Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Notícias / 2013 / Outubro / Grupo de Apoio ao Animal Carente é formado por alunas de Medicina Veterinária da Metodista

Grupo de Apoio ao Animal Carente é formado por alunas de Medicina Veterinária da Metodista

15/10/2013 21h08

Atendimentos do último mutirão realizado pelo GAAC. Foto: Edilson Esparca

Por meio de mutirões, bingos beneficientes e "Sacolinhas Pet Feliz", o grupo ajudar a trazer uma vida melhor para nossos amigos de quatro patas

Vontade de cuidar dos animais necessitados e protegê-los. Foi isso que
motivou Maria Beatriz Christianini a criar o GAAC – Grupo de Apoio ao Animal Carente. Fundado em 12 de junho de 2012, o grupo sem fins lucrativos tem como objetivo ajudar animais em condições precárias, desde
os cuidados básicos, primeiros socorros, até a encontrar um lar para eles.

Beatriz tem 44 anos, é formada em letras e atualmente está cursando o 2° ano de Medicina Veterinária na Metodista, curso que ela decidiu fazer só para poder ajudar os animais: “O que me levou a ter essa iniciativa foi uma situação em que eu vi um senhor chegar a um consultório com seu cachorro doente e sair dali chorando, pois não tinha dinheiro para pagar a consulta e não foi atendido”, conta.

O grupo tem hoje cerca de trinta membros e cada um faz a doação de cinco reais por mês; esse dinheiro arrecadado é usado para comprar ração, remédios e utensílios para cuidado com animais. Além disso, o grupo mantém como atividade fixa o projeto da “Sacolinha Pet Feliz” e eventualmente bingos, gerados para arrecadação de dinheiro. Além disso, Beatriz conta com a ajuda das colegas de curso para manter o GAAC: Bianca Renata Lopes, que coordena os mutirões, Danielle Urenha, que cuida da organização, Juliana Agostini, que cuida de eventos, Lígia Piloto, que cuida do Marketing e Anna Carolina Rosa, secretária do grupo.

Entre as ações fixas, estão os mutirões, que acontecem sempre um domingo por mês, quando a equipe do GAAC visita um local com cães e gatos carentes (geralmente em casas de pessoas que têm muitos animais, mas não têm condição de cuidar) e levam ração, remédios, vermífugos, material para limpeza e assepsia dos animais e além de examinar, dar banho e vermifugar, fazem a ficha com o nome do animal para ter o controle do que foi feito, até mesmo para quando ali retornarem, após alguns meses. Durante o mutirão, caso detectem que algum animal tem um problema mais grave, encaminham para um médico veterinário formado que possa cuidar do caso.

Os mutirões, além de serem excelentes para auxiliar os cães e gatos que não têm condições de serem mantidos por seus donos, são também uma boa oportunidade para os alunos que deles participam. “É um jeito de aprender”, comenta Lígia, que está no segundo ano da Universidade. “Aqui, a gente coloca em prática tudo o que aprende no curso.”

O coordenador de Medicina Veterinária, professor Nilton Abreu Zanco, apóia o projeto e completa: “Essa iniciativa é extremamente importante porque, além de trabalharem aspectos sociais, também convivem com um problema que afeta diretamente o médico-veterinário e isso contribui para a formação delas.”

Além do próprio professor Nilton, a Metodista também apóia esse projeto; a cada seis mutirões, os alunos recebem certificado de atividade complementar e é entregue um relatório contando da experiência e do aprendizado adquirido nos mutirões. “Apoiamos na divulgação junto aos alunos do curso, permitindo a arrecadação de rações e outros produtos da linha pet (para isso mantemos um ponto de
coleta permanente no Hospital Veterinário
da Metodista - Hovet) e quando necessários liberamos alguns procedimentos no próprio Hovet”, acrescenta o professor.

Beatriz conta que, apesar de ainda estarem começando e não terem muitos membros doadores, o grupo vem ajudando muitos bichinhos e proporciona, a todos que participam, experiências maravilhosas: “O retorno que nós temos é muito gratificante. Mesmo que um dia esse grupo seja apenas de duas pessoas, cinco pessoas, ele continuará... é muito bom poder ter esse relacionamento com os cães e gatos.”

Participe

Não precisa estar cursando Medicina Veterinária para participar do GAAC. Os membros podem contribuir de diversas maneiras: além da doa ção mensal de R$ 5 e participação nos mutirões, o grupo recebe doação de ração, remédios e utensílios para cães e gatos. Saiba mais e participe: gaacabc.wix.com/gaacabc

Comunicar erros


Portlet de conteudo estático
Portlet de conteudo estático
Portlet de conteudo estático
Portlet de conteudo estático