Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Medicina Veterinária / Projetos

Projetos

Participação nos projetos de extensão e pesquisa
Os alunos escolhem um tema, procuram os professores das áreas afins e preenchem o formulário adquirido na secretaria do curso. O formulário será submetido ao Colegiado do Curso, Conselho da Faculdade e Conselho Universitário para aprovação.

 

Projetos de extensão (Adote um Amigo)

Em associação à ONG GAAMA de São Bernardo do Campo, o projeto Adote um Amigo teve início em Agosto de 2005. Este projeto, que associa acadêmicos, veterinários e participantes de ONGs, que juntos unem esforços e combatem o abandono, é um projeto de sucesso, não somente pela pretensão em doar um número considerável de animais, mas também por incentivar a posse responsável, demonstrando a preocupação quanto à procriação futura. A maior parte dos cães e gatos e suas respectivas mães são animais abandonados, SRD.

Metodologia: O projeto consiste em castrar, vacinar e vermifugar os filhotes e suas respectivas mães, e fornecer informações necessárias sobre a posse responsável e bem estar animal aos futuros proprietários. Os animais vêm da ONG em devidas condições (limpo, saudável, sem problemas de pele/pelagem, sem estar em medicação) e permanecem no mesmo local até que sejam doados (aproximadamente uma semana). Neste período, são colocados em gaiolas individuais, devidamente higienizadas, com água e ração disponíveis, onde ficam expostos durante o dia todo. É de comum acordo dentro do projeto, assumirmos um compromisso junto aos novos proprietários, quanto ao bem-estar animal.

Como posso adotar um animal? Para isso, o proprietário deve ser obrigatoriamente maior de 18 anos, apresentar documentação (RG, CPF, Comprovante de Residência) e assinar um termo de Responsabilidade, além de pagar uma taxa de contribuição para a continuação do projeto.

Professor coordenador: Dr. Nilton Abreu Zanco

Mais informações: projetoadoteumamigo@gmail.com

 

Doctor Pet

O Projeto Doctor Pet foi criado pela aluna Daniela Mayumi de Medicina Veterinária da Metodista, em 2005, e consiste em uma terapia assistida por animais que não substitui os tratamentos convencionais.
Por iniciativa do Prof. Dr. Nilton Abreu Zanco, diretor e alunos de Medicina Veterinária, o Doctor Pet continua atuando dentro da Metodista, oferecendo apoio às áreas da Clínica de Fisioterapia e Psicologia, com trabalhos voltados ao público em geral da região do Campus Planalto e Rudge Ramos.
André Liberato Leite, Andréa Arlete Ferreira, Carina P. Morais, Carla Maria Girardi Barbosa, Estefani da Silva Esteves, Etori Cordeiro, Gabriela Davi Ramos, Lucas T.M. Rossi, Marília Gabriela, Naara Navas Tomé, Rafaela Borges Ramos e William R. Pereira, são responsáveis pelo projeto, deste adestramento, passeios e cuidados médicos de Lyon, Liza e Luna, enquanto “Didi”, o ‘fiel escudeiro do Projeto’, é responsável pela alimentação, cuidados e todo o carinho, com os cães e com o grupo.
O trabalho consiste em visitas, inicialmente quinzenais, com duração de cerca de 45 minutos, onde os pacientes têm a possibilidade de ter contato com cães adestrados, felizes e sadios.
Lyon, um labrador de 6 anos, Liza e Luna, cães SRD de cerca de 2 anos, visitam e demonstram diversos truques aos pacientes das clínicas que ficam extasiados. Pulos, “dar as patinhas”, rolar e fingir-se de “morto”, é um pouquinho daquilo que os cães podem fazer, sem contar a alegria e conforto que contagia pais, pacientes e visitantes da Metodista.

