno, ou Odeon, que está sendo restaurado ainda. Construído mais ou menos no mesmo tempo que o teatro romano, este teatro possui uma capacidade para 500 pessoas sentadas, e atualmente é usado para concertos musicais. Os arqueólogos pensam de que o edifício esteve coberto originalmente com um telhado de madeira ou cobertura do tipo barraca, para proteger atores e as audiências. A sudoeste do complexo do teatro encontra-se a fonte principal de Filadélfia, ou Nymphaeum e do outro lado está a rua de Quraysh. Muita da fonte de águas, que foi terminada em 191 d.C, foi escondida da vista pública por casas e por lojas confidenciais. O Nymphaeum poderia Ter tido muitas piscinas e tanques, para os banhos romanos e era preenchido continuamente com água fresca. O departamento de antigüidades da Jordânia está atualmente escavando o Nymphaeum, e espera-o finalmente restaurar o local a sua estrutura original até o ano de 2010.

A cidade do sal tronou-se muito importante nos séculos 19 e 20, durante a época da dominação turca na Jordânia. Era o centro administrativo principal para a área circunvizinha e em 1920 pareceu a escolha provável para a capital do estado recém nascido chamado de Transjordânia. Entretanto, o sal encontrava-se em abundância na vila mais central encontrada de Amman. O resultado é que Amman foi transformada numa cidade moderna e prospera. Devido a sua historia como um centro do governo, a cidade do sal é preenchida com a arquitetura maravilhosa do otomanos no estilo clássico.

A cidade do Sal é também o lugar de descanso final do profeta Ayyoub (trabalho), cujas paciência e a fé legendárias lhe deram a força para resistir aos sofrimentos tremendos e para ser recompensada finalmente com bênçãos (trabalho 1-3, Quran 38: 41-44). Um outro profeta- Shu'ayb (Jethro), sogro de Moisés- é dito ser enterrado em um túmulo perto da cidade do Sal em Wadi Shu'ayb.

A cidade do Sal está aproximadamente trinta quilômetros de noroeste de Amman. Imediatamente antes que você enxergue a parte principal da cidade (de Amman), você verá o Departamento do Museu de Antiguidades e o escritório dos turistas a esquerda. O museu abriga uma variedade da cerâmica e das moedas que datam do período de calcolítico (4500 a.C.) até o período de Mamluk (1516 d.C), bem como os painéis do mosaico do período Bizantino e fotografias adiantadas do sal. O museu é aberto das 08:00-14:00 todo dia exceto na sexta-feira. A entrada está livre. Ao lado da rua principal está o centro cultural de sal. Este complexo, que abriu em 1989, abriga um outro museu, uma biblioteca, uma escola do artesanatos ou obras manuais e o salão principal. A escola do artesanato trabalhos em cerâmicas e telas os quais são vendidos no comércio local e servem como renda e sustento para os estudantes e para o projeto. O projeto é patrocinado pela fundação do al-Hussein-Hussein de Noor e pela fundação do desenvolvimento de sal.

Anexos

  1. Planta da cidade e do sítio a ser visitado (2 páginas)
  2. Fotos do Museu do Folclore (3 páginas).

Bibliografia

Fathers, Franciscan. Guide to Jordan. Fanciscan printing Pres. (1982). Páginas 58-77.

http://www.kinghussein.gov.jo/tourism1.html&prev página oficial do Reino da Jordânia, acesso em 14 de agosto de 2004-12-22

Outras páginas

http://www.iucn.org/amman/

http://www.goethe.de/na/amm/deindex.htm

http://www.lemeridien.com/jordan/amman/hotel_jo1312.shtml

http://www.ammanfriends.4mg.com/

http://www.worldexecutive.com/cityguides/amman/

http://www.amman.hyatt.com/

http://www.usembassy-amman.org.jo/cons/Consular.html

http://www.britain.org.jo/ - 25k - 12 ago. 2004

http://www.i-cias.com/e.o/amman.htm - 13 ago. 2004

Antônio de Jesus Silveira Leite Setor de Habitações Econômicas e Comerciais Sul – SHCES, Quadra 309, Bloco D apartamento 204 Bairro Cruzeiro Novo 70650-394 Brasília/DF Brasil tel. (55-61) 361.3164 xakmabsb@yahoo.com.br,xakma@hotmail.com

Comunicar erros