Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / RPCOM / Sociedade & Meio Ambiente / A dança motivada pela inclusão social

A dança motivada pela inclusão social

A arte ajuda jovens a enfrentar suas limitações e contribuiu para uma melhor interação

23/09/2016 13h44

Legenda: Alunas do Projeto Pérolas em apresentação no Mercado Persa

Fernanda Cristine da Silva

Jessika Rangel Carnielli

Foto: Maria Carolina Soares Fraga (arquivo)

 

            A aceitação de pessoas com deficiências vem aumentando consideravelmente nestes últimos anos. Devido a isso, a educação por meio da arte vem proporcionando formas de inseri-los no ambiente social. Entretanto, mesmo com crescimento desses projetos voltados a inclusão, as empresas não as incluem em seus investimentos sociais.

            Em depoimento, a professora e coreógrafa de danças árabes, Nira Lucchesi, fala sobre as dificuldades enfrentadas para manter seu trabalho de inclusão, que realiza há dez anos com um grupo de bailarinas com Síndrome de Down, conhecido como Projeto Pérolas, e afirma: “No meu caso, o trabalho é voluntário e nunca consegui nenhum tipo de ajuda do governo, muito menos patrocínio de empresários”.

            Contudo, ela comenta que sente satisfação em ver suas alunas no palco, mostrando do que são capazes de fazer, além de se sentirem valorizadas e ajudarem suas famílias a nunca desistirem de qualquer projeto e acrescenta: “elas não se preocupam com corpo físico ou ego, a felicidade é estar em sala de aula aprendendo a dançar”.

            Para a aluna Maria Carolina Soares Fraga esse projeto ajudou a melhorar sua autoestima e ela demonstra isso ao dizer: “me sinto feliz, poderosa e completa dançando. Sou muito elogiada e fiquei mais divertida e alegre”. A jovem faz aulas de dança há dois anos e já se apresentou em vários lugares, como o Mercado Persa.

            A professora encerra a entrevista falando sobre o futuro da inclusão social no país, e aponta que: “é preciso que não só as pessoas fiquem comovidas ao ver um trabalho social, mas que o nosso governo divulgue e ajude as instituições com verbas”.

Esses são exemplos de como a arte da dança contribui para uma sociedade igualitária, livre de injustiça e com qualidade de vida.

 

 

 

 

Comunicar erros