 

Manejo sanitário dos animais domésticos do bairro Estoril, São Bernardo do Campo – SP

Coordenador: Prof. Dr. Celso Martins Pinto
Através de atividades de extensão como a atualmente proposta, os acadêmicos de Medicina Veterinária têm a oportunidade de aproximação com a realidade das comunidades e ocorre a sensibilização natural pelo auxílio e proposição de alternativas aos problemas sócio-econômico-culturais que se apresentam determinantes quanto às questões de saúde animal e saúde pública. O presente projeto visa o controle populacional de cães e gatos através das castrações cirúrgicas, a obtenção de amostras de fezes e sangue dos animais para fins de pesquisa diagnóstica e a educação ambiental em posse responsável e bem-estar animal junto à comunidade do bairro Estoril, São Bernardo do Campo, São Paulo, no período de agosto de 2008 a fevereiro de 2009.

 

Resgate, manejo higiênico-sanitário e reabilitação dos gatos abandonados nas Ilhas do Cardoso e Bom Abrigo, Cananéia, São Paulo

Coordenador: Prof. Dr. Celso Martins Pinto
Por décadas seguidas gatos domésticos foram sendo abandonados nas ilhas do Bom Abrigo e Ilha do Cardoso, em Cananéia, no extremo sul do litoral do estado de São Paulo. Questões sócio-culturais, como a ocorrência de roedores a serem controlados e a necessidade de animais de companhia, contribuíram para o transporte dos gatos domésticos para estas ilhas e o conseqüente abandono. Como outros felídeos os gatos domésticos rapidamente adaptam-se ao meio através de seus hábitos de predação, podendo interferir diretamente na teia alimentar dos ecossistemas dessa forma. Uma vez de situação de abandono, tornam-se animais de difícil convivência, adquirindo hábitos ferais e caçadores, colocando em risco outras espécies que possuem nichos ecológicos específicos e são de ocorrência endêmica.
Além dos riscos ambientais quanto às populações animais, há ainda as questões sanitárias, pois esta espécie representa importante hospedeiro de grande número de agentes infecciosos, alguns causadores de zoonoses. Ficam também sujeitos a todo tipo de maus tratos, como agressões físicas, afogamento e envenenamento por parte das pessoas que visitam as ilhas e sentem-se de alguma forma incomodadas pela presença dos gatos. A captura desses animais, a recuperação clínica, quando necessária, a reabilitação ou ressocialização, tratando de devolvê-los a condição de animais domésticos, com comportamento adequado à domiciliação e, finalmente, a adoção monitorada são as propostas para estes animais abandonados no presente projeto.

 

Projetos de pesquisa


Tempo de Protombina e Tempo de Tromboplastina Parcial Ativada em cães do HOVET Metodista como exame pré-cirúrgicos

Prof. Coordenador: Prof. Dr. Milton Kolber
Colaboradores: M.V. Patricia Moura da Cunha
Aluna: Carina Sakura Onuma (10° período)

A coagulação do sangue é processada quando o mesmo é retirado dos vasos e transferido para um recipiente que não contém anticoagulante, logo o coágulo se forma separando-se o soro. Na presença de anticoagulante, obtém-se o plasma com os elementos figurados sedimentados. Ocorrendo assim, uma série de reações que ativam os fatores da coagulação, estes que estão numerados de acordo com a ordem de sua descoberta. Entre eles estão a protrombina (fator II) e a tromboplastina (fator III).
Não é comum, como se tem notado na literatura e também na vida prática, a determinação destes fatores na rotina médica cirúrgica, inclusive com discussões sobre seus valores considerados normais. O escopo do presente trabalho é, além de mensurarmos o tempo de PT (tempo de protrombina) e APTT (tempo de tromboplastina parcial ativado), através de kits comerciais, em cães pré-cirúrgicos do Hovet Metodista, sabermos se ocorrem alterações na coagulação quer intrínseca quer extrínseca nos animais pré-cirúrgicos.

