Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / RPCOM / Mundo Corporativo / As dificuldades para se formar um Jovem Aprendiz

As dificuldades para se formar um Jovem Aprendiz

Futuro depende de oportunidade e força de vontade, basta acreditar!

28/10/2016 22h48

Jovens Aprendizes da Casa Lions de Adolescentes de Santo André

Ariel Diego Silva
Jeniffer Menezes
Foto: arquivo pessoal

A nova geração está se configurando como herdeira das intempéries sociais e das suas incontáveis contradições. Há fagulhas de esperança no coração desses jovens que agem como agentes revolucionários, podendo sacar o ‘s’ da crise, e convertê-la em fonte de inspiração e de oportunidade (crie) para a realização de sonhos.

O Projeto Jovem Aprendiz é uma das idealizações que contribuem para que os jovens tenham a oportunidade de se preparar e ingressar no mercado de trabalho. O principal objetivo desse Projeto é defender e garantir os direitos dos adolescentes e jovens, que se encontram em situação de vulnerabilidade e/ou risco social, proporcionando a integração ao mercado de trabalho e o desenvolvimento humano e social, na perspectiva de sua proteção, autonomia, dignidade, segurança e cidadania.

Para ingressar e fazer parte desse projeto, os jovens precisam atender a algumas exigências, como:

- Ter entre 14 e 24 anos;

- Ser de família beneficiária de programas de transferência de renda;

- Ser de família com precário acesso à renda e aos serviços públicos;

- Estar em situação de violência, isolamento e/ou negligência;

- Estar em situação de trabalho infanto-juvenil;

- Matriculado (a) no ensino regular.

Para que o jovem passe a ter seu primeiro emprego eles são submetidos a uma entrevista de emprego nas empresas parceiras. Aprovado, ingressa na instituição e garante seus direitos trabalhistas. Lembrando que se o jovem for competente e mostrar o seu diferencial, pode ser efetivado e ingressar como funcionário nas empresas parceiras como COOP – Cooperativa de Consumo, Rede D’or (Hospital Brasil e Assunção) e Pirelli.

O contrato de 11 meses prevê uma jornada de 1280 horas, sendo 880 praticas (na empresa) e 400 teóricas. As 120 horas iniciais são cumpridas na instituição no primeiro mês, onde o aprendiz recebe preparação para facilitar seu ingresso no mercado de trabalho.

Durante o período que estão na Instituição são oferecidas oficinas de Ética e Cidadania, Inclusão Digital, Raciocínio Lógico, Educação Financeira, Comunicação Oral e Escrita, Mundo do Trabalho, Orientação Emocional, Desafios da Adolescência e Teatro.

 Essas oficinas, são desenvolvidas por 5 profissionais das áreas de humanas e exatas (pedagogia, letras, serviço social, psicologia e matemática) e contam com mais 22 funcionários que dão suporte a toda estrutura, como administração, limpeza, cozinha, entre outros. Após esse período o jovem inicia suas atividades práticas, cumprindo uma jornada de 6 horas diárias, sendo 4 dias da semana na empresa e 1 dia na instituição.

                   A visão de um novo caminho é a esperança desses jovens, muitas vezes inseridos em uma triste realidade. Acreditar no futuro pode ser a única alternativa, mas não basta só acreditar, devemos arregaçar as mangas e colocar a mão na massa para que esse futuro torne-se realidade.

 

Comunicar erros