Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / RPCOM / Carreiras e Tendências / Aulas particulares de inglês ganham maior espaço

Aulas particulares de inglês ganham maior espaço

Esse método de aprendizado traz facilidade e flexibilidade na vida das pessoas

31/08/2017 00h27

Vivian Almeida, 37 anos, leciona inglês desde 2009

Fernanda Duran
Leticia Antonialli
Foto: arquivo pessoal

 Não é novidade que as pessoas estejam se preocupando em aprender um segundo idioma, principalmente o inglês, por ser considerada uma língua universal. Porém, cada vez mais o método para realizar este aprendizado vem se inovando e novas tendências surgem neste segmento. Um exemplo disso são as aulas particulares, que vêm ganhando espaço por conta da facilidade e flexibilidade na sua forma de estudo.

São inúmeras as vantagens obtidas nas aulas particulares, que vão desde ter um ensinamento focado exclusivamente no aluno, com conteúdo adaptado às suas necessidades e em seu ritmo; ajudar alguém tímido a se sentir mais à vontade e a flexibilidade de aprender onde e quando quiser, em um ambiente mais informal e confortável. Além disso, ele também adquire um feedback com informações sobre o seu progresso e desempenho.

De acordo com a professora particular de inglês Vivian Almeida, de 37 anos, e que leciona desde 2009, a procura por esta forma de aprendizado aumentou devido a tendência, nos dias atuais, das pessoas buscarem melhores empregos e salários; ultrapassar barreiras profissionais e culturais ou até mesmo porque vão viajar (a negócios ou não) em poucos meses.

A faixa etária do público para este segmento pode variar dependendo da razão da procura, tendo desde jovens até adultos, geralmente executivos. “A diferença é que os adultos precisam e desejam muito aprender, mas por causa da rotina atribulada, não conseguem dedicar-se diariamente como o recomendado. Os adolescentes têm facilidade em absorver o conteúdo proposto, principalmente por causa da idade e por não terem que trabalhar, mas muitas vezes, não estão interessados”, conta Vivian.

Comunicar erros