 

Uso De Lidocaína Sob Infusão Contínua No Período Trans-Operatório Como Analgésico No Pós-Operátorio Em Cadelas Submetidas À Mastectomia E Ovariosalpingohisterectomia

Coordenador: Prof. Dr. André Leguthe Rosa
Aluna bolsista: Débora Pires de Toledo (acadêmica)
Este trabalho tem como objetivo avaliar o uso de lidocaína sob infusão contínua no período trans-operatório em cadelas submetidas à mastectomia e ovariosalpingohisterectomia no Hospital Veterinário da Universidade Metodista de São Paulo no período setembro de 2008 a agosto de 2009, com o propósito de obter sua eficácia como analgésico no pós – operatório. Para determinar o conforto do animal, serão feitas mensurações de frequência cardíaca, frequência respiratória, temperatura, tempo de preenchimento capilar, capnografia, estado mental, vocalização e sensibilidade à palpação. Os animais que obtiverem valores acima dos parâmetros fisiológicos, atingindo pontuação mínima determinada na escala de dor, serão medicados.

 

Avaliação da qualidade da intubação endotraqueal promovida pelo propofol associado ao fentanil, por via intramuscular em cães

Coordenador: Celso Braga Sobrinho (médico veterinário)
Aluna: Caroline Rabecchi
A intubação endotraqueal é procedimento obrigatório, porém não isento de repercussões cardiovasculares, para a instauração da anestesia inalatória; para tanto é necessário a abolição do reflexo laringotraqueal, que é obtido através da administração de fármacos que proporcionam a anestesia geral, fase esta denominada indução. O presente estudo objetiva avaliar a qualidade da intubação endotraqueal em cães induzidos com a associação de fentanil e propofol, bem como possíveis alterações cardiovasculares causadas por essa associação e pela intubação endotraqueal. Serão utilizados 21 animais da espécie canina, sem distinção de sexo, raça e peso, ASA I e ASAII, submetidos a procedimentos cirúrgicos no Hospital Veterinário da Universidade Metodista de São Paulo. Os animais serão divididos aleatoriamente em três grupos denominados G1 (grupo controle), G2 (grupo fentanil) e G3 (grupo sem fentanil) com 7 animais cada. Todos os animais receberão a associação de acepromazina e petidina como medicação pré-anestésica. O G1 receberá como indução propofol na dose 5 mg/kg, o G2 a associação de fentanil, por via intramuscular e propofol, por via venosa na dose de 2mg/kg e o G3 propofol pela via intravenosa na dose de 2mg/kg. A qualidade da intubação será avaliada através de uma escala numérica denominada “score” de intubação e os parâmetros cardiovasculares serão aferidos antes da MPA, a cada 5 min até a indução e 3 minutos após a intubação endotraqueal. A análise estatística será realizado através do teste t-students e submetidos ANOVA, com o auxílio de um programa de computador.

 

Avaliação da sedação e dos efeitos cardiovasculares da associação tiletamina/zolazepam, xilazina e fentanil durante o exame radiográfico para diagnóstico da displasia coxo-femural

Coordenador: Celso Braga Sobrinho (médico veterinário)
Aluna: Ariadne Barcellos
A displasia coxo-femural é uma moléstia causada pela disfunção do desenvolvimento articular, de origem hereditária, mas não congênita. O diagnóstico desta má-formação articular é obtido através do exame radiográfico, exigindo um correto posicionamento, o que é obtido através da utilização de fármacos que forneçam analgesia e relaxamento muscular. O objetivo do presente estudo é avaliar um protocolo anestésico que forneça sedação, analgesia e relaxamento muscular suficientes para um bom posicionamento, com mínimas alterações cardiovasculares, conferindo maior segurança ao animal durante o exame e ao radiologista durante o laudo, bem como tempo de latência, duração clínica e tempo de recuperação. Será utilizada a associação de tiletamina/zolazepam, xilazina e fentanil em 20 animais, espécie canina, sem distinção de sexo, raça e peso, ASA I, ASA II ou ASA III, que necessitem do exame radiográfico para disgnóstico de displasia coxo-femural. Os parâmetros de freqüência cardíaca, freqüência respiratória, pressão arterial sistolica, temperatura, relaxamento muscular e reflexos protetores serão avaliados à cada 10 minutos, à partir da administração da associação dos fármacos até a alta médica. A análise estatística será realizado através do teste t-students e submetidos ANOVA, com o auxílio de um programa de computador.

