Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Fateo / Notícias / Professora da FaTeo dá entrevista sobre as representações de gênero na literatura evangélica

Professora da FaTeo dá entrevista sobre as representações de gênero na literatura evangélica

08/09/2011 13h40 - última modificação 08/09/2011 13h40


 As representações simbólicas do feminino e do masculino na literatura evangélica. Entrevista especial com Sandra Duarte 


 06/09/2011 - Instituto Humanitas Unisinos
 
Livros evangélicos que ensinam as mulheres a serem “‘boas esposas’, ‘boas mães’ e ‘boas donas de casa’” estão entre os mais vendidos do mundo porque “as mulheres estão em crise”, afirma Sandra Duarte. Apesar de terem conquistado espaço na sociedade, destacando-se profissionalmente, as mulheres buscam “respostas religiosas para uma crise que extrapola nossa capacidade humana de lidar com tantas atribuições”, menciona em entrevista concedida por e-mail à IHU On-Line.

A mulher ideal, na literatura evangélica, “é concebida como uma mulher domesticada de acordo com o padrão patriarcal da cultura”. Segundo a pesquisadora, as representações simbólicas de feminino e masculino contribuíram para naturalizar conceitos e atribuições de homem e mulher. Nesse contexto, as religiões ainda legitimam relações de dominação entre os sexos. “Essa maneira sacrificial de conceber o feminino tem sido um dos grandes problemas para a superação da dominação de gênero. A carga de culpa das mulheres por não corresponderem àquilo que é considerado ‘coisa de mulher’ é enorme”, avalia. E dispara: “É também importante dizer que boa parte dos livros evangélicos direcionados às mulheres desculpam os homens por serem “do jeito que são”.

Sandra Duarte de Souza é graduada em Serviço Social e em Teologia pela Universidade Metodista de São Paulo, mestre e doutora em Ciências da Religião pela mesma instituição. Cursou pós-doutorado em História Cultural pela Unicamp. Atualmente é professora da Universidade Metodista de São Paulo, coordenadora da área de Religião, Sociedade e Cultura do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Religião.

Confira a entrevista.

IHU On-Line – Como analisa a publicação e a divulgação da literatura evangélica direcionada ao público feminino? Qual é o objetivo da literatura evangélica para mulheres?

Sandra Duarte – As mulheres contemporâneas, na maioria dos países, estão ascendendo a uma condição política (no seu sentido mais amplo) que tem lhes permitido alcançar maiores níveis de educação (no Brasil, inclusive, somos maioria em todos os níveis de ensino a partir do ensino médio) e, consequentemente, maiores possibilidades de ganhos econômicos. Essa condição faz com que os vários segmentos comerciais se voltem para esse público que possui grande potencial de consumo. O mercado editorial não fica atrás. As mulheres lêem mais do que os homens e, com o incremento de seu poder de compra, elas estão na mira das editoras e livrarias, inclusive ou principalmente das que produzem literatura religiosa, pois, em nosso país, por exemplo, de acordo com a pesquisa “Retratos da Leitura no Brasil”, a literatura mais consumida por mulheres é a religiosa.

Esse tipo de literatura, apesar de apresentar uma abordagem supostamente favorável às conquistas das mulheres nas últimas décadas, reconhecendo a necessidade de sua capacitação por meio da educação formal e de sua inserção no mercado de trabalho, tende a reforçar representações do feminino e do masculino que perpetuam a desigualdade de gênero.

IHU On-Line – Como a mulher é compreendida na literatura evangélica?

Sandra Duarte – A literatura evangélica direcionada para mulheres tende a orientá-las a serem “boas mulheres”, isto é, “boas esposas”, “boas mães” e “boas donas de casa”. Elas podem fazer o que quiserem, desde que cumpram esse papel entendido como natural e divinamente conferido a elas. Em outras palavras, esse tipo de literatura reconhece a inserção das mulheres na esfera pública, mas afirma, às vezes implícita e às vezes explicitamente, que o seu lugar “mais legítimo” é a casa. Isso tem muitas implicações, por exemplo, se considerarmos que a conquista de novos lugares sociais pelas mulheres não tem sido acompanhada por uma redistribuição das tarefas domésticas e por uma transformação das representações do feminino. Com isso, o que vemos, são mulheres sobrecarregadas, estafadas e deprimidas, pois têm que provar cotidianamente que são boas o suficiente para estarem no espaço público (considerado espaço de homem) e que continuam boas o suficiente para dar conta das atribuições domésticas, culturalmente consideradas como “essencialmente” femininas.

IHU On-Line – Como a literatura evangélica apresenta a mulher para as mulheres? Há um ideal de mulher social?

