Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / RPCOM / Carreiras e Tendências / O papel das mídias sociais como ferramentas de marketing

O papel das mídias sociais como ferramentas de marketing

Elas mudaram a forma de relacionamento entre empresas e clientes

06/09/2017 23h00

Lana Cristina dos Santos, especialista em mídia e professora de comunicação na Universidade Metodista de São Paulo

Gabriel Felipe Couto
Thiago Alves Nunes
Foto: Gabriel Couto

 

Não é de hoje que as mídias sociais tornaram-se ferramentas estratégicas e importantes para diversos tipos de segmentos. Elas proporcionam oportunidades de contato direto do consumidor com a marca, fazendo com que as instituições tomem conhecimento de suas manifestações e expectativas.

 Com os avanços tecnológicos obtidos nos últimos tempos, as mídias sociais mudaram a forma de relacionamento de maneira rápida e as empresas tiveram que se adaptar a este tipo de necessidade para não estagnarem seus negócios. Um engajamento assertivo é um diferencial para qualquer organização que projete alcançar seus propósitos. Para que isso flua espontaneamente se faz necessário o uso das ferramentas de marketing digital, nas quais as mídias sociais estão inseridas, como Facebook, Youtube, Instagram, Twitter dentre outros.

 Para a especialista em mídia e professora de comunicação na Universidade Metodista de São Paulo, Lana Cristina dos Santos, “o que a gente percebe hoje é que o mundo está digital, então não tem como uma marca, empresa ou instituição não estar nas mídias sociais”.

 Para conquistar os públicos de interesse, é de suma importância oferecer bom conteúdo, fazendo com que os receptores destes materiais possam se sentir confortável e tenham interesse naquilo que se deseja passar.

 “Se você lida com pessoas, e depende que elas comprem sua marca, usem seus produtos, você deve falar com elas onde estiverem. Óbvio que algumas empresas vão falar mais e outras vão falar menos, mas o importante é saber fazer este relacionamento acontecer não somente nas mídias sociais, pois uma marca é bacana virtualmente, mas pessoalmente não, refletindo até mesmo este tipo de comportamento nas mídias”, afirma Lana Cristina.

  

Comunicar erros