 

Análise dos efeitos da mastite na produção leiteira de uma propriedade de gado Girolando

Coordenador: Profa. Dra. Márcia Nishizawa
Aluna: Eveline Zuniga
O seguinte trabalho possui como objetivo analisar os efeitos da mastite - a inflamação da glândula mamária - sobre a produção leiteira. Tal análise se faz pertinente de acordo com a premissa de que a mastite afeta negativamente a produção leiteira, reduzindo a capacidade produtiva dos rebanhos infectados. Desta maneira, analisando-se o banco de dados de uma propriedade localizada no Sul de Minas Gerais, durante o período 2003-2008, buscaremos determinar e quantificar possíveis alterações na produção leiteira causadas pela mastite. No ano de 2008 serão analisados os dados anteriormente coletados, acrescido de novas coletas, análises microbiológicas e antibiograma dos animais acometidos.

 

Estudo comparativo de períodos de jejum pré operatório em pacientes pediátricos, através da avaliação da glicemia de cadelas entre 45 e 60 dias, submetidas a cirurgia de esterilização no HOVET Metodista

Prof. Coordenador: Prof. Dr. Nilton Abreu Zanco
Colaboradores: Profa. Ms. Tânia Parra Fernandes; M.V. Henrique Biaggio
Aluna: Renata Ayumi Fukuti (10° período)
A castração é um procedimento de interesse em cães e gatos filhotes, tendo como conseqüência a diminuição da marcação territorial, diminuição da vocalização no período de cio, diminuição da agressividade e, também controle populacional desses animais. Adicionalmente previne afecções relacionadas com a ação de hormônios sexuais, como doenças prostáticas, uterinas, e inclusive a diminuição de tumor de mama, principalmente em cadelas, podendo ocorrer uma diminuição de 99,5% de chance de desenvolver o tumor de mama em cadelas castradas antes do primeiro cio. Para a realização do procedimento anestésico e cirúrgico os animais devem ser submetidos a um período de jejum, no caso de cães adultos é empregado o jejum alimentar de 12 horas e jejum hídrico de 8 horas antes da cirurgia. No caso de filhotes é imprescindível tomar muito cuidado, pois quando submetidos a um jejum prolongado, eles facilmente podem apresentar um quadro de hipoglicemia. O presente estudo avaliará a glicemia de 30 filhotes fêmeas de cães oriundas do "Projeto Adote um Amigo" submetidas ao procedimento de esterilização no HOVET Metodista, avaliando e comparando os resultados de glicemia obtidos no pré cirúrgico, pós cirúrgico imediato e pós cirúrgico tardio, em dois grupo de 15 animais cada. Os animais serão submetidos a um período de 8 horas e 4 horas de jejum pré operatório respectivamente.

 

Avaliação do estado neurológico de neonatos caninos pela escala APGAR nascidos de cesariana

Prof. Coordenador: Prof. Ms Tânia Parra Fernandes
Colaboradores: M.V. Celso Braga Sobrinho
Aluna: Renata Ribeiro (10° período)
A avaliação do vigor neonatal é realizada através da Escala Apgar. Este sistema foi criado para facilitar a avaliação clínica do recém-nascido ao nascimento e orientar nas intervenções da reanimação neonatal, consistindo na avaliação de cinco sinais clínicos vitais (frequência cardíaca, freqüência respiratória, tônus muscular, irritabilidade reflexa e coloração das mucosas), no primeiro, no quinto e no décimo minuto após o nascimento. Para complementar a avaliação, é feito o teste neurológico, onde se constata a presença ou ausência dos reflexos de sucção, dor e flexor. Este estudo teve como objetivo avaliar o grau de depressão neurológica fetal canina causada por parto distócico e pelos agentes anestésicos usando a Escala Apgar, visto que esta é pouco utilizada em Medicina Veterinária. Foram realizadas três cesarianas, avaliando-se um total de sete filhotes. Foi utilizado como protocolo anestésico: Propofol, na dose de 10 mg/kg, como agente indutor; Lidocaína e Morfina, tendo como volume total 0,3 ml/kg, na anestesia epidural e o Isoflurano, como manutenção anestésica. Os neonatos foram avaliados no primeiro e no quinto minuto de vida, seguido de teste neurológico através dos reflexos de sucção, dor e flexor. Observou-se maior depressão neurológica em animais cuja mãe apresentou parto distócico e, embora os anestésicos causem depressão materno-fetal, animais nascidos de cesariana (feita como procedimento preventivo), com o protocolo correto e plano anestésico adequado da mãe, apresentaram grau de depressão neurológica mínima, sem alterações significativas na Escala Apgar.

