Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Filosofia / Eventos / 18ª Semana de Filosofia

18ª Semana de Filosofia

Confira a programação completa:


Segunda-feira - 10/08/15 
Palestrante: Luiz Jean Lauand
Título da palestra: O sistema língua/pensamento árabe
Ementa: Partindo do conceito de “sistema língua/pensamento” (Lohmann), serão expostas sete características da língua árabe que condicionam o modo de pensar, a educação e a cultura árabes.
Minicurrículo: Prof. Titular da Fac. de Ed. da USP. Prof. dos Programas de Pós em Educação e Ciências da Religião da Umesp. Prof. Investigador da Universitat d'Alacant (Espanha). Prof. Investigador da Univ. do Porto. Membro da Real Academia de Letras de Barcelona. Colunista da Revista Língua Portuguesa. Fundador e Presidente do Centro de Estudos Oriente e Ocidente da FEUSP

 


Terça-feira - 11/08/15 
Palestrante: Rui de Souza Josgrilberg
Título da palestra: Fenomenologia e cultura: a filosofia em zigzag no mundo vivido
Ementa: O tema do Lebenswelt (mundo da vida) que ocupa boa parte dos escritos de Husserl, especialmente em sua última fase, representa uma contribuição ímpar para uma filosofia da cultura e uma hermenêutica das culturas. Neste texto, tratamos da aproximação e interação entre as culturas partindo de uma análise do mundo da vida em suas múltiplas expressões e o mundo da vida enquanto condições a priori de possibilidades, o que nos proporciona vivermos em um mundo único onde cabem muitos mundos, o nosso mundo e o mundo cultural de outros.
Minicurrículo: Professor nos Programas de pós-graduação de Ciências da Religião e de Educação. Sócio fundador e primeiro presidente da Sociedade Brasileira de Fenomenologia. Autor e organizador de livros na área.


Quarta-feira - 12/08/15 
Palestrante: Ivone Gebara
Título da palestra: Filosofia e Feminismo
Ementa: Pensar ‘fora do eixo’ é acreditar que existe um eixo norteador da filosofia com características especiais. Entretanto, parece que agora estamos sendo provocadas/os a constatar que há algo para além do eixo anteriormente estabelecido. Esse ‘algo mais’ na realidade é algo plural e por isso mesmo um tanto desnorteador de um pensamento que construiu cronologicamente sua história: a história da filosofia. Esta começava nos pré-socráticos e chegava até a contemporaneidade. Às vezes incluía algo do pensamento oriental, porém a ênfase era dada ao ocidente. Nessa história desfilavam homens ilustres pensadores do SER, homens do conhecimento e da ética que dedicavam suas vidas a compreender racionalmente os muitos meandros e mistérios da vida humana. O século XX assiste a uma enorme reviravolta. Mulheres querem ser parte dessa história ou até de outra paralela, que poderia muitas vezes se encontrar já que tratam do mesmo fenômeno humano. O atrevimento feminino nem sempre foi bem-vindo. E, mais uma vez as mulheres filósofas foram consideradas como algo à parte, como portadoras como outros grupos de um pensamento ‘fora do eixo’. É esse ‘fora do eixo’ que me interesse e é a partir dele que proponho minha reflexão sobre FILOSOFIA E FEMINISMO. Qual é o eixo a partir do qual se elabora uma filosofia feminista? Que relação tem com outros eixos? Que epistemologias estão em jogo? Que ética se delineia? Que condições têm de ser acolhidas?
Minicurrículo: Doutora em filosofia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e em Ciências religiosas pela Universidade Católica de Louvain – Bélgica. Foi professora de filosofia e teologia por muitos anos no Instituto de Teologia do Recife e de universidades fora do país. Publicou vários livros e artigos em teologia e filosofia na perspectiva feminista. Atualmente vive em São Paulo.


Quinta-feira - 13/08/15 
Palestrante: Antonio Baptista Gonçalves
Título da palestra:  A (in) tolerância do Estado Democrático Brasileiro Laico
Ementa: Trataremos de temas como a laicidade e tolerância e do contraponto da prática da intolerância por parte do Estado brasileiro.
Minicurrículo: é Pós Doutor em Ciência da Religião - PUC/SP; Pós Doutor em Ciência Jurídica pela Universidad de La Matanza - Argentina; Doutor e Mestre em Filosofia do Direito - PUC/SP; Especialista em Criminologia - ISTITUTO SUPERIORE INTERNAZIONALE DI SCIENZE CRIMINALI - ISISC/ONU - Itália; Especialista em Direito Penal Econômico Europeu - Universidade de Coimbra - Portugal; Pos Graduado em Direitos Fundamentais - Universidade de Coimbra - Portugal; Pos-graduado em Teoria dos Delitos - Universidade de Salamanca - Espanha; Pós-graduado em Direito Penal Econômico e em Direito Tributário ambos na Fundação Getúlio Vargas e possui Graduação em Direito pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e se encontra cursando o Bacheraledo em Filosofia na PUC com conclusao prevista para 2016. Teve atuação ativa em obras sociais como presidente da ONG Associação Comunicando; também foi apresentador do programa semanal - Por Dentro da mídia na TV ABERTA, além de Professor atualmente na Escola Paulista de Direito, Escola Superior da Advocacia, como Professor convidado e também com atuação na Rede de Ensino LFG. Como advogado é Direitor Presidente da Banca Antonio Gonçalves Advogados Associados. Tem experiência na área de Direito, com ênfase na área consultiva, atuando principalmente nos seguintes temas: crimes empresariais, responsabilidade empresária, contratos e assessoria jurídica.


Sexta-feira - 14/08/15 
Palestrante: Decio Saes
Título da palestra: Althusserianismo e dialética
Ementa: O marxismo althusseriano confere prioridade, dentro do corpo teórico marxista, à teoria da história (ou materialismo histórico), deixando em segundo plano a filosofia. Por isso , o método dialético, avaliado como aspecto essencial da doutrina marxista por correntes anteriores, não suscitou a atenção dos althusserianos. A despeito disso, deve-se reconhecer que os althusserianos acabam, no trabalho de reconstruir o materialismo histórico, abordando de modo indireto (e parcialmente negativo) o método implícito na análise do processo histórico objetivo. São aspectos essenciais dessa abordagem: a) a rejeição de princípios lógicos e conceitos apresentados por Hegel na Ciência da Lógica (isto é, a rejeição da dialética hegeliana); b) o reconhecimento de que a análise de duas dimensões distintas do processo histórico objetivo (o processo de reprodução e o processo de transformação) implica o recurso a diferentes princípios lógicos: complementaridade (reprodução) e contradição (transformação). Uma nova reflexão marxista e pós-hegeliana sobre a dialética exige, portanto, que se leve em conta o caráter multiforme do processo histórico, superando as teses historicistas que postulam a unicidade do fluxo histórico.

Comunicar erros

COORDENADOR

WESLEY DOURADO
wesley.jpg
Minicurrículo

 filosofia.jpg

Receba informações de oferecimento deste curso

Receba informações de oferecimento sobre esse curso:

Acesso Restrito

Portal do Aluno / Docente
Portal CAPES
INFORMAÇÕES DO CURSO

Modalidade: Presencial
Grau: Licenciatura
Reconhecimento: Portaria Nº 286 de 21/12/12
Duração: 4 anos

Mensalidade 2018

Valor para pagamento antecipado:
R$ 475,00*

Valor para pagamento após o vencimento:
R$ 482,23

*Desconto válido para pagamento até o dia do vencimento, nos termos do contrato de prestação de serviços educacionais.

Horário de aula: Noite - 19h30 às 23h