Ir para o conteúdo.

Ferramentas Pessoais

Facebook da Metodista Twitter da Metodista Youtube da Metodista Vimeo da Metodista Youtube da Metodista Linkendin da Metodista
Você está aqui: Página Inicial / Pastoral / Reflexões da Pastoral / Passado e presente na história das mulheres

Passado e presente na história das mulheres

"Não importa o que o passado fez de mim. Importa é o que farei com que o passado fez de mim". - Jean-Paul Sartre

O dia 8 de março é lembrado pela luta das mulheres em defesa de seus direitos. Sabemos que o evento ocorrido no dia 8 de março de 1857 foi terrível e não deveria trazer nenhuma lembrança agradável para qualquer ser humano, mulher ou homem. Entretanto não se trata de celebrar este dia e nem de dar parabéns à mulheres, mas abraçá-las por suas conquistas e sua contribuição efetiva na construção de uma nova sociedade.

Ouvi esta semana uma frase que tornou-se sabedoria popular e já não é possível recorrer à sua autoria: “As mulheres fazem lares e os homens fazem guerra”. Esta constatação enfatiza o quanto a presença feminina no mundo público do trabalho e da política é importante. As mulheres esforçam-se por construir e preservar os ambientes. Sim, não é para negar: as mulheres carregam consigo o Dom do cuidado e ele é essencial para a humanidade. Não significa que sejamos as responsáveis solitárias pelo trabalho de cuidar, mas que o nosso pensamento se detém neste aspecto e nesta necessidade para a vida humana. Leonardo Boff afirma em seu livro “Saber cuidar” que se o ser humano não der valor para a dimensão do cuidado com todas as coisas, ele será o seu próprio algoz e responsável pelo seu fim; e diz a ainda que a presença da mulher nas esferas públicas será o grande diferencial para termos vida na terra por mais ou menos tempo.

Gosto de pensar que a mulheres excluídas do espaço público por tantos séculos, confinadas dentro das casas e incumbidas exclusivamente do cuidado com os filhos e limpeza das casas podem fazer muito com o que foi feito delas. A frase de Sartre nos diz exatamente isto: importa o que faremos com o que fizeram de nós.

Há uma história na Bíblia que narra a vida de Ester – rainha da Pérsia. Esta moça foi criada por seu tio, depois da morte de seus pais. Fazia parte do povo judeu e vivia a experiência de ter sido tirada de sua terra e viver em terra estrangeira. No reino da Pérsia a mulher não tinha valor nenhum como pessoa aos olhos do rei e dos seus súditos. Ester foi elevada ao trono para substituir Vasti, antiga rainha, que foi punida com rigor por não atender a um chamado do rei, desobedecendo suas ordens.

Apesar de todas as circunstâncias adversas na vida de Ester e de sua família, da realidade em que vivia e dos desafios de estar ao lado de um rei que a escolheu apenas por sua beleza, ela adquiriu papel central nesta história do povo judeu, como heroína e libertadora. Os judeus foram ameaçados de morte e envolvidos numa intriga promovida por Hamã, principal dos príncipes do rei Assuero, que queria vê-los inclinados e prostrados diante dele. Ester interveio junto ao rei e garantiu que a intriga fosse esclarecida. Sua ousadia fez diferença, pois deixando toda experiência negativa de sua trajetória de lado, ela se colocou como forte e guerreira.

O final da história é a vitória comemorada com uma grande festa, tradicional ainda hoje entre os judeus, chamada Purin – ou dia de sorte.

Na história de Ester e de tantas outras mulheres fortes na Bíblia, podemos tirar uma lição: não adianta ficar reclamando do que fizeram de nós, nem mesmo do que a vida proporcionou ou condicionou a cada uma e cada um de nós; importa é saber que no lugar onde estamos podemos fazer diferença. Ou ainda como dizia Sartre: Eu posso não ser responsável pelo que fizeram de mim, mas sou responsável pelo que eu faço com aquilo que fizeram de mim.

Na força de Deus que nos move em defesa da vida estamos aqui e celebramos as lutas, as conquistas e possibilidade de decidir com autonomia que as mulheres vêm alcançando ao longo dos anos. Que a Bênção de Deus nos acompanhe em nossas trajetórias hoje e sempre.

Revda Elena Alves Silva

ATENDIMENTO

Campus Rudge Ramos -  Edifício Sigma, Sala 205

Telefone – 4366-5534

Atendimento:
Segunda a sexta-feira, das 7h30 às 22h00 



Campus Planalto – Edifício A, Sala 316
Telefone: 4366-5339

Atendimento:

- Segunda-feira, das 19h às 21h30
- Quarta-feira, das 8h às 21h30
- Quinta-feira, das 8h às 11h30



Campus Vergueiro -  Edifício A, sala 150
Telefone: 4366-5403

Atendimento:

- Segunda-feira, das 8h as 12h
- Terça-feira, das 8h às 12h
- Quarta-feira, das 8h às 22h
Quinta-feira, das 7h30 às 17h30
- Sexta-feira, das 13h às 17h30



Colégio Metodista SBC
Telefone: 4366-5796

Atendimento:

- Segunda a quinta-feira, das 8h às 17h30
- Sexta-feira, das 8h às 12h

X
Baixe aqui o aplicativo da Metodista

GRÁTIS - Na Store