 

Estudo da prevalência de helmintos gastroentéricos em cães da cidade de São Bernardo do Campo, São Paulo, no ano de 2008

Prof. Coordenador: Prof. Dr. Celso Martins Pinto
Colaboradores: Prof. Dr. Milton Kolber; Prof. Dr. Nilton Abreu Zanco; Prof. Ms Tânia Parra Fernandes e M.V. Henrique Biaggio
Aluna: Patrícia Masteguim (10° período)
Os processos parasitários em cães são enfermidades de alta incidência, podendo interferir no desenvolvimento fisiológico do animal e devem ser vistos com interesse sob o ponto de vista de saúde publica, pois podem acometer o homem, influenciando no aspecto socioeconômico regional. Os animais jovens são os mais suscetíveis às infestações parasitárias e também a apresentarem seu desenvolvimento comprometido e, pelo fato da proximidade como homem é potencialmente de maior importância devido ao risco de infecção acidental. Considerando que o tratamento profilático ainda é o meio mais econômico de prevenção, os animais devem ser submetidos a exames laboratoriais a fim de detectar o nível de infecção e estabelecer o protocolo de tratamento. Esse trabalho tem o objetivo de detectar a prevalência de helmintos gastroentéricos nos filhotes do “Projeto Adote um Amigo” (projeto de adoção de filhotes de cães e gatos), pois considerando que são animais de rua, encontrados na cidade de São Bernardo do Campo e submetidos à adoção, e futuramente passaram a ficar em contato direto com o proprietário e dessa forma podendo infectá-los. Sendo assim apresentam primordial importância a identificação e o tratamento dessas helmintoses.

 

Avaliação comparativa entre iodo –povidona com álcool 70% e clorexidina0,5% na anti-sepsia de esterilização de cadelas entre 45 e 60 dias no HOVET da Metodista

Aluno: Welbert Lemes Assunção dos Santos (10° período)
A anti-sepsia dos tecidos é fundamental para evitar contaminações nos atos cirúrgicos, prevenindo maiores complicações e infecções. Um bom anti-séptico deve ter amplo espectro e agredir minimamente a pele do paciente. Os anti-sépticos que se aproximam mais dessas características e por isso são os mais utilizados são a iodo-povidona associada ao álcool e a clorexidina. O presente estudo teve como objetivo comparar a efetividade destes dois protocolos amplamente utilizados na anti-sepsia de procedimentos cirúrgicos. Para tanto foram utilizadas 20 cadelas com idades entre 45 e 60 dias, submetidas à castração no HOVET da Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade Metodista. Os animais foram separados em dois grupos de 10: um grupo foi submetido à anti-sepsia com iodo-povidona e álcool 70% e o outro grupo recebeu anti-sepsia a base de clorexidina 0,5%. Foram realizadas colheitas de material da região cirúrgica tricotomizada antes da anti-sepsia e logo após a mesma. O material foi semeado imediatamente após a colheita e incubado a 37ºC. Os resultados em relação ao crescimento bacteriano nas amostras colhidas após a anti-sepsia foram positivos em 10% dos animais tratados com a associação de iodo-povidona e álcool e em 40% dos animais tratados com clorexidina. Em relação às amostras colhidas antes da anti-sepsia o crescimento foi de 100% nos dois grupos. Estes resultados são compatíveis com a literatura, que relata espectro de ação mais amplo com a associação de iodo-povidona e álcool. Entretanto, ao submeter os resultados à análise estatística esta diferença não foi significativa, fato que pode ser decorrente do pequeno número de animais submetidos ao experimento. De qualquer forma, nos dois casos pode-se observar a redução importante de microrganismos em relação à condição anterior à anti-sepsia.

