Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Notícias / 2012 / Outubro / Iniciativas levam cultura para dentro das favelas

Iniciativas levam cultura para dentro das favelas

15/10/2012

13/11/2012 16h29

Biblioteca comunitária, jornais e divulgação de músicos e poetas valorizam manifestaçõesartísticas dos moradores de comunidades em Minas Gerais e no Rio de Janeiro

 

É comum a associação de favelas a notícias sobre o crescimento da desigualdade social e ao tráfico de drogas, criando um estigma pejorativo entre os moradores, como se a comunidade inteira vivesse em função desse tipo de atividade. Felizmente, existem centenas de iniciativas que inserem a população em ações educativas e culturais.

Um exemplo é a proposta da ONG “Favela é Isso Aí”, que começou em 2004, com uma pesquisa da antropóloga Clarice Libânio. Em seu estudo, Clarice produziu um guia cultural das vilas e favelas de Belo Horizonte, onde cadastrou 740 grupos culturais nas comunidades da capital mineira. “Mapeei cerca de 7 mil artistas atuantes nas áreas de música, dança, teatro, artes plásticas, literatura e de mais manifestações artísticas”, conta. Segundo a antropóloga, hoje a ONG já tem estúdio comunitário próprio, com nove CDs gravados. Além do projeto artístico, a ONG conta também com uma parceria com a Rádio Inconfidência, onde programas de rádio de 15 minutos são veiculados aos sábados à tarde, com músicas e poesias produzidas pelos moradores das favelas de Belo Horizonte. Outros projetos relacionados incluem o “Banco de Memória”, onde são feitas as pesquisas sociais e culturais; o “Vendo ou Troco”, que incentiva o desenvolvimento do comércio local; o “Prosa e Poesia no Morro”, que é a editora especializada em lançamentos de textos de moradores das comunidades; e o “Núcleo de Áudiovisual”, que elabora vídeos para os artistas assessorados pela entidade, promove oficinas de desenho animado e documentário para adolescentes.

Ainda em Belo Horizonte, uma biblioteca comunitária também está disponível aos moradores do Bairro Jardim Leblon. O Projeto Biblioteca Comunitária começou com uma cooperativa de catadores de lixo que separavam os livros que seriam descartados e os colocavam à disposição da comunidade. “O espaço nos ajuda muito porque é o único lugar em que adultos e crianças podem ter acesso a livros no bairro”, afirma Gláucia Malaquias da Cruz, responsável pelo local.

 

Agência de Notícias das Favelas

No Rio de Janeiro, outra iniciativa que também ajuda as comunidades carentes é a “ANF – Agência de Notícias das Favelas”, a primeira agência de notícias de favelas do mundo, que atua na divulgação de informações diárias das favelas no site (www.anf.org.br) e de trabalhos artísticos por meio da produção de um jornal impresso bimestral.

Para Mariana Koury, responsável pelo projeto, esse tipo de ação é importante para que haja a democratização da informação das favelas, que ganham voz própria, sem intermediários.

 

Gustavo Carneiro

Comunicar erros


Portlet de conteudo estático
Portlet de conteudo estático
Portlet de conteudo estático
Portlet de conteudo estático