Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / RPCOM / Sociedade & Meio Ambiente / Abordagem da mídia sobre a redução das velocidades na capital

Abordagem da mídia sobre a redução das velocidades na capital

Mesmo com melhora no índice de acidentes ainda há críticas

20/11/2015 00h49

Danilo Paolini
Guilherme Piai

No dia 20 de julho a Prefeitura de São Paulo reduziu a velocidade das marginais do Tietê e do Pinheiros. A velocidade máxima nas duas marginais foi reduzida para 50 km/h. E a prefeitura ainda pretende fazer o mesmo com todas as outras ruas e avenidas da capital até dezembro.

Segundo a prefeitura, a medida foi tomada com o intuito de reduzir o número de acidentes fatais. Em contra partida, alguns órgãos públicos são contra. A Ordem dos Advogados do Brasil em São Paulo (OAB-SP), por exemplo, alega que deveriam ter sido tomadas outras medidas antes da redução, como uma reeducação dos motoristas. Já a WRI Brasil Cidades Sustentáveis, uma empresa que realiza pesquisas na área de sustentabilidade e mobilidade urbana, afirma que deveria ser feita uma fiscalização mais intensiva aos pedestres e motociclistas, já que o número de acidentes fatais é maior nesses dois grupos.

Os veículos midiáticos, em sua maioria, utilizam uma abordagem parecida e muitas vezes tendenciosa, pois apontam que as medidas foram tomadas sem os devidos estudos e relatórios. Entretanto a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) relata que já enviou todo o material necessário aos órgãos competentes. Nos últimos relatórios divulgados pela CET, o índice de acidentes fatais diminuiu cerca de 20% em comparação com o mesmo período de 2014.

De acordo com Roberto de Alcântara Silva, taxista há mais de 10 anos na capital paulista, “com a redução das velocidades dá pra sentir uma melhora no fluxo e uma diminuição no tempo das corridas, eu acho que melhorou muito”

Com relação à mídia, Roberto alega que “as notícias, na maioria das vezes, são manipuladas e acabam influenciando na opinião do povo, fazendo com que fique uma situação ruim.”

A mudança nas velocidades ainda é recente, ficando difícil concluir se de fato haverá uma melhora, tanto na redução do número de acidentes e vítimas fatais, quanto na aceitação da mídia com relação a isso.

Comunicar erros