Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Notícias / 2019 / Setembro / Contar histórias deve estar no centro das aulas, diz educador

Contar histórias deve estar no centro das aulas, diz educador

Miguel Thompson falou sobre romper com modelo linear de ensino para estimular a criatividade

30/09/2019 18h10 - última modificação 01/10/2019 19h58

Miguel Thompson falou em seminário sobre Inovação na Escola em romper com modelo linear de ensino para estimular a criatividade

Provocar a imaginação dos alunos é a grande oportunidade das escolas que querem mudar o modo de ensinar. O mundo deixou de ser linear e espacial – tudo está virtual e aleatório, daí não terem mais lugar as aulas sequenciais, conteúdos formalizados por especializações, estruturas hierarquizadas e controle de tudo para gerar métricas.

“Numa época em que a maioria dos empregos de hoje não existirá daqui poucos anos, precisamos desenvolver outras habilidades nas crianças e jovens, como a oralidade e a cooperação do trabalho em grupo. Aí os pais questionam: mas oralidade cai no ENEM? E a escola desiste de ser criativa, de construir histórias e narrativas para despertar talentos”, advertiu o educador Miguel Thompson, diretor da Fundação Santilanna, em palestra sobre Gestão Escolar em um Mundo Complexo no seminário Inovação na Escola – Criatividade Como Estratégia Pedagógica e de Gestão, realizado em 28 de setembro na Universidade Metodista de São Paulo.

A velha e boa prática de contar histórias tem se mostrado didática bastante eficaz para cativar estudantes de todas as idades. Os games são os melhores exemplos: “São histórias épicas que fazem grande sucesso. Daí a importância de construir narrativas que encantam, em vez que derramar um monte de listas dizendo o que aluno deve pensar”, apontou o educador, lamentando que a maior parte dos professores e gestores escolares ainda trabalha sob um modelo fabril (fragmentado, especializado e sequencial), desprezando emoções e subjetividades proporcionados por experimentos interativos e criativos.

Escola chata?

“A escola ficou boring (chata) porque é só razão. A ciência acha que tudo se resolve na racionalidade”, insistiu, citando que a LDB (Lei de Diretrizes e Bases da Educação) não diz que a aula deve ter 50 minutos nem ser seriada. “Mas estamos condicionados a isso”, pontuou.

Miguel Thompson descreveu alternativas de ensino que podem tornar o aluno autônomo e inovador (quando consegue materializar uma ideia criativa), entre as quais estimular a autoria na realização de vídeos, podcasts e fotos para redes sociais, mostrando-se à comunidade. Conforme disse, o professor também deve incentivar a imaginação colocando um “...e se?” nos temas estudados e assim desafiar conhecimentos já formalizados. O educador destacou ainda que narrativas devem começar com um problema, de modo a despertarem competências como ser crítico, colaborativo, empreendedor e curioso, entre outras. E falou que é essencial envolver as famílias com a escola, para que entendam as mudanças ao lado dos filhos.

O seminário Inovação na Escola – Criatividade Como Estratégia Pedagógica e de Gestão foi aberto com a exposição de Carlotta Ferrozzi e Adele Grotti, que trouxeram da Itália o programa de educação para a sustentabilidade desenvolvido pelo Centro ReMida com materiais descartados. Também contou com mesas redondas e várias oficinas.

“Temos que pensar a escola como espaço de colaboração e aprendizagem em convivência. Assim, poderemos fazer algo diferente na sociedade do conhecimento para que a criatividade e a inovação floresçam”, apontou professor Fábio Josgrilberg, um dos idealizadores do evento. Também a diretora de Pós-Graduação e Pesquisa da Metodista, professora Adriana Barroso de Azevedo, deu as boas-vindas destacando a necessidade de novas formas de atuar na educação por meio de trabalho coletivo e que valorize o humano, não apenas a transmissão de conhecimentos.

Leia também: Experiência italiana coloca a reciclagem na pauta da formação escolar

Esta matéria foi publicada no Jornal da Metodista.
Conheça Outras.

Comunicar erros


Leia mais notícias sobre: , , , , , , , , ,
X