Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Fateo / Notícias / Professor da FaTeo concede entrevista sobre significado da Páscoa

Professor da FaTeo concede entrevista sobre significado da Páscoa

03/04/2013 13h30 - última modificação 03/04/2013 13h45

O professor Luiz Carlos Ramos, especialista em Liturgia da FaTeo, falou ao jornal ABCD Maior sobre a origem e importância da celebração da Páscoa. A entrevista foi publicada na edição de 30 de março a 1º de abril, na página 9 do caderno Cidades.

LEIA A ENTREVISTA NA ÍNTEGRA, ABAIXO:

  1. Quais religiões comemoram a Páscoa?
    R.: Basicamente os Judeus e os Cristãos. A páscoa é observada pela maior parte dos cristãos (Romanos, Ortodoxos, Protestantes e mesmo Pentecostais), exceto por alguns grupos mais radicais, principalmente dentre os Pentecostais, tal é o caso da Congregação Cristã no Brasil.
  2. Qual a importância da festa para essas religiões?
    R.: Trata-se da festa maior, tanto para judeus como para cristãos. O "umbigo" da bíblia hebraica é, sem dúvida alguma, a história do Êxodo, a libertação do povo de Israel da escravidão no Egito. E o "umbigo" do Novo Testamento é, sem sombra de dúvida, a narrativa da paixão, morte e ressurreição de Jesus. Esta última coincidiu com a ocasião da comemoração da páscoa judaica e passou a ser identificada com esta, ressignificando-a. Para os judeus, a páscoa é a festa da libertação, da passagem da escravidão para a vida em liberdade; para os cristãos, é a passagem da morte para a vida plena e abundante.
  3. Quais as origens dessas festas?
    R.:  Ciclo Pascal — que compreende a Quaresma, a Semana Santa, o Tempo Pascal propriamente dito, e encerra-se com o Pentecostes — formou-se a partir de um processo de reflexão e sistematização do cristianismo que vai do primeiro ao quarto século da era Cristã. A partir deste ciclo se constituiu todo o calendário litúrgico.Nas comunidades primitivas, era comum a reunião no primeiro dia de cada semana na qual celebrava-se a memória de Jesus. A origem do culto cristão remonta a essa “Páscoa Semanal”, que ocorria no chamado “Dia do Senhor”.
    Em boa parte por influência do judaísmo cristão, desenvolveu-se uma celebração anual da Páscoa como um “grande dia do Senhor”, cuja festa se prolongava por cinquenta dias, sendo o último, o dia de chegada do Espírito, o Pentecostes Cristão, isso já no século II.
    No século IV, desenvolveu-se a tradição de reviver e refletir de um modo mais sistematizado, os momentos da paixão, isso deu origem às celebrações da Semana Santa. Desde o século III as vésperas da Páscoa já eram dias de reflexão. Os catecúmenos, que por dois ou mesmo três anos vinham sendo preparados para serem recebidos pelo sacramento do Batismo, agora eram acompanhados por toda a comunidade num tempo de penitência, oração e jejum. Inspirando-se nos quarenta dias de Jesus no deserto, preparando-se para seu ministério público, nasceu o período da quaresma. Assim, em torno da celebração da morte e da ressurreição de Jesus, desenvolveu-se todo o Ciclo Pascal do Calendário Litúrgico Cristão, marcado pela penitência e confissão, mas também pela alegria e exultação do crucificado e ressuscitado.
    A Quaresma é o período no qual se enfatiza a importância da contrição, do preparo e da conversão. Inicia-se no quadragésimo dia antes da Páscoa (não se contam os domingos). O início na Quarta-feira de Cinzas retoma à tradição bíblica do arrependimento com cinzas e vestes de saco (Jn 3.5-6 e Ne 9). É um momento oportuno para refletir sobre a confissão e o valor do perdão e reconciliação de e com Deus.
    Sua espiritualidade enfatiza momentos de preparo na história bíblica geral e da vida de Jesus:
  • Quarenta dias de Jesus no deserto (Mt 4.2; Lc 4.1ss);
  • Quarenta dias de Moisés no Sinai (Êx 34.28);
  • Quarenta anos do povo no deserto (Êx 16.35);
  • Elias em direção ao Horeb (1Rs 19.8).
  • Quarenta dias de chuva no Dilúvio (Gn 7)

A Semana Santa tem início no Domingo de Ramos, celebração de Cristo como o Messias, salvador dos pobres, o rei dos humildes. Reflete-se, nessa semana, passo a passo, os últimos momentos da vida de Jesus.
O Tríduo Pascal (da sexta-feira Santa — que para nós começa no entardecer da quinta-feira – ao Domingo) é o momento da vigília de preparo para a ressurreição.
Sua espiritualidade chama-nos a atenção para os momentos finais de Jesus até o ápice de sua paixão e ressurreição:

  • A Santa Ceia (Mt 26.17-30);
  • O Lava-pés (Jo 13.1-17);
  • Jesus no Getsêmani (Mt 26.36-46; Mc 14.26-31);
  • O julgamento, sepultamento e a crucificação (Mt 27; Mc 15; Lc 23; Jo 19),
  • A ressurreição no primeiro dia da semana.

A Páscoa (Domingo), propriamente, é a festa da ressurreição e da libertação. Um novo Êxodo ocorre, e a humanidade passa do cativeiro da morte para a vida plena e abundante.
Sua solenidade pode iniciar-se já na Quinta-Feira Santa (instituição da ceia), que dá início ao chamado Tríduo Pascal. Contudo a celebração da ressurreição começa com uma vigília na noite de sábado encontrando sua plenitude no romper da aurora do Domingo da Páscoa, quando Cristo é lembrado como o sol da justiça que traz a luz da nova vida, na ressurreição.
A espiritualidade norteadora da Páscoa aponta para a ressurreição nos mais variados relatos das comunidades do século I d.C.:

  • A ressurreição (Mt 28.1-20; Mc 16.1-8; Lc 24.1-12; Jo 20.1-18; At 1.14);
  • Cânticos Pascais (Sl 113 ao 118 e Êx 12).
  • Entre os hebreus, era comum a celebração da chamada “festa das semanas” ou Pentecostes, isso porque ela se dava sete semanas, ou cinqüenta dias, após a Páscoa. Nela, o povo dava graças ao Senhor pela colheita. Mais tarde, adquiriu mais uma dimensão cele­bra­tiva, a da proclamação da lei (instrução) no Sinai, cinqüenta dias após a libertação do Egito.
    Na era cristã, o Pentecostes tornou-se o último dia do ciclo pascal, quando celebra-se a chegada do Espírito Santo como aquele que atualiza a presença do ressuscitado entre nós, dando força para que as comunidades sejam testemunhas de Jesus na história.
    A espiritualidade que nos orienta nesse período fala da presença conso­ladora do Espírito que semeia nos corações a esperança do Reino de Deus e nos impulsiona para a missão:
    • Festa das semanas (Êx 34.22; Lv 23.15);
    • Jesus promete o Consolador (Jo 16.7);
    • Jesus ressuscitado sopra seu Espírito (Jo 20.22);
    • A chegada do Espírito Santo no dia de Pentecostes (At 2).
Comunicar erros


Leia mais notícias sobre:

Receba informações de oferecimento sobre esse curso: