Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Ferramentas Pessoais

Navegação

Você está aqui: Página Inicial / JBCC / Estado de SP autoriza retorno das aulas presencias no ensino superior em cidades na fase amarela

Estado de SP autoriza retorno das aulas presencias no ensino superior em cidades na fase amarela

As instituições deverão respeitar o limite de apenas 35% dos alunos matriculados por sala

14/07/2020 00h25 - última modificação 10/08/2020 21h25

Por - Daniel Valenciano Gimenes, estudante de jornalismo na Universidade Metodista de São Paulo e estagiário da cátedra UNESCO

O governo de São Paulo anunciou nesta segunda-feira (13) que as universidades, escolas técnicas na área da saúde, cursos de idiomas e os cursos livres, como dança, informática e música, podem retomar as aulas práticas presenciais em cidades que se mantiverem por 14 dias consecutivos na fase amarela do Plano São Paulo, como é o caso da capital paulista.

As aulas teóricas deverão continuar a distância, enquanto as práticas, presenciais, deverão operar com apenas 35% da capacidade de alunos matriculados. Além do limite de capacidade, os cursos deverão adotar medidas do protocolo de educação, como o uso obrigatório de máscaras e o distanciamento de um metro e meio entre alunos e professores.

Em apresentação feita pelo secretário da educação do estado de São Paulo, Rossieli Soares, o Plano São Paulo destaca que os cursos da saúde têm prioridade na retomada de aulas presenciais, pois são essenciais no enfrentamento da pandemia da Covid-19 e não podem ter sua formação substituída plenamente pelo modelo de ensino a distância (EAD).

O secretário informou que devem ser priorizados os alunos mais próximos da graduação, pois impedir estes alunos de terminarem a graduação nos cursos da saúde causaria um hiato de profissionais chegando ao mercado de trabalho. Rossieli ainda ressaltou a importância do estágio supervisionado na formação de um médico.

O estado de São Paulo, atualmente, possui apenas sete regiões na fase amarela: a capital, a Baixada Santista, as cidades das sub-regiões metropolitanas (leste, sudeste, oeste e sudoeste) e a região de Registro. Rossieli explicou que a Baixada Santista precisa permanecer duas semanas nesta condição para poder retomar as aulas presencias.

Comunicar erros