Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Notícias / 2009 / Novembro / Eclesiocom 2009 aborda o noticiário sobre religião na mídia

Eclesiocom 2009 aborda o noticiário sobre religião na mídia

24/11/09

24/11/2009 17h48 - última modificação 24/11/2009 19h07

Crédito: Mônica Rodrigues

Igrejas na imprensa: o noticiário sobre religião em foco. Este foi o tema do Eclesiocom 2009 - Conferência Brasileira de Comunicação Eclesial, evento que visa reunir especialistas e apresentar pesquisas, estudos e relatos de práticas sobre estudos em Comunicação e Religião. O encontro, que está em sua 4ª edição, foi realizado no Campus Rudge Ramos da Universidade Metodista de São Paulo, nesta terça-feira, 24/11.

Na parte da manhã, foi realizado um painel, que contou com a presença de três importantes nomes da área: prof. dr. Fernando Altemeyer, da PUC-SP; prof. dr. Leonildo Silveira Campos, da Metodista; e o jornalista Roldão Arruda, do jornal O Estado de S. Paulo. A mesa foi coordenada pela profa. dra. Magali do Nascimento Cunha.


Religião e meios de comunicação

Altemeyer traçou um panorama geral sobre a abordagem da imprensa nos mais variados meios. Para ele, a Internet é a maior e mais promissora área, e deve ser levada a sério, de maneira profissional. “Hoje, qualquer grupo religioso está presente na Internet, até os que acabaram de nascer. Já são muitas as comunidades organizadas virtualmente, o que é habitual para o mundo protestante, mas no católico ainda é novidade. Temos muito material de qualidade disponível na rede”, conta.

O professor também enfatizou a presença das igrejas na TV. Segundo Altemeyer, a Igreja Católica está recuperando o atraso e hoje já dispõe de bastante espaço: “quando você vislumbra a grade de programação dos canais percebe como essa questão se tornou algo inédito. Trata-se de um novo universo de presença. Há 20 anos não existia essa perspectiva, pois TV custa caro”. Já no rádio, a Igreja Católica sempre foi e continua muito presente, mas a falha, segundo ele, é que todas as emissoras estão na faixa AM, que tem por público-alvo pessoas de maior faixa etária. “Este é um questionamento profundo, pois desta forma não se atinge o jovem”, diz.


O desafio na grande mídia

Jornais de alta circulação retiraram a religião de seu universo primordial e até mesmo secundário de notícias. Tudo o que se lê são escândalos. “A própria Marcha pra Jesus, que reúne milhares de pessoas, ganha notas nos rodapés dos jornais. Não há relevância desses acontecimentos, no máximo matérias sobre Natal e Páscoa”, afirma Altemeyer.

O jornalista Roldão Arruda, que cobriu a área de Religião por mais de dez anos, seguiu por esta mesma linha. Segundo ele, é muito grande a desinformação religiosa na nossa sociedade e falta jornalismo especializado no tema. “Há muita dificuldade em emplacar pautas religiosas, a não ser escândalos e pedofilia. Isso porque a Religião tem um poder imenso na nossa sociedade”, diz.

Ele ainda afirma que os jornalistas devem se atentar a pequenos detalhes, pois isso pode fazer a diferença nas redações: “muitas vezes, o importante não está na primeira página. É preciso ler notícias menores, ligar um fato a outro, fazer uma leitura mais detalhada dos jornais, ir além da imagem inicial”.

Já o professor Leonildo Silveira Campos apresentou um vasto material sobre o Pentecostalismo na mídia, como ela trata o assunto e como seus seguidores reagem às matérias. “O Pentecostalismo nasceu em 1906, nos Estados Unidos, já sob o ataque da mídia, com charges ridicularizando, passando a imagem de algo excêntrico”, conta. Ele também apresentou diversas reportagens de veículos nacionais, sempre com abordagens negativas. “A mídia tira um bom proveito disso, mas ela se esquece de que também faz parte desse cenário. Fica a pergunta: até que ponto os jornalistas estão a par do mundo protestante e pentecostal?”.


Eclesiocom 2009

Para a organizadora do evento, professora Magali do Nascimento Cunha, é muito importante trazer discussões como esta para a academia. "Essa é uma dificuldade não só no Brasil, mas em muitos países. Precisamos de um espaço, mesmo que pequeno, para discutir essas questões, e a Eclesiocom continuará contribuindo nesse aspecto. Temos que sair daqui com muitas ideias para realizar mais pesquisas e nos aprofundarmos", afirma.

A Conferência vai até às 17h desta terça, 24 de novembro, no Auditório Capa do Campus Rudge Ramos. Na parte da tarde serão realizados fóruns, apresentações de trabalhos e reuniões para a articulação da edição 2010 do evento.

Para mais informações: http://www.metodista.br/eclesiocom

Comunicar erros


Leia mais notícias sobre: , ,
Portlet de conteudo estático
Portlet de conteudo estático
Portlet de conteudo estático
Portlet de conteudo estático