Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Gestão da Recursos Humanos / Notícias / Ambiente moderno de trabalho ainda exige currículo sério e boa apresentação pessoal

Ambiente moderno de trabalho ainda exige currículo sério e boa apresentação pessoal

Palestra no Polo EAD do Rudge Ramos orientou para entrevista de emprego e elaboração de currículo

26/05/2017 19h03

Coordenadora do curso de Gestão de RH, Andrea Leite, foi a palestrante

Os tempos de ambientes informais de trabalho multiplicados por startups e espaços compartilhados de coworking não dispensam um currículo bem elaborado e apresentação pessoal impecável em entrevistas. O currículo representa o início de uma relação. É a fase de apresentação, por isso é muito importante. Já, quando se cuida da imagem pessoal, passa-se a mensagem de autoestima positiva, fator igualmente destacado no cenário profissional.

“Mesmo nos ambientes mais descontraídos, as dicas de vestuário também valem. Você pode ir a uma entrevista bem vestido com uma calça jeans, camiseta por baixo de uma camisa ou de uma jaqueta e até com sapatênis. O que não cabe numa entrevista é comparecer de chinelo, bermuda e camiseta só para parecer descolado, flexível, criativo. Após ser selecionado, e a empresa tiver a cultura de liberdade para uso de qualquer vestuário, então não haverá problemas”, aconselha professora Andrea Leite, coordenadora do curso de Gestão de Recursos Humanos presencial e EAD, que conduziu palestra sobre empregabilidade e recolocação profissional promovida na noite de 24 de maio pelo Polo Rudge Ramos da Educação a Distância Metodista.

O currículo deve apresentar informações que ressaltem as competências e habilidades do candidato de forma simples, direta e objetiva. Deve conter informações pessoais básicas, nome, contato, endereço físico e eletrônico. Quando a vaga solicitar fotografia, idade, estado civil, deve-se informar, caso contrário, não há necessidade.

“Quando elaboramos um CV, devemos apresentar um resumo de nossa trajetória profissional contendo as competências necessárias, as habilidades e atitudes que foram adquiridas durante essa trajetória. Por exemplo: participação em projeto de implantação de ERP (Enterprise Resource Planning, ou Planeamento de Recurso corporativo), atuando com equipe multifuncional em nível nacional. Nesse contexto, o candidato demonstra ter experiência em atuar com projetos, trabalhar em grupo e adaptabilidade cultural”, exemplifica professora Andrea. Profissionais da área de comunicação muitas vezes trabalham com portfólio anexo ao currículo básico, assim como arquitetos e designer de interiores.

Preencher pré-requisitos

Candidatar-se a um emprego sem corresponder às competências básicas exigidas para a função é inadmissível no mundo dos recursos humanos. Quando uma organização encaminha os requisitos da vaga, já está informando que aqueles dados são o mínimo que aceita. “Portanto, se você não tem inglês fluente e esse é um pré-requisito, não envie seu CV, pois na entrevista você será surpreendido e isso pode ensejar um comportamento que não é aceitável”, advertiu a palestrante.

A entrevista é o ponto fundamental de um processo de seleção, portanto não se deve mentir. Se o candidato não sabe ou não teve experiência em alguma atividade sobre a qual foi perguntado, o ideal é que seja franco. “As pessoas valorizam quando você é honesto”, reforça a coordenadora do curso de Gestão de RH.

Não chegar atrasado para a entrevista é mandatório, bastando pesquisar previamente o caminho. Planejar-se e conhecer a empresa, seus valores e como são os funcionários também são dicas recomendadas. “Utilize as redes sociais para entender como a organização quer ser vista. Analise se o propósito da empresa tem coerência com os seus. Lembre-se: você passará a maior parte do dia naquele ambiente, cuja cultura e valores são compartilhados com que trabalha lá. Caso os valores não sejam compatíveis com os seus, procure outra organização; afinal, o trabalho também precisa ser prazeroso”, apontou a palestrante.

A revolução nos cenários de trabalho desencadeada pelas empresas nascentes de tecnologia, as chamadas startups, e pelos espaços compartilhados dos coworkings repletos de profissionais autônomos e freelancers não significa abrir mão de relacionamentos civilizados.

“Quando vamos para uma entrevista, precisamos nos adequar em termos de vestuário. Vestir-se muito formalmente, somente se a empresa é uma organização que tem isso como premissa para os trabalhadores. Nesse caso, vale a pena pesquisar nas redes sociais como a empresa, por meio de seus funcionários, se apresenta. Mas, mesmo que a empresa não tenha essa exigência, quando vamos para uma entrevista precisamos ter cuidados com a roupa, usar cores discretas, mulheres não devem abusar de transparência, saias ou vestidos curtos e maquiagem excessiva”, cita professora Andre. Unhas bem aparadas e limpas, assim como barba bem feita, fazem parte da boa apresentação. Deve-se evitar uso de tênis, embora o sapatênis caia bem, acrescenta ela.

O tema do encontro foi “Desafios e Oportunidades: o Currículo e o Processo de Entrevista em Prol da Empregabilidade e Recolocação Profissional”. Segundo a coordenadora do Polo Rudge Ramos, Rosicler Passos, a iniciativa buscou assessorar os participantes para a recolocação no mercado de trabalho, identificar seus talentos e oportunidades, assim como orientar para entrevistas de emprego e criação de currículo.

Comunicar erros


Leia mais notícias sobre: , , , , , , , ,

VALÉRIA CALIPO- COORDENADORA

Minicurrículo

 


Receba informações de oferecimento deste curso

Receba informações de oferecimento sobre esse curso:

Graduação Presencial

Acesso Restrito

Portal do Aluno / Docente
Portal CAPES
INFORMAÇÕES DO CURSO

Modalidade: Presencial
Grau: Tecnólogo
Reconhecimento: Portaria Nº 707 de 18/12/13 
Duração: 2 anos

Noite:
Horário de aula: 19h30 às 23h
Campus: Vergueiro 


Mensalidade 2018

Valor para pagamento antecipado:
R$ 818,00*

Valor para pagamento após o vencimento:
R$ 830,46

*Desconto válido para pagamento até o dia do vencimento, nos termos do contrato de prestação de serviços educacionais.