Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Observatório Econômico / Notícias / Grande ABC fecha 2015 em retração econômica e movimento no Natal reduz 20,9%

Grande ABC fecha 2015 em retração econômica e movimento no Natal reduz 20,9%

Projeção é resultado do Boletim EconomiABC e da Pesquisa de Intenção de Compras divulgados pelo Observatório Econômico da Metodista

03/12/2015 18h40 - última modificação 22/01/2016 18h15

A décima edição do Boletim EconomiABC do Observatório Econômico da Universidade Metodista de São Paulo, divulgado nesta quinta-feira (03), avalia o comportamento da economia do Grande ABC neste momento de recessão e elevação da inflação que têm caracterizado 2015. Este ano deverá registrar o pior desempenho da economia brasileira dos últimos 25 anos e a região pega “carona” neste cenário (acesse aqui o boletim completo).

A massa salarial da economia do Grande ABC se retraiu ao longo de 2015, fruto da retração no mercado de trabalho, com reflexos negativos sobre o comércio.

Com relação ao panorama econômico, do qual a região segue a situação nacional, em outubro último o governo federal revisou para baixo a expectativa de crescimento do Brasil. De acordo com a Secretaria de Política Econômica do Ministério da Fazenda, o Produto Interno Bruto (PIB) de 2015 deverá retrair 3,1%. Esta projeção é mais favorável que o Indicador de Atividade Econômica do Banco Central, o IBC-Br, que no acumulado até agosto deste ano estima que a atividade econômica diminuiu 2,99%.

Confirmando a projeção do governo, 2015 deverá registrar o pior desempenho do PIB desde 1990, quando a retração foi de 4,35%. Naquele ano, a estratégia de combate à inflação combinou congelamento de preços e bloqueio de liquidez no sistema bancário, acompanhados de uma política fiscal contracionista.

O desemprego é um dos fatores relevantes para a situação regional. O Grande ABC perdeu mais de 27 mil postos formais de trabalho, dos quais mais de 16 mil na indústria.

Diante da política monetária contracionista e da retração no mercado de trabalho, os efeitos sobre a atividade comercial são negativos. No acumulado entre janeiro e agosto deste ano, a média do desempenho das vendas no comércio varejista reduziu 2,9% no Brasil comparado ao mesmo período do ano anterior, segundo a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC) realizada pelo IBGE. Nos 12 meses entre setembro de 2014 e agosto de 2015, a PMC também aponta retração no setor comercial de cerca de 1,5%.

No Estado de São Paulo a atividade comercial retraiu 3,4% até agosto deste ano, comparado a igual período do ano passado, segundo a mesma pesquisa do IBGE. Nos 12 meses entre setembro de 2014 e agosto de 2015, a retração do comércio em São Paulo foi de 2,1%.O desempenho do setor comercial ocorrido no segundo trimestre deste ano, comparado a igual período do ano anterior, foi o pior do setor desde o segundo trimestre de 2003. 

Dado o comportamento de alguns indicadores da economia do Grande ABC, como  volume de crédito, evolução do desemprego e comportamento do salário real e da massa de salários, o setor comercial da região também tem sofrido com redução do consumo. Segundo o indicador de atividade comercial da Serasa Experian, os segmentos que vêm apresentando pior desempenho comercial são veículos, motos e peças; combustíveis e lubrificantes; materiais de construção.

O Grande ABC, diante das perspectivas do cenário nacional e internacional, bem como do comportamento apresentado por alguns indicadores da economia local, deverá fechar o ano de 2015 com retração do PIB.


PIC Natal

Por outro lado, os gastos com presentes para o Natal de 2015 deverão movimentar aproximadamente R$ 296 milhões no Grande ABC. Esta é uma das conclusões da Pesquisa de Intenção de Compra – Natal 2015, também realizada pelo Observatório Econômico da Metodista e divulgada nesta quinta-feira (03). Confira a íntegra do levantamento em http://portal.metodista.br/observatorio-economico/publicacoes/pesquisa-de-intencao-de-compras-natal-2015.

A projeção se aproxima da expectativa apresentada no mesmo período há quatro anos, em 2011, de R$ 300 milhões. De acordo com os dados levantados na pesquisa, o valor médio a ser gasto por presente é de R$ 167,84, sendo que em 2014 esse montante foi de R$ 164,50, ou seja, houve crescimento nominal de cerca de 2% do ticket médio.

No entanto, se descontada a inflação acumulada no ano, de 9,93% entre outubro de 2014 e de 2015, o preço médio que o consumidor está disposto a pagar ficou aproximadamente 7,2 % menor. Já o valor total que os consumidores pretendem gastar com presentes neste Natal é de R$ 378,88. Comparado com o ano de 2014, quando a pesquisa apontou um gasto planejado de R$ 465,70, houve redução nominal de aproximadamente 18,6% na disposição de consumo das famílias. Se considerada a inflação acumulada no período, a redução real é de aproximadamente 26%.

Os principais presentes deverão ser vestuário e calçados (32,1%), perfume e cosméticos (17,7%) e brinquedos (8,1%). O principal meio de pagamento utilizado nas compras deverá ser cartão de crédito em praticamente todas as faixas de renda, seguido por dinheiro e cartão de débito.

A expectativa é que este Natal movimente aproximadamente R$ 296 milhões no Grande ABC, contra os R$ 341 milhões apontados em 2014. A perspectiva é de que a movimentação comercial apresente retração nominal de 13% este ano, provocada pela menor disposição a gastar, pela redução do número médio de pessoas a serem presenteadas e pela elevação dos preços em um momento de diminuição da massa de salários. Descontando a inflação de 9,93%, a redução na movimentação econômica neste Natal será de 20,9%, comparado ao ano passado.

Esta matéria foi publicada no Jornal da Metodista.
Conheça Outras.

Comunicar erros


Leia mais notícias sobre: , , , , ,