Sandra Duarte – A mulher ideal apresentada por esse tipo de literatura é, na maioria das vezes, concebida como uma mulher domesticada de acordo com o padrão patriarcal da cultura. Ela é apresentada como uma supermulher que dá conta do trabalho fora de casa, da realização ou da administração das tarefas domésticas, do cuidado com o marido, do cuidado com os filhos e filhas, do cuidado com outros membros da família, etc.

Também não passa despercebida uma noção de mulher paradigmática que foge à vivência real de um contingente significativo de mulheres. Se prestarmos atenção, veremos que essa mulher é sempre casada, seu marido está bem colocado no mercado de trabalho, ela tem filhos/as (poucos, evidentemente), tem casa própria, é de classe média, tem bom nível de educação fomal, tem vida profissional própria e é branca.

IHU On-Line – Como essa “mulher ideal” apresentada na literatura evangélica dialoga com a “mulher real”?

Sandra Duarte – É difícil responder a essa pergunta. Mas penso que a imposição de uma mulher paradigmática pela literatura evangélica não é um fator isolado. Uma série de outros mecanismos produtores de sentido concorre para o fortalecimento dessa representação. A “mulher real” se identifica com essa “mulher ideal” porque ela representa a supermulher que conseguiu harmonizar todas as coisas sem enlouquecer, que conseguiu dar conta de todas as atribuições domésticas “com louvor”, que se dedicou de forma incontestável à família, que “engoliu sapos” dignamente, que teve uma vida profissional autônoma, que conseguiu se manter bela e desejável (de acordo com o padrão midiático) a despeito dos anos, etc.

Uma “mulher comum” não daria conta disso sem adoecer. Não é à toa que, na atualidade, o índice de mulheres com depressão, achando-se fracassadas, é enorme. Como disse anteriormente, as mulheres conquistaram muitas coisas em outros campos da vida, mas sua identidade como mulher continua sendo afirmada a partir do casamento, da maternidade e de todas as representações que envolvem essa condição. O acúmulo de atribuições inviabiliza uma vida saudável.

IHU On-Line – O que a busca pela literatura evangélica revela sobre as mulheres, especialmente em um momento em que elas estão cada vez mais atuantes no mercado de trabalho?

Sandra Duarte – Creio que revela que as mulheres estão em crise. Tem sido cada vez mais difícil conciliarmos tudo, então buscam-se respostas religiosas para uma crise que extrapola nossa capacidade humana de lidar com tantas atribuições. Essa literatura, porém, continua informando às mulheres que elas devem continuar com toda a carga. Essa maneira sacrificial de conceber o feminino tem sido um dos grandes problemas para a superação da dominação de gênero. A carga de culpa das mulheres por não corresponderem àquilo que é considerado “coisa de mulher” é enorme. É também importante dizer que boa parte dos livros evangélicos direcionados às mulheres desculpam os homens por serem “do jeito que são”.

IHU On-Line – A religião ainda é utilizada para legitimar as relações de dominação entre os sexos? Por que essa visão persiste?

Sandra Duarte – Sim, sem dúvida! Quando falamos de religião estamos falando de sistemas simbólicos. As representações do feminino e do masculino são construções socioculturais, portanto, são aprendidas. Por força do processo dialético de produção da sociedade, os sujeitos sociais passam a acreditar que essas representações são naturais. A religião contribui para a naturalização dessas representações quando as afirma como sagradas, como vontade divina.

A dominação de gênero ainda é um problema pouco discutido no âmbito religioso, pois sua contestação pode desconstruir boa parte das bases sobre as quais os próprios sistemas religiosos se assentam, se organizam e constroem sua hierarquia. E não estou me referindo apenas ao âmbito cristão.

É importante dizer, contudo, que a religião pode funcionar (e em alguns casos já funciona) como desconstrutora de relações de dominação de gênero, especialmente por sua capacidade de acessar os sujeitos sociais a partir de seus códigos religiosos.

IHU On-Line – Como ocorre a transmissão do discurso religioso sobre as relações sociais de sexo?

Sandra Duarte – Por meio da literatura, dos sermões, da linguagem sexuada, das representações do divino, do aconselhamento pastoral etc. Mas também não podemos esquecer que a transmissão do discurso religioso não se dá exclusivamente pela religião. Os sujeitos religiosos são informados por outros mecanismos de produção de sentido. Portanto, estamos falando de uma combinação de sistemas culturais de sentido que dão o tom das relações de gênero em nossa sociedade.

Fonte: http://www.ihu.unisinos.br/index.php?option=com_noticias&Itemid=18&task=detalhe&id=46956
Comunicar erros


Leia mais notícias sobre:

Receba informações de oferecimento sobre esse curso: