Ir para o conteúdo.

Ferramentas Pessoais

Facebook da Metodista Youtube da Metodista Twitter da Metodista Linkendin da Metodista
Você está aqui: Página Inicial / Sala de Imprensa / clipping_digital / Notícias / Julho / Dia 21 de Julho / Estudo mostra que índice de leitura dos brasileiros cresceu e escola é maior responsável

Estudo mostra que índice de leitura dos brasileiros cresceu e escola é maior responsável

18/07/2008

21/07/2008 09h05 - última modificação 21/07/2008 09h05

Levantamento indica aumento dos índices de leitura dos brasileiros acima dos 15 anos e ratifica que o espaço escolar é o que mais induz ao universo letrado

É verdade que a metodologia mudou e que há quem desconfie dos números. Mesmo assim, os resultados da segunda edição dos "Retratos da Leitura no Brasil", pesquisa feita pelo Ibope Inteligência para o Instituto Pró-Livro, mostram alguns números alentadores e direções inequívocas para as políticas de leitura no Brasil.

A melhor notícia é o aparente aumento do índice médio de leitura dos brasileiros com mais de 15 anos e pelo menos três anos de escolaridade, que dobrou em sete anos: de 1,8 para 3,7 livros per capita anuais. Aparente porque esse nicho é o único que permite algum tipo de comparação com a primeira edição da pesquisa, realizada em 2000/2001. Naquela oportunidade, foram ouvidas pessoas, em 44 municípios e 19 Estados, que, em projeção, representavam os hábitos de 86 milhões de brasileiros, ou 49% da população total do país então.

O levantamento divulgado no mês passado é o de maior amplitude já realizado no Brasil e pode significar uma mudança de universo entre os pesquisados nessa faixa etária. Foram ouvidas 5.012 pessoas de 311 municípios e 27 Estados, projetando os hábitos de 172,7 milhões de brasileiros, 92,3% da população nacional. Nesses moldes, a pesquisa deve tornar-se ponto de partida de uma série histórica.

Com a nova metodologia, que investiga a população a partir de cinco anos, alfabetizada ou não, o número projetado de pessoas que se declaram leitoras equivale a 95,6 milhões - 55% da população estudada.  O estudo aponta que o brasileiro lê, em média, 4,7 livros por ano, tendo como critério de sujeito-leitor aquele que declarou ter lido pelo menos um livro nos três meses anteriores à pesquisa. A leitura de livros indicados pela escola chega a 3,4 livros per capita.

- Prós e contras
Os estudantes puxam para cima a média nacional, com um índice quase duas vezes maior que aqueles que estão fora da escola (1,3). A média sobe entre os que possuem formação superior (8,3 livros/ano) e é de 4,5 livros para quem tem ensino médio completo, 5 entre os que cursaram entre 5ª e 8ª série do ensino fundamental e 3,7 para quem tem até a 4ª série. É a confirmação do óbvio: a indissociável relação entre leitura e educação, numa lógica em que a valorização da leitura avança quanto maior é a escolaridade. E, mais do que isso: avaliza as políticas que apostam na superexposição do livro no ambiente escolar.

"O que fica claro é o papel da escola como instrumento mais democrático de acesso ao livro", diz Elizabeth Serra, da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil, para quem os indicadores expressam as primeiras respostas às políticas de incentivo à leitura, instituídas a partir dos anos 90. É essa também a conclusão do Instituto Pró-Livro e a análise da própria coordenação da pesquisa.

"Quando o Estado faz a sua parte, os resultados aparecem", diz Galeno Amorim, coordenador do estudo. "A pesquisa mostra que o crescimento da leitura se deve basicamente aos 5 milhões de pessoas que passaram a compor o segmento com formação universitária, aos 12 milhões que, na última década, completaram pelo menos o ensino médio, além de programas como o Programa Nacional do Livro Didático para o Ensino Médio (Pnlem) e o Programa Nacional da Biblioteca Escolar (PNBE). Isso reflete uma política de Estado", completa.

Há quem enxergue com reservas os resultados. "A pesquisa é valiosa, mas tem limitações, porque traz inevitavelmente um viés atrelado ao mercado editorial. Não se pode dizer que apresente o retrato da realidade brasileira", desafia Luís Percival Lemes Britto, doutor em lingüística pela Unicamp e titular da Universidade de Sorocaba. Britto estranha os números apontados pela base comparativa. "Seria cauteloso ao afirmar, por exemplo, que a média de leitura dobrou. Será que em um intervalo de seis, sete anos tivemos uma transformação tão abrupta da realidade cultural brasileira? Não vejo o Inaf até agora mostrar esse panorama."

O fato é que alguns indicadores parecem mesmo carecer de um olhar mais aproximado, de estudos qualitativos que permitam compreender a intensidade e a densidade das informações apresentadas.

