Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / RPCOM / Carreiras e Tendências / Os benefícios do intercâmbio na carreira profissional

Os benefícios do intercâmbio na carreira profissional

Ele permite encontrar oportunidades de especialização e chances de se destacar no mercado

25/09/2015 00h56

Maria Luciana é intercambista em Vancouver, no Canadá. Foto: arquivo pessoal

Daniele França
Lorraine Camara

Buscar experiências com novas culturas ao redor do mundo têm se tornado uma tendência cada vez mais forte na realidade de muitas pessoas que querem expandir seus horizontes e aumentar suas oportunidades no mercado de trabalho. Para atender a essa demanda, hoje em dia existem diversas agências especializadas em intercâmbio que proporcionam todas as facilidades para que o estudante possa viajar sem se preocupar no quesito escola, estadia e até mesmo, com os documentos necessários para sair do país, como o visto e o passaporte.

O fato é que fazer um intercâmbio tem alavancado a carreira de muitos profissionais, como é o caso de Maria Luciana Souza, de 37 anos. Formada em Direito, deu uma pausa na sua vida profissional no Brasil para se jogar como intercambista em Vancouver, no Canadá. “E foi assim, absolutamente engajada no dia a dia da comunidade, que recebi um convite para ser trainee em um escritório de advocacia do meu Distrito, e dessa maneira absolutamente inesperada hoje sou voluntária numa Law Firm em British Columbia e sou brindada com a oportunidade de conhecer uma outra face do Direito e da aplicação das leis, já  estive até na Suprema Corte e postei que me senti numa daquelas séries temáticas (Law & Order)”, conta a estudante.

Além do up na profissão, um intercâmbio agrega uma série de benefícios como amadurecimento, senso de responsabilidade, saber entender e aceitar novos hábitos e culturas, interagir com os mais variados tipos de pessoas e como se portar em situações até então atípicas, como nos conta a advogada Maria Luciana: “Intercâmbio é muito mais que uma experiência acadêmica ou idiomática, é lançar-se em salto livre nessa odisseia louca que chamamos vida, talvez alguns, na minha idade achem que é tarde, outros, mais jovens, talvez não aproveitem tanto as dores e delícias de estar fora da zona de conforto!”.

E quando se trata da diferença entre viajar para outros países ou investir em um intercâmbio, nossa entrevistada é a primeira a defender a ideia. “Muitos podem pensar: Ah, eu viajo bastante, que benefício o intercâmbio pode me trazer? Humildemente eu respondo: todos os que contabilizarem e os que não! Enquanto turista é substantivo, intercambista é adjetivo, e eu acho que não por acaso, afinal, são experiências absolutamente distintas. Enquanto como turista você explora o comercial, como intercambista você explora os hábitos, a cultura, a comunidade, os ideais daquele povo... Você leva consigo uma parte indelével daquela nação, e não há dinheiro que compre isso!”.

As experiências adquiridas por Maria Luciana durante seu intercâmbio no Canadá serão um diferencial no tão competitivo mercado de trabalho brasileiro. A maioria das organizações nitidamente dão preferência ao candidato que tenha vivências internacionais até porque estão sempre à procura de profissionais que se aproximem de um native speaker, ou seja, que dominem o idioma com muita fluência.

Comunicar erros