 

Análise de casuística das intoxicações em cães e gatos

Colaboradores: Profa. MSc. Tânia Parra Fernandes; Prof. MSc. Paulo Sergio Salzo; Professor Doutor Milton Kolber; M.V. Tatiana Roseira Aguirre; M.V. Regina Junko Miyake
Aluna: Fernanda Cristiane Delinger Ferreira (8° período)
Na rotina da clínica veterinária são comuns os casos de intoxicações em cães e gatos. A exposição a agentes tóxicos pode levar a danos irreversíveis no organismo ou até mesmo ao óbito. Em casos de animais intoxicados deve-se instituir uma terapia de emergência e, após determinar o diagnóstico clínico, realizar o tratamento direcionado, com o uso de antídotos ou soros específicos quando necessários. Há uma série de agentes tóxicos disponíveis, que podem ser classificados em: praguicidas agropecuários/veterinários e domésticos, domissanitários, medicamentos, plantas tóxicas, produtos químicos/industriais, rodenticidas, plantas tóxicas, animais peçonhentos e não peçonhentos, drogas de abuso e alimentos. É importante que o Médico Veterinário tenha, no mínimo, conhecimento dos principais agentes tóxicos responsáveis pelos casos de intoxicação em cães e gatos. Porém, no Brasil, os dados referentes à epidemiologia das intoxicações em animais são escassos. O presente estudo mostrará os resultados obtidos em um levantamento retrospectivo e em uma pesquisa prospectiva com base em uma ficha de atendimento para animais intoxicados. A partir da análise da casuística das intoxicações, os Médicos Veterinários poderão obter dados que contribuirão quanto à incidência, diagnóstico e tratamento direcionado para cada caso.

 

Avaliação do uso da doramectina na demodiciose canina

Prof. Coordenador: Prof. MS. Paulo Sergio Salzo
Colaboradores: Profa. MS. Tânia Parra Fernandes
Aluna: Pollyana de Lima Pires
A sarna demodécica (demodicidose, demodiciose ou sarna vermelha) é uma doença parasitária inflamatória de cães. Caracteriza-se por um aumento no número do ácaro Demodex canis na flora normal da pele do animal. Esta proliferação inicial pode ser por um distúrbio genético ou imunológico. A transmissão ocorre pela mãe com demodiciose à seus filhotes nos seus primeiros dias de vida, pelo intimo contato mãe-filhote. Sendo assim, não é transmitida entre animais adultos. A doramectina é um fármaco da família avermectina, que foi introduzida na Medicina Veterinária para utilização no tratamento e profilaxia de endo e ectoparasitoses. O presente trabalho deseja realizar o tratamento da doramectina em cães com sarna demodécica atendidos no Hospital Veterinária da Universidade Metodista de São Paulo. Apresenta como objetivo geral o de avaliar o fármaco Doramectina, no uso em cães com Demodiciose, atendidos no HOVET-Metodista. Salienta ainda que o objetivo específico será o de avaliar se o fármaco doramectina induz problemas hepáticos e/ou renais nos cães com Demodiciose atendidos no HOVET-Metodista.

 

PIBIC/CNPQ - UMESP

Avaliação do Piroxicam como terapêutica complementar a mastectomia em cadelas com neoplasia mamária
Aluna bolsista: Kira Pasenkoff Liu
Início: agosto/2008
Duração prevista até julho/2009
A neoplasia mamária é o tumor mais freqüente em cadelas e acomete fêmeas entre 2 a 20 anos de idade. Os adenocarcinomas mamários predominam em relação ao outros tipos de tumores observados e possuem grandes chances de recidivar e causar metástases, mesmo após sua retirada cirúrgica. Uma das causas de recidivas e formação de metástases é a angiogênese tumoral. A neovascularização pode ser causada por vários fatores de crescimento, tais como, a PGE2. Neste contexto, o uso de antiinflamatórios, como o piroxicam, pode diminuir as recidivas e as metástases. A mastectomia é a terapêutica de escolha para os tumores mamários caninos, contudo, pode ocorrer recidiva em 50% dos animais. O presente trabalho terá por objetivo avaliar a eficácia da terapêutica com o antiinflamatório piroxicam como adjuvante à mastectomia unilateral. Para tal, serão utilizadas 20 cadelas portadoras de neoplasias macroscópicas e sólidas em uma das cadeias mamárias, independentemente de quantas e quais sejam as mamas acometidas pelo tumor, sendo distribuídas em 2 grupos: G1 - constituído por animais que serão submetidos à mastectomia unilateral e à terapia com o piroxicam, e G2 – formado por animais que serão submetidos exclusivamente à mastectomia unilateral. Dados da história clínica e do exame físico serão coletados durante o exame dos animais, assim como será realizado estudo radiográfico do tórax para a avaliação de metástases. Os animais com tumores serão estadiados de acordo com a classificação Tumor-Nodo-Metástase (TNM). As cadelas do grupo 1 (G1) receberão 0,3 mg/kg de piroxicam por via oral, uma vez ao dia, por duas semanas antes do tratamento e por mais duas semanas após a retirada cirúrgica do mesmo. Os tumores serão identificados previamente à cirurgia mediante biópsia com agulha fina e, após a ressecção cirúrgica, serão colhidos fragmentos do tumor para avaliação histopatológica e classificação do tumor. Os animais serão acompanhados durante um período de 6 meses quanto ao aparecimento de recidivas e metástases, sendo submetidos a uma radiografia ao final deste período.

 

Quantificação da atividade proliferativa pelo método de AgNor como parâmetro de avaliação do comportamento biológico de tumores mamários de cadelas submetidas à mastectomia unilateral gradual (2 etapas)

Coordenador: Profa. Dra. Silvia Regina Kleeb
Aluna bolsista: Amanda Juliani Sacaramboni
Início: agosto/2008
Duração prevista até julho/2009
As neoplasias mamárias são os processos oncológicos de maior incidência em cães. Embora os dados de literatura sejam controversos, o percentual de neoplasias mamárias malignas é elevado, predominando os carcinomas, sendo freqüente a metastatização para linfonodos e pulmões. A abordagem cirúrgica dessas formações ainda tem sido o método terapêutico de eleição, porém existem controversias sobre qual a técnica mais apropriada, que forneça melhores resultados e menor risco ao animal. Neste estudo propõe-se a pesquisa da atividade proliferativa em amostras citológicas de formações mamárias de cadelas submetidas à mastectomia unilateral gradual em duas etapas. Através do método citoquímico, AgNOR, serão quantificadas as regiões organizadoras nucleolares argirofílicas nas células neoplásicas previamente aos procedimentos cirúrgicos, averiguando-se a possível influëncia da mastectomia unilateral sobre o comportamento biológico da neoplasia contralateral. Tal informação é potencialmente relevante para o planejamento da estratégia terapëutica a ser implementada.

 

Cell block" de agarose como método complementar na citologia de tumorações mamárias de cães

Coordenador: Prof. Dr. José Guilherme Xavier
Aluno bolsista: Diogo Souza Zanoni
Início: 08/2008
Duração prevista até julho/2009
As neoplasias mamárias são os processos oncológicos de maior incidência em cães. Embora os dados de literatura sejam controversos, o percentual de neoplasias mamárias malignas é elevado, predominando os carcinomas, sendo freqüente a metastatização para linfonodos e pulmões. A elevada frequência e agressividade desses processos justifica a busca de métodos diagnósticos rápidos, de custo reduzido e menor invasividade visando uma abordagem cirúrgica e terapêutica adequada. Neste estudo propõe-se uma otimização no processamento de amostras citológicas de punções mamárias de formações mamárias de cães com a utilização do método de “cell block” de agarose em complemento aos esfregaços citológicos convencionais, buscando-se um incremento na sensibilidade do exame. A sensibilidade dos procedimentos será comparada, utilizando-se como parâmetro o diagnóstico histopatológico dos processos.

Comunicar erros

NILTON ABREU ZANCO - COORDENADOR
nilton-zanco.jpg
Veja o minicurrículo

 


Receba informações de oferecimento deste curso

 

Receba informações de oferecimento sobre esse curso:

X