- Crianças e jovens lêem mais
O diagnóstico apresentado pela pesquisa "Retratos da Leitura no Brasil" mostra que os 56 milhões de estudantes são os mais ativos leitores da população brasileira. A análise por corte etário indica que 39% estão na faixa de 5 a 17 anos e outros 14% entre 18 e 24 anos. Enquanto a média nacional é de 4,7 livros por habitante, entre a população de 5 a 10 anos o índice sobe para 6,9. O público de 11 a 13 anos chega a ler 8,6 livros por ano e na faixa de 14 a 17 anos o número é de 6,6.

A ligação entre leitura e vida escolar é imediata. Na média consolidada, cada aluno lê 7,2 livros por ano - 5,5 didáticos ou indicados pela escola.  Espontaneamente, cada estudante não chega a ler dois livros por ano. Ficamos em 1,7. Na hora de escolher um livro, o tema é o fator mais importante, apontado por dois terços das crianças e adolescentes com menos de 15 anos.

A pesquisa também indica que quanto maior a escolaridade, maior o tempo dedicado à leitura. Na semana, o tempo é de 1,5 hora entre os estudantes até a 4ª série, 1,4 hora entre os alunos de 5ª a 8ª, 2,2 horas no ensino médio e 2,5 no superior. Para os livros indicados pela escola, a média de horas de leitura é, respectivamente, de 1,9; 2,3; 2,2 e 3,4 horas semanais.

Apesar da obrigatoriedade da leitura nas escolas, é alto o índice de estudantes que lêem com prazer: no Fundamental I, 38% ; de 5ª a 8ª, 33%; no ensino médio, 39%, chegando a 34% entre os que cursam o ensino superior.

Os mais jovens também introduzem novos hábitos de leitura. Enquanto mais de 90% dos adultos com mais de 40 anos preferem ler em locais silenciosos, 14% na faixa entre 5 e 10 anos declaram gostar de ler com a TV ligada, prática que se repete em 10% da população entre 11 e 13 anos. São os jovens os que mais costumam ler ouvindo música, principalmente na faixa de 14 a 17 anos. 

- O papel da escola
A pesquisa evidencia a importância da família e da escola na formação de leitores. Para 49%, a mãe é a principal incentivadora, superando o professor (33%). Entre as crianças de 5 a 10 anos, 73% citam as mães como maior fonte de estímulo. E, em que pese a importância da escola, identificada como palco privilegiado para a formação de leitores, o estudo também revela que a instituição falha em seu papel de promover o letramento para além das atividades escolares, pois a leitura despenca com a saída da escola.

- O nó da questão
"Os programas governamentais para formação do professor-leitor são insuficientes", reconhece a coordenação da pesquisa. "Os depoimentos de não-leitores apontam que os docentes liam muito pouco ou quase nada para eles", acrescenta Galeno Amorim.

Entre os 77 milhões de não-leitores, o equivalente a 45% da amostragem total, a maior parcela está entre os adultos: 30 a 39 anos (15%), 40 a 49 (15%), 50 a 59 (13%) e 60 a 69 (11%). Enquanto 29% dos entrevistados declararam ter sido a infância o período em que mais se dedicaram à leitura, em particular até os 10 anos de idade, é visível o distanciamento da leitura depois da fase escolar. 

"Seria importante um mutirão que, no curto prazo, ajudasse esses profissionais/educadores a descobrir a tal senha, e/ou se aperfeiçoassem como mediadores de leitura", propõe a consultora Maria Antonieta da Cunha, presidente da Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte.

Com uma formação cada vez mais afastada da leitura livresca, o educador brasileiro parece distante da figura que ronda o imaginário popular. Longe de ser o guardião de muitos saberes, a figura do professor conduz à visão de que ele próprio é, muitas vezes, um não-leitor, ainda que leia por obrigação em sua rotina.

"Se a leitura literária deveria ser um bem cultural a que todos deveriam ter acesso, mais ainda a ela deveriam ter acesso os professores, a quem cabe transmitir aos alunos esse bem", diz Magda Soares, da UFMG, especialista em letramento.  "Não se apropriaram desse bem cultural por responsabilidade de sua formação na infância, na juventude - e agora não podem fazer outra coisa senão repetir o mesmo erro com seus alunos, criando um círculo vicioso difícil de romper", completa.  

O papel das bibliotecas também está na berlinda, ainda que o secretário-executivo do Ministério da Cultura, Juca Ferreira, enalteça as ações do governo e destaque que 67% dos pesquisados declaram conhecer alguma biblioteca. "Isso mostra que esse equipamento cultural não só é o mais bem distribuído entre os municípios do Brasil, como está cada vez mais perto da vida dos brasileiros."

No entanto, três entre cada quatro brasileiros não freqüentam bibliotecas públicas, hoje uma rede de 6 mil equipamentos, muitos deles precisando de recursos e de pessoal qualificado.

A falta de obrigatoriedade de biblioteca nas escolas do ensino fundamental é outro problema. "Passou da hora de o MEC criar um grande programa de bibliotecas escolares e estreitar os vínculos entre as bibliotecas escolares e as bibliotecas públicas municipais e comunitárias", propõe Amorim.


Fonte: UOL

X
Baixe aqui o aplicativo da Metodista

GRÁTIS - Na Store