Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Fateo / Notícias / Revista Isto É destaca luta das cristãs por mais espaço na Igreja e entrevista professora da FaTeo

Revista Isto É destaca luta das cristãs por mais espaço na Igreja e entrevista professora da FaTeo

10/02/2011 15h29

Na matéria de capa da edição de 29 de dezembro, que aborda a presença feminina no ministério de Jesus e na história da Igreja, a revista semanal Isto É entrevistou a pastora metodista Margarida Ribeiro, professora da FaTeo.


A luta das cristãs por mais espaço


Feministas católicas fecham o cerco em favor da ordenação das mulheres, tratada como delito grave pelo Vaticano e praticada pelos protestantes há quatro décadas

Por João Loes


imagens/margarida_istoe.jpg

A professora Margarida Ribeiro, fotografada no interior do Cenáculo, espaço devocional que reproduz, em escala 1:2, uma igreja do século 4º


Em pleno século XXI, no interior da Igreja Católica as mulheres desempenham um papel semelhante ao que lhes era atribuído durante o período em que Cristo viveu na Terra. São elas que impulsionam a instituição, participando ativamente das atividades eclesiais, movimentando as pastorais sociais, auxiliando padres e bispos em todos os tipos de tarefas, das corriqueiras às mais intelectuais. Tal qual as primeiras cristãs, que acompanharam Jesus em suas pregações, foram fiéis em todos os momentos, não o abandonaram em seu calvário e, mesmo assim, não estavam entre os 12 apóstolos. Mas pulsa cada vez mais forte no seio da Igreja um movimento de católicos que pleiteia a ordenação das mulheres e reivindica que elas possam ser “padres”. Há um número muito maior de freiras do que de sacerdotes no mundo hoje, mas as religiosas têm atribuições limitadas, quando compara­das aos homens: não podem consagrar a hóstia, ungir en­fermos ou atender confissões, por exemplo.

As católicas estão atrasadas – os protestantes históricos dão voz e vez às suas fiéis desde 1960. Mas a luta das seguidoras da Igreja Católica Apostólica Romana é mais difícil. O Vaticano chegou a dizer que a ordenação feminina é um delito tão grave quanto a pedofilia. “É uma ofensa à mulher ver a Santa Sé evoluir em vários aspectos e continuar ignorando os novos discursos de gênero”, argumenta Yury Puello Orozco, teóloga feminista e doutora em ciências da religião pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. “Os argumentos usados pela Igreja para legitimar essa posição vão contra o discurso de inclusão que ela prega.” A indignação é mundial. Em junho, seis organizações que defendem a ordenação das mulheres em países como Áustria, Inglaterra e Estados Unidos se juntaram em frente à Basílica de São Pedro, no Vaticano, para reivindicar o direito feminino ao sacerdócio. Dois meses depois, em agosto, durante a visita do papa à Inglaterra, a Catholic Women’s Ordination (CWO) adesivou 15 ônibus em rotas pelas quais o pontífice circularia com a seguinte frase: “Papa Bento, ordene mulheres agora!” “A igreja precisa mudar para incluir as mulheres, senão ela vai morrer”, disse a porta-voz da CWO, Pat Brown.

Entre os argumentos preferidos do Vaticano contra a ordenação feminina está o de que Jesus era homem e que, não por acaso, escolheu 12 apóstolos do sexo masculino. Em entrevista dada ao jornalista alemão Peter Seewald, publicada em novembro passado, o papa Bento XVI se justificou ao dizer que não é a Igreja que impede a ordenação de mulheres – ela simplesmente não pode porque não existe respaldo bíblico para isso. “Há uma tradição consolidada de não ordená-las”, resume o cônego Celso Pedro da Silva, reitor do Centro Universitário Assunção (Unifai) e pároco da Igreja Santa Rita de Cássia, no bairro do Pari, em São Paulo.

A preocupação das católicas é de que, sem chancela oficial, conseguir fazer a diferença na Igreja não está garantido. “Reconhecemos que existem padres que dão espaço à mulher, mas hoje dependemos da boa vontade deles”, diz Yury, que sofreu na pele com a mudança de sacerdote da paróquia que frequentava. O religioso, que dava espaço aos trabalhos femininos, foi substituído por outro, que o limitou. “Não faz sentido”, afirma Yury. “No fim a argumentação se reduz ao fato de que somos mulheres e não homens.”

Dentro das variações do protestantismo histórico, mulheres com aspirações sacerdotais já têm maneiras de iniciar a caminhada rumo à ordenação há algum tempo. Tradicionalmente, cada igreja decide se autoriza ou não o procedimento, mas sabe-se, por exemplo, que a Metodista do Brasil ordena mulheres desde 1974. Já os anglicanos o fazem desde 1944, enquanto os luteranos tiveram o primeiro registro na Dinamarca, em 1948. Os batistas, por sua vez, deram autonomia para que as igrejas decidissem só em 2000, embora existam registros de ordenação feminina datando do final do século XVIII. Em nenhuma das denominações é fácil chegar ao cargo. Entre os metodistas, por exemplo, são pelo menos seis anos de preparação, que incluem formação em teologia e experiência com representações locais, distritais, regionais e nacionais da fé. A reverenda metodista Margarida Ribeiro começou a caminhada em 1983 e só foi ordenada em 1989. “Hoje temos mulheres presentes em todos os níveis da hierarquia”, diz. Mas a representatividade ainda não é proporcional. “Trabalhamos para mudar isso”, diz ela. Os católicos ainda estão vários passos atrás. Nada que faça desanimar suas valorosas representantes.

Fonte: http://www.istoe.com.br/reportagens/116636_A+LUTA+DAS+CRISTAS+POR+MAIS+ESPACO

Comunicar erros


Receba informações de oferecimento sobre esse curso: