Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Fateo / Notícias / Professora da FaTeo defende tese de doutorado sobre o papel da religião frente à morte

Professora da FaTeo defende tese de doutorado sobre o papel da religião frente à morte

03/04/2009 19h28 - última modificação 03/04/2009 19h31

“Corpos Enlutados: por um acompanhamento espiritual terapêutico em situações de luto” é o título da tese que a pastora metodista e professora da FaTeo Blanches de Paula defendeu no dia 27 de março, para obtenção do título de Doutorado em Ciências da Religião pela Universidade Metodista de São Paulo. O trabalho, uma contribuição aos estudos de aconselhamento relacionados à Teologia Pastoral, dá ênfase ao acompanhamento de pessoas que enfrentam perdas e situações de luto.

Blanches de Paula alcançou uma reação bastante elogiosa da banca, que ressaltou a importância desta contribuição para o destaque ao papel terapêutico da religião frente à questão da morte e da perda.

A professora Blanches realizou uma pesquisa de campo entrevistando dez pessoas, membros da Igreja Metodista na região do ABC, que haviam vivenciado situações de luto. A pergunta norteadora a que os sujeitos da pesquisa responderam foi: como você viveu a sua experiência do luto? Segundo a pesquisadora, os relatos mostraram que o luto tem sido tratado como algo pontual nas comunidades religiosas. “A percepção que temos é de que o tema é evocado apenas quando uma morte ou outro tipo de perda acontece. A fala sobre o luto ocorre geralmente no funeral e, em alguns casos, no acompanhamento pastoral em situação de doença terminal”.

Mas as histórias também revelam a importância da presença da comunidade pastora no momento da perda. “Essa presença foi explicitada como significativo suporte na elaboração do luto de seus paroquianos’, afirma Blanches. “Nos relatos encontramos pessoas que puderam reassentar seu mundo e ampliá-lo de significados, enquanto outras permaneceram enclausuradas na sua própria culpa. Mas em geral, percebemos um movimento de reafirmação dos sentidos da fé, da família, da comunidade religiosa”.

A pastora metodista, que também tem formação em psicologia, ressalta que o aprofundamento da espiritualidade para a vida deve se estender para a morte. É necessário tratar o luto como parte de nossa vida e não como um apêndice dela. “Num mundo onde o mote principal é vencer, ganhar, prolongar a vida com aparelhos, a teologia poderia elevar-se a uma reflexão auspiciosa em relação ao conceito da vida e da morte e a vivência do ganho e da perda no mundo hodierno. Não podemos negar que a teologia já foi atingida por valores neoliberais do ganhar sempre, mas ainda persiste um fazer teológico que olha a perda como parte do próprio ser cristão. Não estamos defendendo uma teologia da perda sem considerar que precisamos vivenciar o lado do ganho. Nossa vida é muito mais do que ganhar e perder. Nossa vida é partilha: quando partilhamos, todos perdem e todos ganham, aí então se diz que é chegado o Reino de Deus”.

imagens/blanches.jpg

Professora Blanches, à direita, apresentando sua tese de doutorado à banca e ao público presente (Foto: Luciana de Santana)

Comunicar erros


Leia mais notícias sobre:

Receba informações de oferecimento sobre esse curso: