Ir para o conteúdo.

.
Você está aqui: Página Inicial / JBCC / Folkcom de 2017- XVIII Conferência Brasileira de Folkcomunicação

Folkcom de 2017- XVIII Conferência Brasileira de Folkcomunicação

11/05/2017 17h16

Foto da Agência Fotec de Comunicação Experimental Multimídia

Vittória Cataldo 

Agência Fotec de Comunicação Experimental Multimídia

Desde 1998, a Conferência Brasileira de Folkcomunicação reúne pesquisadores, professores, estudantes, comunidades artística e jornalística, atores sociais ligados ao campo da cultura em torno da pesquisa das transformações da cultura popular e dos processos de comunicação nas manifestações populares, identificando os sistemas que as configuram enquanto espaços de crítica social, entretenimento cultural e de celebração cívica, além de analisar criticamente como a indústria midiática catalisa tais modos de pensar, sentir e agir dos grupos sociais e das comunidades.

Em sua décima oitava edição a Conferência Brasileira de Folkcomunicação teve como tema central, Folkcomunicação, Cidadania e Inclusão Social. O evento foi realizado na Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) e na Faculdade Integrada de Pernambuco (FACIPE), nos dias 02, 03, 04 e 05 de maio de 2017 na cidade de Recife, no estado de Pernambuco.

No primeiro do evento, 02 de maio, ocorreu a Assembleia da Rede Folkcom, ministrado pela professora Ms. Júlia Martins. O encontro apresentou propostas referentes às novas formas de estudos. Um exemplo mostrado foi o do professor José Marques de Melo, acerca do mapeamento das manifestações culturais e eruditas no estado de Alagoas.

No segundo dia de evento, 03 de maio durante a manhã, professores doutores de Pernambuco e de outros estados estiveram presente na composição da primeira Mesa-redonda do dia: “Folkcomunicação no contexto das rurbanidades”. Iury Parente, Lawrenberg Advíncula, Rita Alcântara e Osvaldo Trigueiro foram os integrantes da mesa na qual observaram como as redes de comunicação chegaram às pequenas comunidades no estado da Paraíba, investigando duas delas nos últimos 20 anos. Durante a tarde, houve a Cerimônia de Abertura da Conferência, seguida de uma mesa redonda que debateu temas relacionados à intolerância às diferenças e à mudança de linguagens, necessária para melhor acolher os que são esquecidos socioeconomicamente. 

O terceiro dia da Folkcom 2017, 04 maio, segue com a segunda Mesa-rodonda intitulada “Pensamento e Obra de Roberto Benjamin”. Benjamin foi referência no campo de pesquisa e na produção jornalística sobre a cultura popular. Mediada pelo Dr. Luis Custódio da Silva da UEPB, a fala inicial foi da Dra. Alice Amorim, da Fundação Joaquim Nabuco (FUNDAJ, que ressaltou a relação do jornalista Roberto Benjamin com as tradições e os festejos antigos, bem como a sua sensibilidade para compreender o conjunto.

“Cidadania e Inclusão Social” foi o tema da terceira mesa-redonda ainda no terceiro dia de evento, e contou com a participação da Dra. Maria José Oliveira como mediadora, e do palestrante Dr. Djalma Thüler (UFPE), o qual iniciou sua fala fazendo uma relação entre filosofia e linguagem, a fim de situar o público a respeito do seu papel político no meio social. Desconstruindo xingamentos como "idiota" e "burro", Thüler resgatou os conceitos originários do grego, como no caso de "idiotes", que significa "indivíduo privado". 

Também no dia 04, alunos de variados cursos das universidades Facipe, UFPE, UFRPE e UFJF se reuniram para a exposição de pôsteres com abordagens referentes às suas áreas de estudo ligadas ao tema da Folkcomunicação. A ideia era que cada exposição trouxesse temas que contribuíssem para a proposta de inclusão social e cidadania defendida este ano ao mesmo tempo que se relacionasse com os cursos como psicologia, letras, ciências sociais e jornalismo, gerando uma interação entre as diversas áreas do conhecimento.

O último dia de atividades da XVIII Conferência Brasileira de Folkcomunicação, 05 de abril, ocorreu a quarta Mesa-redonda intitulada "Cultura, Juventude e Cidadania no Contexto das Rurbanidades", com a professora Dra. Regina Glória (UERJ). Apresentando sua pesquisa feita no Centro Cultural Cartola, na Comunidade da Mangueira (RJ), a comunidade serve como laboratório para as pesquisas desenvolvidas pelo projeto, possibilitando uma aproximação da academia com a comunidade, uma vez que a mesma fica bem próxima a Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ). O centro tem por objetivo promover a inserção do indivíduo na sociedade através da cultura. Algumas fotos foram apresentadas mostrando ações desenvolvidas no projeto, que conta com pesquisas participativas externas, as quais colaboram com a comunidade.

Para mais informações do evento, acesse o site http://folkcom2017.redefolkcom.org/categorias/noticias/

Comunicar erros