Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / RPCOM / Sociedade & Meio Ambiente / O crescimento das OSCIPs no ambiente empresarial

O crescimento das OSCIPs no ambiente empresarial

Empresas apostam na criação de entidades sem fins lucrativos para um novo regime de parceria

29/10/2014 23h27

João Gonçalves
Tafnes Almeida

Vivemos numa época onde a sustentabilidade é pilar de empresas e governos. As pessoas estão cada vez mais engajadas em causas sociais, econômicas e ambientais. Com isso, cresce o apoio às Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIPs), nomenclatura dada pelo governo para as já conhecidas ONGs.

Acontece que essas organizações voltadas para a sustentabilidade têm chamado bastante atenção das grandes corporações e grupos empresariais, levando-as até a instituir OSCIPs, como é o caso da indústria química alemã BASF e da produtora nacional de celulose Suzano.

O Instituto Akatu, focado no consumo consciente, recebe apoio de diversas organizações de peso do setor privado como a Coca-Cola, Walmart, Unilever, Braskem, Santander, entre muitas outras.

Para Waverli Matarazzo, coordenadora do Núcleo de Sustentabilidade da UMESP, as empresas focam mais na redução dos impactos socioambientais enquanto as OSCIPs se somam a esses esforços. “Depende de como a empresa olha pra essa OSCIP. Acho que o papel importante da OSCIP seria refletir sobre formas sustentáveis e não paliativas”, afirma a coordenadora.

Waverli Matarazzo, coordenadora do Núcleo de Sustentabilidade da UMESPOs institutos têm maior independência do que fundações criadas por empresas e, com isso, conseguem ter uma atuação mais eficiente, como é o caso do Instituto Ethos cujos estudos servem de base para valores e práticas empresariais.

Meras ferramentas de marketing verde ou instituições idôneas, as OSCIPs transformaram-se em stakeholders e parceiras junto às grandes corporações. 

 

Comunicar erros