Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Fonte de Mudanças / Notícias / Turmas de Engenharia Ambiental monitoram rios que cortam o ABC

Turmas de Engenharia Ambiental monitoram rios que cortam o ABC

07/04/2015 20h05 - última modificação 08/04/2015 17h15

Com apoio da SOS Mata Atlântica, alunos do curso de Engenharia Ambiental e Sanitária da Universidade Metodista de São Paulo acompanham dois pontos do Ribeirão dos Couros e uma área do braço Rio Grande da Represa Billings, principal reservatório de abastecimento de água do Grande ABC. O trabalho aperfeiçoa pesquisas de campo dentro da área de conhecimentos acadêmicos dos estudantes e também conscientiza para a cada vez mais precária condição ambiental dos rios urbanos, explica a coordenadora do curso, professora Márcia Sartori.      

                                                       Fotos Públicas/Paulo Pinto 

Mensalmente os grupos envolvidos levam aos pontos de pesquisa kit fornecido pela Fundação SOS Mata Atlântica para analisar a qualidade da água. São avaliados pelo menos 16 itens, entre os quais transparência, temperatura, lixo flutuante, larvas e vermes, PH, nitrogênio e demanda química de oxigênio. Os dados abastecem o site da ONG dentro de um de seus programas – o Observando os Rios, no subgrupo Observando o Tietê.     

Os últimos dados disponíveis sobre o Ribeirão dos Couros apontavam situação “ruim” em 24 de novembro do ano passado e “regular” em 17 de janeiro deste ano. O Ribeirão dos Couros nasce em Diadema, próximo às margens da Billings, percorre São Bernardo do Campo e deságua no Ribeirão dos Meninos em São Caetano do Sul.  Já a situação do braço Rio Grande da Represa Billings (foto), na região do bairro Montanhão em São Bernardo, estava “regular” em 20 de janeiro e em 24 de fevereiro últimos.

23,3% ruins ou péssimos

O programa Observando os Rios faz medição da qualidade da água em 301 pontos de 111 rios, córregos e lagos de 5 Estados brasileiros e Distrito Federal – o mais amplo até hoje coordenado pela SOS Mata Atlântica, segundo a entidade. O último levantamento, divulgado na semana em que se celebrou o Dia da Água (22 de março), revela que 23,3% apresentam qualidade “ruim ou péssima”. Os dados foram coletados entre março de 2014 e fevereiro de 2015, em 301 pontos de coleta distribuídos em 45 municípios. 

A Fundação SOS Mata Atlântica é uma ONG privada criada em 1986. Tem como missão defender a mata atlântica, um dos ecossistemas mais ameaçados do mundo e do qual só restam 8,5% de remanescentes florestais. Também busca valorizar a identidade física e cultural das comunidades humanas e animais que os habitam. “É uma ação curricular importante para os alunos e também pelo serviço de informações que a SOS Mata Atlântica disponibiliza para alertar autoridades e população. Já temos outro grupo de alunos esperando nova área para monitorar”, informa professora Márcia Sartori.

Esta matéria foi publicada no Jornal da Metodista.
Conheça Outras.

Comunicar erros


Leia mais notícias sobre: , , , , , , , , ,



Assine este site
Fonte de Mudanças Feed RSS