Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Notícias / Notícias / Existência humana perde sentido sem educação, defende professor Antônio Severino

Existência humana perde sentido sem educação, defende professor Antônio Severino

Palestrante na aula magna das Licenciaturas, ele criticou quem acha desnecessários professores e escola

18/02/2016 19h13

Especialista em filosofia da educação diz que é o professor quem humaniza o processo educacional (Fotos Malu Marcoccia)

O homem avança em relação aos demais seres vivos pelo esforço de se manter, reproduzir e prolongar a existência com base em experiências subjetivas, que dão forma à sua convivência social e consciência cultural – esta última entendida como a memória que traça a história. Isso não é um processo espontâneo nem mecânico, não é mera seleção natural da sobrevivência dos mais aptos estabelecida pela Teoria da Evolução. Trata-se da intervenção humana na natureza que marca a dinâmica do nascer, crescer e nos transformarmos biológica e socialmente.

“O sentido da educação se encontra exatamente no cuidado da vida humana”, afirma o professor especialista em filosofia da educação Antônio Joaquim Severino, que refletiu sobre o questionamento do papel da escola e do professor nos dias atuais, durante aula magna das Licenciaturas da Universidade Metodista na noite de 17 de fevereiro.

Com o tema “Da razão de ser da função docente num mundo em transformação”, professor Severino defendeu a educação “olho no olho, mente na mente”, sublinhando que a desvalorização do magistério causa prejuízo cultural e civilizatório incalculável. Segundo ele, contribui para que a própria existência humana perca sentido quem acha desnecessária a educação institucionalizada, cuja principal função é seu projeto humanizador. Atualmente têm surgido movimentos segundo os quais todo conhecimento pode ser obtido na internet.

“A educação é uma mediação para implementar o projeto humano, que não encontra nada parecido em outras espécies vivas. E o professor é outro mediador imprescindível, porque é ele que humaniza esse processo. Não basta passar habilidades técnicas, mas formar cidadãos humanizados. Nossas ferramentas são os conceitos e os valores, muito mais importantes do que qualquer outro conteúdo”, discorreu, dizendo-se crítico do uso da tecnologia na educação quando transformada em ferramenta central, quando os recursos multimídia deveriam ser apenas suporte.

Trem em movimento     

LicenciaturasAulaMagna20161.jpg
Prof. Severino respondeu às perguntas de alunos presenciais e EAD

Sempre recorrendo à antropologia, ou seja, à evolução material, cultural e filosófica do homem para justificar o caráter indispensável da educação, o palestrante lembrou que em vários momentos da história escola e professores foram contestados. Citou entre os exemplos o Marques de Sade, aristocrata francês no período da queda da monarquia no século 18 e escritor considerado libertino devido às obras e ideias contra a moral pregada pela religião e sistema político.

Mais recentemente, no início do século 20, com o advento da escola nova, as críticas se concentraram ao modelo de ensino e não à educação em si. Isso porque o modelo escolástico baseado nos jesuítas e na teologia cristã desconsiderava, segundo críticos da época, a realidade humana. Foi no final do século 21, com o crescimento dos recursos tecnológicos, que surgiram ressalvas sobre a intervenção pedagógica no restrito ambiente da escola. Segundo essas correntes, a escola teria deixado de ser o ponto de irradiação de informações e conhecimentos, encontrados em qualquer ferramenta de busca na internet.

“O sentido é a tarefa do educador. Seu papel é o compartilhamento desses sentidos, é fazer a impregnação cultural de todos os indivíduos. É como um trem em movimento: a educação possibilita que cada nova geração suba nesse trem e seja participante da história”, falou professor Severino em metáforas. Segundo ele, não há razão para descartar a escola, mas sim para melhor qualificá-la. “Só agora, 500 anos depois, o Brasil elabora um Plano Nacional de Educação”, lamentou.

A aula magna reuniu alunos ingressantes e veteranos das licenciaturas presenciais e EAD de Ciências Biológicas, Filosofia, Matemática e Pedagogia. Após a palestra, transmitida ao vivo para todos os polos a distância, houve momento de interação com perguntas de alunos. Antônio Joaquim Severino é aposentado como professor de Filosofia da Educação na Faculdade de Educação da USP, na categoria de Professor Titular. Licenciou-se em Filosofia na Universidade Católica de Louvain, Bélgica, em 1964. Atualmente trabalha junto ao Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Nove de Julho, em São Paulo.

Esta matéria foi publicada no Jornal da Metodista.
Conheça Outras.

Comunicar erros


Leia mais notícias sobre: , , , , , , , , ,
Portlet de conteudo estático
Portlet de conteudo estático
Portlet de conteudo estático
Portlet de conteudo estático