Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Filosofia / Notícias / Niilismo é tema de Aula Magna do curso de Filosofia

Niilismo é tema de Aula Magna do curso de Filosofia

06/02/2014

06/02/2014 17h15 - última modificação 06/02/2014 17h34

O curso de Filosofia da Universidade Metodista de São promove, dia 13 de fevereiro, às 19h30, a Aula Magna “Eternidade frágil: niilismo e temporalidade do existir contemporâneo a partir do caráter exemplar do fenômeno da arte”, com o palestrante Dr. Marco Antônio Casanova.

O evento é aberto a comunidade, com entrada franca. Na ocasião o palestrante também estará disponível para autografar sua mais recente publicação: “Eternidade frágil: Ensaio de temporalidade na arte”.

Sobre o tema:

"A relação entre arte e verdade (arte e filosofia) remonta às origens do pensamento grego e às críticas platônicas aos limites estruturais das artes miméticas. Saber o quanto a arte poderia se arrogar em condições de dizer a verdade acerca dos entes marcou em muito a filosofia desde Platão. Esse, porém, foi apenas um primeiro passo, que logo foi seguido por muitos outros.

Acolhendo os impulsos oriundos do horizonte platônico de consideração da verdade das obras de arte, a relação entre arte e verdade atravessou um largo campo de problematização que caracterizou tanto o período helenista quanto a Idade Média. Pensar a noção de imitação e a verdade da imitação alimentou um conjunto enorme de esforços da tradição e se transformou em tarefa primordial no interior, por exemplo, da arte sacra. No entanto, é somente com os desdobramentos do pensamento moderno que tal relação passa a se inscrever no âmbito da questão da ligação entre verdade e história, entre verdade e tempo histórico. Com isso, surgiu aí simultaneamente a possibilidade de pensar a arte segundo dois paradigmas estruturais: ou bem como expressão do tempo, ou bem como campo de temporalização do tempo do mundo.

Acompanhar a passagem de uma a outra será a tarefa primordial de nosso trabalho. Não para ficar apenas no plano da reconstrução da relação entre arte, verdade e história, mas para sondar o quanto a arte dá voz à medida do tempo, de qualquer tempo, de nosso tempo. Ora, mas que tempo é esse que é o nosso? Nietzsche deu a resposta: esse é o tempo do mais terrível dos hóspedes, do niilismo que há muito ronda nossa casa e nos assola. Heidegger, então, acrescenta. Niilismo não somente como desvalorização dos valores tradicionais, mas também e principalmente como redução de todo ser a um construto relacional desprovido de densidade ontológica.

Assim, a arte contemporânea parece se ver marcada pela temporalização do tempo do niilismo, parece não passar de arte niilista. A questão, contudo, é que a arte contemporânea revela a situação ambígua do existir atual. Nós não estamos simplesmente condenados ao niilismo, mas a própria situação que gera o niilismo traz consigo na mesma medida a possibilidade de uma temporalidade dissonante em relação a todo niilismo, uma temporalidade não dos momentos em sua vertiginosa sucessão sem duração, mas da reconciliação no tempo entre tempo e eternidade: eternidade frágil.”

 

Sobre o palestrante:

Marco Antonio Casanova é doutor em filosofia pela UFRJ/Universidade de Tübingen (1999) e pós-doutor pela Universidade de Freiburg (2005-2006). Professor do departamento de filosofia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro e Presidente da Sociedade Brasileira de Fenomenologia. É autor de uma série de artigos em revistas nacionais e internacionais sobre Heidegger, Gadamer, Nietzsche e Dilthey entre outros, além de autor de O instante extraordinário: vida, história e valor na obra de Friedrich Nietzsche (2003), Nada a caminho: niilismo, impessoalidade e técnica no pensamento de Martin Heidegger (2006), Compreender Heidegger (2009), Eternidade frágil: Ensaio sobre temporalidade na arte(2013). O trabalho de Marco Casanova também possui uma amplitude enorme no âmbito das traduções para a língua portuguesa de autores alemães como Martin Heidegger (Os conceitos fundamentais da metafísicaNietzsche 1 e 2Introdução à filosofia), Hans Georg Gadamer (Hermenêutica em retrospectivaeHermenêutica da obra de arte), Wilhelm Dilthey (A construção do mundo histórico nas ciências humanasIntrodução às ciências humanas) e Max Scheler (Da reviravolta dos valores, O lugar do homem no cosmos Do eterno no homem) entre outros.

 

Aula Magna de Filosofia

Data: 13/02/2014

Horário: 19h30

Local: Auditório Capa – Campus Rudge Ramos – Rua Alfeu Tavares, 149 – Rudge Ramos – São Bernardo do Campo – SP.

Inscrições: serão realizadas no local e os participantes receberão certificado de 4h.

 

 

Comunicar erros


Leia mais notícias sobre: , , ,
COORDENADOR

WESLEY DOURADO
wesley.jpg
Minicurrículo

 filosofia.jpg

Receba informações de oferecimento deste curso

Receba informações de oferecimento sobre esse curso: