Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Pastoral / Reflexões da Pastoral / Família se constrói com o coração

Família se constrói com o coração

“Enquanto os soldados cuidavam deles mesmos, a mãe de Jesus, a tia dele, Maria, esposa de Cleopas, e Maria Madalena permaneceram ao pé da cruz. Jesus viu sua mãe e o discípulo a quem ele amava perto dela. Ele disse à sua mãe: “Mulher, aí está seu filho”. E disse ao discípulo: “Aí está sua mãe”. A partir daquele momento o discípulo a aceitou como mãe” (João 19.24-27)

O cenário era difícil para este dia de despedida. Uma parte da família estava lá reunida aos pés da cruz, vivenciando juntos aquele terrível momento de dor. Uma mãe, possivelmente viúva, permanecia ali observando o que faziam a seu filho mais velho. Impossível não se compadecer diante de tamanho sofrimento e entrega. Jesus estava sendo crucificado como um criminoso, perante parte de sua família, bem como, de discípulas e discípulos que acompanhavam mais de perto, e outros que mantinham distância tomados pelo medo. Seus irmãos não estavam lá, já que não acreditavam em seu ministério, também não fariam companhia neste momento (João 7.5). No entanto, Jesus podia contar com pessoas que confiavam Nele e dedicariam suas vidas empenhadas em anunciar o Evangelho a todas as pessoas e tornando visível a Sua morte na cruz. O discípulo João que antes estivera à mesa da ceia, em momentos celebrativos, agora está ao pé da cruz, parado ao lado da mãe de Jesus, possivelmente amparando esta mulher que chora a dor de seu filho.

O primogênito de sua família estava preste a morrer e, para aquele povo, este era responsável por sua família, já que possivelmente José, seu pai, havia falecido. No entanto, Jesus não entrega esta responsabilidade a seus irmãos de sangue, mas compartilha com aquele que criou laços de coração, de amizade íntima. Aos cuidados de João, ele entrega sua mãe. Daí em diante o discípulo amado, provavelmente sobrinho de Maria, deverá ser como filho para ela, e tratá-la como mãe, assumindo este papel de comprometimento e responsabilidade.

Ali, aos pés da cruz, tanto Maria quanto João perdiam. Ela perde a presença física, o cheiro, o abraço, o contato diário com seu filho. E ele perde a boa companhia de um grande amigo. Em contrapartida, ambos encontram nesta perda a possibilidade de enfrentarem o luto juntos. Maria ganha mais um filho e João uma outra mãe. Uma nova família se constrói com o coração aos pés da cruz. Jesus resgata a proximidade humana em meio à dor, revelando que a família se ergue nas alegrias e se descobre nas dificuldades da vida. Encontramos neste texto narrado por João, que Jesus mantém um zelo imenso com sua mãe, estreitando os laços entre o primo, João e sua tia, Maria. Para aquele que estava à beira da morte, que também significava vida - projeto de Deus para a humanidade, é libertador saber que o laço de solidariedade permaneceria para além daquele momento de sofrimento e dor.

Em tempos onde cada um cuida de si, ao mesmo tempo em que não cuidamos de ninguém, é importante aprendermos com estas pessoas e entender que família se constrói com a vida e não apenas com sangue. Somos família, quando amamos, quando servirmos, quando nos dispomos a estar juntos. Devemos resgatar a nossa humanidade e olharmos para além da nossa própria condição. Podemos ser família para quem sofre só. Desafie-se! Feliz mês das pessoas que escolheram seguir juntas o caminho da vida! Deus abençoe!

Maternidade...

A maternidade nos transforma,
Transforma nosso corpo,
Nosso sono,
Nosso descanso,
Nossas horas.
A maternidade nos revela a vida,
Gerada de si.
Do coração,
De laços.
A maternidade abre nossa mente,
Revela-nos quem somos,
Muda nossas prioridades,
Nos faz mais sensíveis.
A maternidade nos leva a entendermos o amor de Deus
de forma mais profunda.
Um amor renunciado, um amor que entrega, mesmo quando quer ficar!
A maternidade tira nossas máscaras,
Bagunça nosso cabelo,
Mostra a profundidade do nosso ser,
E nos enche de coragem.
Aliás, é preciso coragem para se continuar a vida,
Quando quem nos torna mãe já não está mais com a gente.
Na verdade, a maternidade nunca nos deixa, e nem deixará.
Porque o que nos faz mãe é o amor e esse jamais acaba!

Fabiana de Oliveira Ferreira
Pastora Coadjuntora

Comunicar erros

ATENDIMENTO

Campus Rudge Ramos -  Edifício Sigma, Sala 205
Telefone – 4366-5543

Atendimento:


- Segunda a sexta-feira, das 8h às 22h
- Sábados, das 8h às 12h



Campus Planalto – Edifício A, Sala 316
Telefone: 4366-5339

Prof.ª Rosane Silva de Oliveira
Pastor Hércules Andrade Araújo
Pastor Edemir Antunes Filho

Atendimento:

- Segunda-feira, das 8h às 12h e das 19h às 21h30
- Terça-feira, das 8h às 21h30
- Quarta-feira, das 10h às 21h30
- Quinta-feira, das 8h às 14h e das 19h às 21h30
- Sexta-feira, das 8h às 12h
 



Campus Vergueiro -  Edifício A, sala 150
Telefone: 4366-5403

Pastora Angela Aparecida Balbastro Ribeiro
Pastor Edemir Antunes Filho

Atendimento:

- Terça-feira, das 14h às 21h30
- Quinta-feira, das 14h às 21h30



Colégio Metodista SBC
Telefone: 4366-5796

Pastor Wesley Cardoso Teixeira
Prof.ª Elaine Cezar da Silva

Atendimento:

- Segunda-feira, das 8h às 12h
- Quarta-feira, das 8h às 17h
- Terça, quinta e sexta-feira, das 8h as 17h30