Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / RPCOM / Carreiras e Tendências / Marketing de Guerrilha: Estratégias para se comunicar

Marketing de Guerrilha: Estratégias para se comunicar

Quando o conteúdo é interessante, a conversa é espontânea

25/09/2015 00h40 - última modificação 25/09/2015 00h42

Roberta Paixão, Sócia Fundadora da MSLGROUP Espalhe. Foto: arquivo pessoal

Asindayle Apangesy
Caroline Favero

Quando pensamos na palavra guerrilha logo vem em nossa mente pessoas fortemente armadas que adotam um esquema agressivo de luta. Agora imagine este espírito guerrilheiro adotado na área de marketing. Foi isso que especialistas da comunicação, cansados de publicidades monótonas, trouxeram para comunicar uma nova visão.

Mas afinal, o que é Marketing de Guerrilha? Esse tipo de marketing surgiu na década de 70, nos Estados Unidos, com a necessidade de novas técnicas publicitárias. Segundo Jay Conrad Levinson, pai do conceito guerrilheiro, é possível investir pouco dinheiro e ter ações inovadoras e impactantes. Existem diversas formas de fazer isso, como intervenções nas ruas, colocações de mídia, criação de espaço exclusivo para ações, etc.

Como tendência de mercado, o Marketing de Guerrilha proporciona a oportunidade de empresas pequenas otimizarem seus recursos escassos com resultados extravagantes. E ao mesmo tempo que uma campanha de guerrilha pode trazer resultados extraordinários, por se expor a mais riscos, pode também trazer resultados catastróficos, afastando o consumidor devido ao exagero de exposição. Pensando nisso, é necessária uma pesquisa equivalente ao meio que irá se movimentar e assim ter um resultado eficaz.

Segundo a comunicóloga especializada na área e sócia fundadora da agência MSLGroup Espalhe, Roberta Paixão, “Marketing de Guerrilha não é simplesmente fazer uma ação barata e sim ter criatividade de guerrilha na essência. A estratégia foi inspirada na guerra dos Estados Unidos com o Vietnã, onde com estratégias e pesquisa de campo, os vietnamitas venceram os americanos". A agência de Roberta nasceu em 2003 com a expertise do marketing de boca a boca.

Ela pontua também que com um bom conteúdo e uma boa história, se consegue chegar na excelência do Marketing de Guerrilha, e se cria uma empatia com o consumidor para entender a sua necessidade.

A agência tem sido uma referência nesta área. Roberta vê a volta dos contadores de histórias como uma estratégia em comunicação, bem como a atualização profissional de comunicólogos com o avanço da tecnologia.

Então, para entender o mercado atual, onde somos bombardeados por informações de maneiras convencionais, o marketing de guerrilha representa um rompimento na forma tradicional de como uma marca se comunica. Com esta intenção, quanto mais inesperada, quanto mais surpreendente for a ação de uma empresa, maior será a chance dela conquistar consumidores sem que eles se dispersem.

Os chamados “guerrilheiros do marketing” estão sempre criando novas estratégias para atrair o consumidor. Esse conceito permite “combater” dificuldades que grandes marcas encontram usando ações não convencionais e mídias alternativas.

Comunicar erros