Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Gestão Pública - A Distância / Notícias / Incentivo seletivo em Jacareí atrai investimentos sem guerra fiscal, diz secretário

Incentivo seletivo em Jacareí atrai investimentos sem guerra fiscal, diz secretário

Em palestra no curso de Gestão Pública, dirigente mostra como o PIB municipal quadruplicou

22/02/2016 18h45 - última modificação 23/02/2016 18h47

Secretário Emerson com prof. Vinícius na palestra sobre "Promoção do Desenvolvimento Local" (Foto Malu Marcoccia)

De incentivos seletivos para atrair empresas à doação de áreas para escolas formadoras de mão-de-obra profissionalizante, Jacareí quase quadruplicou (para R$ 8,2 bilhões) o PIB na década 2003-2013 sem ter sido necessário entrar na famigerada guerra de renúncia fiscal, garante o secretário de Desenvolvimento Econômico, Emerson Goulart Caetano de Souza. Em palestra no curso de Gestão Pública EAD na noite de 19 de fevereiro, ele discorreu sobre como a cidade do Vale do Paraíba, em São Paulo, “fez a lição de casa” para ampliar receitas e empregos e, consequentemente, melhorar os serviços à população.

“Uma das primeiras providências foi estabelecer três zonas para ocupação: uma zona industrial de 70 km2, outra urbana e residencial e outra zona mineral, uma atividade forte no município. Antes, Jacareí crescia desordenadamente, com indústria perto de hospital e empresas dentro de bairros. Com as zonas delimitadas, é possível dar credibilidade e segurança aos investidores”, entende o dirigente municipal, que discorreu sobre “Desafios na Promoção do Desenvolvimento Local”.

Entre outros, Jacareí conseguiu trazer empresas como a automotiva Cherry e a autopeças espanhola Tecnia, além de ter atraído com doação de terrenos uma unidade do Senai (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial), outra da Fatec (Faculdade de Tecnologia de São Paulo) e ainda do Instituto Técnico Federal de Educação, Ciência e Tecnologia. O IPTU é isento durante 20 anos para empresas que gerem pelo menos mil empregos e faturem R$ 100 milhões/ano, o ISS de 3% é descontado do habite-se da obra e há isenção de 2% do ITBI (Imposto sobre Transmissão de Bens e Imóveis).

Com 220 mil habitantes, Jacareí entende que já tem atrativos naturais como estar às margens da Via Dutra ao lado do polo tecnológico de São José dos Campos, a 60 quilômetros da Capital paulista e a uma hora e meia do porto de São Sebastião. Mas precisou otimizar também o lado da máquina arrecadatória para robustecer as receitas. “Implantamos o ISS eletrônico para dar agilidade e eficiência, além de atualizar a planta genérica da cidade e o consequente IPTU, que era de 2001”, disse o secretário, citando que o orçamento geral cresceu de R$ 127 milhões em 2001 para quase R$ 1 bilhão neste 2016.

Qualidade de vida

Oferecer qualidade de vida também é item obrigatório na agenda de gestores públicos e que sensibiliza bastante potenciais investidores, segundo Emerson Goulart. Por isso, o antigo lixão de Jacareí, que recebia 100 toneladas de dejetos em 2001, foi transformado em aterro sanitário que recebeu nota 10 da Cetesb (Cia. Ambiental do Estado de São Paulo) pelo controle do chorume e separação de recicláveis. Hoje 60% dos bairros têm coleta seletiva e uma cooperativa de catadores emprega 60 pessoas. Para 2017, a expectativa é gerar energia a partir do lixo por meio da compra de uma usina alemã de biocombustão.

“Fizemos isso por meio de PPP (Parceria Público-Privada), mecanismo muito interessante para também trazer investimentos”, disse o secretário, que ainda colocou micro e pequenas empresas na alça de mira. Na última década, o Banco do Povo multiplicou os empréstimos por cinco, atingindo R$ 1 milhão em 2015, a cidade ganhou uma unidade do Sebrae e formalizou 5 mil MEIs (microempreendedor individual), além de ter abrigado 23 empreendimentos na incubadora de empresas, 16 das quais já em atividade no mercado.

A palestra com o secretário de Desenvolvimento Econômico integrou a programação de 10 anos de Ensino a Distância Metodista e foi aberta também a não-alunos de EAD. Após a exposição, seguiu-se um bloco de perguntas do público. Emerson Goulart foi recebido pelo professor Vinicius Schurgelies e pela coordenadora do curso de Gestão Pública, Sibelly Resch.

Esta matéria foi publicada no Jornal da Metodista.
Conheça Outras.

Comunicar erros


Leia mais notícias sobre: , , , , , , ,

VINICIUS SCHURGELIES - COORDENADOR
vinicius
Minicurrículo

 


Receba informações de oferecimento deste curso

Receba informações de oferecimento sobre esse curso:

ACESSO RESTRITO

Ambiente Virtual de Aprendizagem

Botao para o siga
ead_restrito.gif
Portal Aluno
Portal Caps
INFORMAÇÕES DO CURSO

Modalidade a distância: modelo on-line 2, possibilidade de estudo semipresencial ou on-line. Saiba mais
Grau:
Tecnólogo

Duração: 2 anos

Polo de Apoio Presencial: Confira aqui

Mensalidade: Confira aqui

Reconhecimento:Portaria N° 42 de 14/02/2013

Avaliação do curso por polo