Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Letras Língua Portuguesa / Notícias / Ex-aluna de Letras lança livro sobre história da tradução brasileira

Ex-aluna de Letras lança livro sobre história da tradução brasileira

Damiana de Oliveira ganhou vivência de traduções e revisões trabalhando na Cátedra Unesco/Metodista

20/04/2018 19h15 - última modificação 20/04/2018 19h13

Formada em 2006 em Letras Português-Inglês pela Universidade Metodista de São Paulo, onde também atuou durante cinco anos na Cátedra Unesco/Metodista de Comunicação, Damiana Rosa de Oliveira transformou em livro seu amor pela pesquisa e pela tradução. Dia 5 de maio próximo, em co-autoria com Andreia Cintas Vazquez, ela lança A Fantástica História (ainda não contada) da Tradução no Brasil, resgatando trajetórias de tradutores que narraram desde a exportação de café brasileiro até a chegada das multinacionais no Brasil.

Hoje com 34 anos e atuando como tradutora e legendadora autônoma para diversos clientes diretos e agências, Damiana agradece à origem da carreira a partir da licenciatura em Letras na Metodista que cursou graças a uma bolsa de estudos:

“O curso me propiciou aprender com grandes mestres, como as professoras Solange Tenório, Edna Perrotti, Rita de Cássia Caparroz - com quem tenho contato até hoje - e o grande professor Esdras da Silva (in memoriam), que me orientou e muito me apoiou. Ter tido a oportunidade de trabalhar na Cátedra UNESCO de Comunicação ao lado dos professores Marques de Melo e Cristina Gobbi me proporcionou experiência imensurável. Lá, aprendi na prática a revisar e traduzir”, descreve a ex-aluna, que pós-graduou-se em Tradução e Interpretação Espanhol-Português pela Universidade Gama Filho.

Atualmente Damiana desenvolve trabalhos para a Bravo Estúdios, onde faz versão de novelas e minisséries brasileiras para o espanhol, além da Sfera Studio, onde legenda filmes e seriados para grandes provedores de filmes e séries via stream. Também faz legendas para universidades em plataformas online de cursos EAD e vídeos institucionais, assim como realiza traduções na área técnica para grandes montadoras, de romances e materiais acadêmicos.

Ela reforça o aprendizado prático que construiu na Cátedra Unesco: “Grande parte da correspondência do espaço era feita em espanhol, o que me permitiu desenvolver bastante a prática com a língua. Lá fiz as minhas primeiras interpretações consecutivas, as primeiras traduções de livros. E como as publicações da Cátedra saiam quase todas pela Editora Metodista, guardo profunda gratidão à equipe da editora que me ensinou tudo o que sei sobre mercado editorial”, diz.

Ruy Barbosa e Carlos Lacerda

LetrasLivroAlunaABR2018.jpg
Damiana (de azul) escreve com co-autoria de Andreia Vazquez
Sobre a ideia de resgatar a história da tradução no Brasil que dá título à sua obra, a ex-aluna lembra que, como assistente dos professores José Marques de Melo e Maria Cristina Gobbi, além de cuidar de traduções e revisões das publicações, teve oportunidade de atuar em uma parceria de Marques de Melo com a Imprensa Oficial do Estado para organizar a coleção “Imprensa Brasileira - Personagens que Fizeram História”.

 

“Eram quatro volumes recheados de perfis de quem fez a história da imprensa brasileira. Como assistente na Cátedra, ajudei na digitalização de alguns materiais e na revisão das publicações e, neste processo, encontrei jornalistas tradutores como Ruy Barbosa e Carlos Lacerda. Achei muito interessante e comecei a fazer uma pesquisa pessoal reunindo estas curiosidades. Depois, conheci a Andreia Vazquez e compartilhei meu amor pela pesquisa e pela tradução. Ela abraçou a ideia e começamos juntas a idealizar o projeto. No final de 2017 conhecemos Edmar Matos, editor da Editora Transitiva, que acreditou no nosso trabalho e agora em 2018 está tornando este livro realidade”, conta, acrescentando que outra fonte de pesquisa que enriqueceu a obra foi o acervo da Biblioteca Central da Metodista.

A Fantástica História (ainda não contada) da Tradução no Brasil destaca tradutores que exerceram papel essencial na colonização do Brasil e na formação da língua portuguesa brasileira. Reis, escritores e até políticos são resgatados no papel de tradutores, além de serem narradas as aventuras de quem reinventou a tradução para adaptá-la às novas tecnologias e mídias.

“Conforme o mundo foi se modernizando, o tradutor teve que reinventar o processo de tradução: chegaram os filmes falados e, com eles, o processo de legendagem e tradução para dublagem. Posteriormente, vieram os videogames e, com eles, o processo de localização da informação: afinal, não tem graça jogar um jogo de carros com placas de trânsito que não conhecemos. É o tradutor localizador de games que faz esse tipo de adaptação. Hoje, as universidades oferecem cursos a distância e estão descobrindo que podem legendar estes cursos e compartilhar seu conhecimento com o mundo. No meio de tudo isso está o tradutor, adaptando-se às tecnologias para ajudar a compreender este complicado e ligeiro mundo globalizado”, considera Damiana de Oliveira, que ingressou na Metodista aos 19 anos para trabalhar na secretaria da antiga FCA (Faculdade de Administração) digitando diários.

A sessão de autógrafos programada para 5 de maio será das 15h às 18h na Livraria Martins Fontes da Avenida Paulista, 509, na Capital.

Esta matéria foi publicada no Jornal da Metodista.
Conheça Outras.

Comunicar erros


Leia mais notícias sobre: , , , , , , , , ,

SILVIO PEREIRA - COORDENADOR

Veja o minicurrículo

 


Receba informações de oferecimento deste curso

Receba informações de oferecimento sobre esse curso:

X