Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Pós-Graduação em Administração / Disciplinas / 1º semestre de 2016 / Teoria Econômica e Organizações

Teoria Econômica e Organizações

Professor Elmo Tambosi Filho

Programa de Pós-Graduação em Administração
Curso de Mestrado em Administração
Disciplina: Teoria Econômica e Organizações
Professor: Elmo Tambosi Filho
Carga Horária: 45 horas-aula (3 créditos)
Turma: 1o Semestre de 2016
Horário: Quarta-Feira, das 13:30 às 16:30

Plano de Ensino da Disciplina

Objetivos
Apresentar aos alunos de forma ampla os pilares da Teoria Econômica (TE), sem entrar no aprofundamento matemático. Depois desse objetivo alcançado, mostrar vários contextos e potencialidades da TE no cotidiano das corporações, enfatizando como usá-la na gestão e nas pesquisas que os mestrandos poderão desenvolver.
E finalmente identificar as implicações da Teoria Econômica no mundo das Organizações, por meio da compreensão dos pressupostos teóricos das diferentes Escolas da Economia.

Ementa
Breve história do Pensamento Econômico clássico e moderno. Noções de Micro e Macroeconomia. Teoria dos Jogos. Teoria das Instituições. Economia e Direito.

Justificativa
Justifica-se a oferta da disciplina Teoria Econômica e Organizações dada à necessidade de promover um sólido conhecimento da Teoria Econômica para fortalecer a disseminação de trabalhos que contemplem uma base teórica mais consistente no âmbito do Programa e seu consequente impacto desejado no meio acadêmico.

PROGRAMA

Conteúdo Programático
1. História do Pensamento Econômico
2. Macroeconomia
3. Macroeconomia clássica
4. Microeconomia
5. Macroeconomia Internacional
6. Teoria dos jogos
7. Teoria das instituições
8. Direito e Economia
9. Tópicos emergentes em Teoria Econômica

Estratégias Didáticas
Aulas expositivas
Exposição dialogada
Análise de pesquisas realizadas
Debates e painéis para discussão

Critérios de Avaliação
Participação em aula (frequência e intervenções) – 10% 
Apresentação de seminário – 30%
Elaboração de trabalho– 60%

Bibliografia
ACKLEY, G. Teoria macroeconômica. Rio de Janeiro: Pioneira, 1989.
ALBORNOZ, S. O que é trabalho. São Paulo: Brasiliense, 1992.
ALBUQUERQUE, M. C. C. Introdução a teoria econômica. São Paulo: McGraw-Hill, 1972.
ALBUQUERQUE, M. C. C. Microeconomia: teoria do mercado, teoria do consumidor, economia de empresas. São Paulo: McGraw-Hill, 1986.
CAVALIERI, M. A. R, “Sobre os porquês do pluralismo em Economia: aproximações de uma alternativa historicista”, Pesquisa & Debate, 2009. 20(1): 165-187.
CERQUEIRA, H. E. A. G. “Adam Smith e seu contexto: o iluminismo escocês”, Economia e Sociedade, 2006,15(1): 1-28
CIMOLI, DOSI, NELSON , STIGLITZ . Institutions and policies shaping industrial development. A An introductory note. 2009.
DATHEIN, Ricardo (Org.). Desenvolvimento econômico brasileiro: contribuições sobre o período pós-1990. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2008
DOBB, MAURICE. A evolução do capitalismo. São Paulo: Abril Cultural, Coleção Os Economistas, 1983.
DOW, S. C, “Post Keynesian and critical realism: What is the connection?”, Journal of Post Keynesian Economics, 1999 22(1): 15-33.
EBNER, A, “Hayek on entrepreneurship: competition, market process and cultural evolution”, in Backhaus, J. G. (org.)(2005), Entrepreneurship, Money and Coordination: Hayek’s Theory of Cultural Evolution, Cheltenham, Edward Elgar.
FERNANDEZ, R. V. G. “A metodologia com argumento para uma economia pluralista”, Anais do XVI Encontro Nacional de Economia Política, Uberlândia. 2011.
FOLEY, D. “The History of Economic Thought and the Political Economic Education of Duncan Foley”, Journal of the History of Economic Thought, 2009 31(1): 21-31.
FONSECA, P. C. D. “Keynes: o liberalismo econômico como mito”, Economia e Sociedade, 2010 19(3): 425-447.
GREMAUD, Amaury P., VASCONCELLOS, Marco A. S. & TONETO Jr., Rudinei. Economia Brasileira Contemporânea. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2002.
HAYEK, F. A. The Constitution of Liberty, Chicago, 1960, The University of Chicago Press.
HAYEK, F. A. The Fatal Conceit: The Errors of Socialism, Chicago,1988 The University of Chicago Press.
HOBSBAWN, Eric. Sobre História. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.
HOBSBAWN, Eric. Era dos Extremos. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.
HUBERMAN, Leo. História da riqueza do homem. 17a. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.
MANKIW, N.G. Introdução à Economia. Trad. M.J.C.Monteiro. Rio de Janeiro: Campus, 1999.
MANSFIELD, EDWIN; YOKE, GARY. Microeconomia. Teoria e Aplicações. 11a. São Paulo: Saraiva, 2006.
MARTINS, IVES GANDRA. Ètica no Direito e Na Economia. São Paulo: Thomson Learning, 1999.
MCGUIGAN,JAMES R.MOYER, CHARLES. HARRIS, FREDERICK H. de B. Economia de Empresas 9o ed. São Paulo: Thomson Learning, 2004.
MOREIRA, JOAQUIM M. A Ètica Empresarial no Brasil. 1oed. São Paulo: Thomson Learning, 2002.
NAPOLEONI, C. , O pensamento econômico do século XX. Rio de Janeiro, Paz e Terra, (1963) 1990.
PINDYCK, ROBERT S.; RUBINFELD, DANIEL L. Microeconomia. 5a. ed. São Paulo: Prentice-Hall, 2002.
PRADO E., A Ortodoxia Neoclássica, em Ensaios de história do Pensamento Econômico no Brasil Contemporâneo, Szmrecsányi e F. da Silva Coelho (org.), Ed. Atlas, 2007.
SANTIAGO, THEO. Do Feudalismo ao Capitalismo. São Paulo: Contexto, 2006.
SILVA NETO, JÚLIO GOMES. Estado capitalismo na presente internacionalização do capital. Maceió: Edufal, 2007.
TAYLOR, Lance. Reconstructing macroeconomics. Cambridge (MA), and London: Harvard University Press, 2004.
TEIXEIRA, NELSON GOMES. A Ètica no Mundo da Empresa. 1oed. São Paulo: Thomson Learning, 1998.
VASCONCELOS, MARCO ANTONIO SANDOVAL; OLIVEIRA, ROBERTO GUERRA . Manual de Microeconomia. 2a. ed. São Paulo: Atlas, 2000.

 

Comunicar erros

SOBRE O PROGRAMA