Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / RPCOM / Mundo Corporativo / Edge Rank, o algoritmo numérico do Facebook que se tornou social

Edge Rank, o algoritmo numérico do Facebook que se tornou social

Facebook faz mudanças em seu algoritmo impactando fanpages

04/11/2016 21h50

Fellipe Russo,sócio da agência Tino Comunicação e proprietário do canal Acelera Negócios

Fernanda Cristine
Jéssika Rangel
Foto: arquivo pessoal

Recentemente, o Facebook realizou uma mudança em seu algoritmo, o Edge Rank, priorizando alguns conteúdos nas publicações das páginas ou Fan Page. Esse sistema operacional analisa o comportamento dos usuários e seus hábitos de interação com as postagens. Com isso, o algoritmo filtra as ações dos clientes na rede, como por exemplo, o numero de curtidas, comentários e compartilhamentos, e entrega aos seus internautas que se utilizam da ferramenta, as informações mais relevantes.

Fellipe Russo, 37 anos, formado em Publicidade e Propaganda, sócio da agência Tino Comunicação e proprietário do canal Acelera Negócios, fala de estratégias de Marketing Digital: “a tendência é só melhorar, ganhar mais recursos e ao mesmo tempo manter a intuitividade  da ferramenta.  O Facebook tem um banco de dados gigantesco e cada vez mais explorará isso para municiar agências, empresas e negócios com informações para entregar de forma mais assertiva possível os anúncios, sem contar a integração com o Instagram que abriu grandes possibilidades”.

Como em toda rede social, existem seus prós e contras na plataforma digital, sendo assim, o nosso entrevistado esclarece esses apontamentos, dizendo: “Ao meu ver o ponto positivo é que como usuários, vamos ter mais conteúdos de acordo com o que gostamos de ver, interagir, etc. Privilegiando amigos e parentes, a rede torna-se mais íntima também. Já os pontos negativos ficam para as marcas e agências que precisam rever suas estratégias de conteúdo em busca de maior engajamento orgânico e de certa forma criando estratégias bem estruturadas de mídia em Facebook Ads, para tentar atrair a atenção de fãs que não interagem mais com a página afim de traze-los de volta para a interação, aumentando dessa forma o engajamento”.

Sobre os profissionais que trabalham com Social Media, ele ressalta: “Acredito que ainda é uma área a crescer muito no Brasil. Principalmente e qualidade de conteúdo. Muitos profissionais ainda não entenderam que social media não é apenas um postador e sim uma engrenagem inteligente que gera conteúdo de qualidade, analisa, entende e melhora a performance”.

 “Eu sou fã de redes sociais como usuário. Acho um excelente negócio para empresas e plataformas sensacionais para agências (e empresas) criarem estratégias de geração de conteúdo, interação e vendas, seja de produto ou serviços. Entretanto, ressalto que cada rede social tem sua missão em termos de negócio e muda de regras constantemente. Essas mudanças de regras sem avisos podem afetar ou não o desempenho de negócios”, conclui Fellipe.

 

Comunicar erros